22.800 leitos foram reabertos no SUS em meio à pandemia de covid-19

O SUS fornece locais de internação durante a pandemia, que podem não permanecer além da emergência (foto: Ascom / HCPA)

Após uma década de fechamento de leitos no Sistema Único de Saúde (SUS), foi em meio ao cenário caótico de transmissão da covid-19 no Brasil que 22,8 mil vagas foram reabertas para hospitalização. É a primeira vez nos últimos 10 anos que, em vez de interromper o serviço, mais de 75% da população brasileira que depende exclusivamente de unidades de saúde pública investe nesse tipo de infraestrutura. O desafio é manter parte das extensões funcionando na pós-pandemia, uma vez que as camas foram contratadas temporariamente.

De acordo com pesquisa realizada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), junto ao Registro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES), quase 41 mil leitos públicos foram fechados desde 2011, quando o país possuía 335 mil espaços de internação no SUS, destinados a internações. Mais de 24 horas. Em janeiro de 2020, o número caiu para 294.000. Segundo o CFM, 20 estados e 19 capitais brasileiras perderam leitos na rede pública na última década. Somente no estado do Rio de Janeiro, por exemplo, 11.055 camas foram desativadas. Na sequência, São Paulo (com 8.031 a menos) e Minas Gerais (-5.168) aparecem.

Devido à pandemia, entre fevereiro e junho, houve um aumento de mais de 22.800 leitos hospitalares. Em Roraima, a rede pública passou de 1.064 para 1.439 leitos (um aumento de 35%), a maioria na capital, Boa Vista. O Amapá passou de 953 para 1.152 camas (21% a mais), além de Sergipe, que teve um aumento de 353 camas no período (15%). Em números absolutos, os estados que mais permitiram leitos hospitalares no último ano foram São Paulo (5.354), com ênfase na capital, onde foram abertos quase 1.800 novos leitos; Pernambuco (2.697), também devido ao aumento de 1.155 unidades na capital; e Minas Gerais (2.525).

O que parece ser um bom sinal não se traduz necessariamente em um legado. Isso ocorre porque a maioria dos contratos é temporária e provisória, destinada a hospitais de campanha. Para o CFM, a tendência é que, com o fim da crise causada pelos gananciosos, eles sejam desativados novamente. “Muitos desses leitos foram criados no formato de hospital de campanha, instalados em praças públicas, academias e campos de futebol. Sabemos que eles serão desativados e perderemos a maioria deles. O local onde foram criados não oferece uma perspectiva positiva “, explica o primeiro secretário do CFM, Hideraldo Cabeça.

Entre as especialidades mais afetadas no período, em nível nacional, estão a psiquiatria (-19.690), pediatria clínica (-13.642 leitos), obstetrícia (-7.206) e cirurgia geral (-4.008). Os leitos de medicina geral, ortopedia e traumatologia, oncologia e saúde mental foram os únicos que experimentaram um aumento de mais de mil leitos na última década. “As principais áreas estão atrasadas quando analisamos a pesquisa. É claro que os leitos clínicos são altos, principalmente devido a esse aumento temporário no meio da pandemia “, afirma.

Procurando planos para manter leitos hospitalares abertos durante a pandemia, o Ministério da Saúde relata: “11.084 leitos de UTIs foram permitidos com um investimento de R $ 1,5 bilhão. Todos os esforços visam garantir assistência à população diante da pandemia. Após o período de emergência, a manutenção será discutida com os gestores estaduais e municipais de saúde. ”

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa Esteves

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *