400 km em 19h? Por que a cápsula leva para chegar à Estação Espacial? – 31/05/2020

400 km em 19h? Por que a cápsula leva para chegar à Estação Espacial? - 31/05/2020

Neste fim de semana, a NASA fez algo sem precedentes: um lançamento em solo americano, usando uma empresa privada. Os astronautas Robert Behnken e Douglas Hurley decolaram do Centro Espacial John F. Kennedy em Cape Canaveral, Flórida (EUA), às 16h10. (Horário de Brasília), no foguete Falcon 9 da SpaceX, empresa de Elon Musk. Dezenove horas depois, chegaram à ISS (Estação Espacial Internacional), onde ancoraram com sucesso a cápsula do Dragão da Tripulação.

A estação orbita a Terra a uma altitude de 408 km, uma distância como a do Rio de Janeiro e São Paulo, facilitando a visualização quando olhamos para o céu. Mas essas informações deixaram muitos usuários da Internet confusos: 19 horas para percorrer 400 km na velocidade de foguetes? Como assim?

Há uma explicação: a jornada não é reta, como um elevador. Além disso, são dois objetos movendo-se a milhares de quilômetros por hora, tornando o acoplamento uma tarefa extremamente difícil, exigindo extrema precisão e pode levar muitas horas ou dias para ser concluído.

Deve-se considerar a gravidade, órbitas e posições relativas entre os dois objetos.

“Não é como uma viagem na Terra. É uma ciência extremamente complexa, realizada em velocidade extremamente alta, um verdadeiro espaço de Fórmula 1. Ainda não alcançamos o nível de facilidade e velocidade de Star Trek.”
Julio Lobo, astrônomo no Observatório Municipal de Campinas Jean Nicolini

Primeiro, a cápsula é rapidamente colocada em sua primeira órbita, bem abaixo da da Estação Espacial. Doze minutos após o lançamento, o Crew Dragon já estava lá, “perto” da ISS. Mas então tem que dar a volta à Terra (órbita), cada vez mais alto, um processo chamado Transferência de Hohmann.

Ao mesmo tempo, ele verifica o sistema e calcula o melhor ponto de abordagem.

Definir foco leva tempo. Vários cálculos são feitos aqui na Terra, mas somente quando em órbita real você terá a trajetória precisa e acumulará dados para calcular com precisão. Sempre há pequenas variações de altitude, velocidade e tempo, que devem ser consideradas e ajustadas
Naelton Araújo, astrônomo da Fundação Planetária da Cidade do Rio de Janeiro.

Lá em cima, com pouca gravidade, qualquer aceleração leva você longe e você não quer acabar perdido no espaço profundo. Portanto, a cápsula mantém o motor desligado durante a maior parte da montagem; de qualquer maneira, ajuda a economizar combustível e equipamentos. Ele é usado apenas no caminho e para refinar a trajetória, nas chamadas “queimaduras de correção”, como se fossem pequenos degraus no acelerador de tempos em tempos.

Cinco navios estão estacionados na ISS

Imagem: Divulgação / ISS

Vale lembrar que a ISS viaja a quase 27.000 km / h, em uma órbita circular ao redor da Terra: leva cerca de 93 minutos para fazer uma curva completa. Crew Dragon lançou a uma velocidade semelhante. Imagine uma perseguição a essa velocidade!

“O processo de atracação na ISS é muito delicado. Leva 19 horas para abordá-lo com pouca velocidade relativa em um processo gradual. É a maneira mais segura de atracar. Outro navio que se aproxima rapidamente seria muito perigoso. A idéia é perseguindo e se aproximando pouco a pouco. Estamos falando de velocidade relativa, já que ambos orbitam a Terra em uma velocidade absoluta muito alta “, explicou Dulcídio Braz Jr, professor de Física e Blogger de inclinação.

A melhor tática, então, é deixar-se atingir pelo seu objetivo. A cápsula é colocada em uma órbita ligeiramente mais rápida que a da Estação Espacial, completando uma curva em 86 minutos, por exemplo. Quanto menor a órbita, mais rápida é (porque o ‘círculo’ viajado é menor).

Depois, com todos os cálculos prontos, é necessário fazer uma transferência final de Hohmann na altitude exata da ISS, posicionando-se bem na frente dela. Pronto! De ser um perseguidor, a cápsula começou a perseguir.

Agora, a parte mais radical: dar um “cavalo de pau”. Os astronautas acionam os freios e fazem uma inversão de marcha, giram 180 graus e ativam os motores uma última vez para desacelerar. Com a cápsula apontada para a ISS, eles assistem a aproximação. Lá está “apenas” alinhado e emparelhado.

A cápsula é pressurizada e os astronautas podem sair. Behnken e Hurley ficaram em quarentena antes de conhecerem as outras três pessoas que viviam na ISS: Chris Cassidy, da NASA, Anatoly Ivanishin e Ivan Vagner, da Roscosmo (agência russa). Eles devem permanecer lá até agosto.

O lançamento é o primeiro passo do Projeto Artemis, coordenado pela NASA, que quer colocar uma mulher na Lua até 2024. O objetivo final é que os humanos pisem em Marte pela primeira vez, algo que é esperado em 2030.

“Foi um belo começo. Lembro-me de quando criança, tínhamos a expectativa de ver o lançamento das missões Apollo, do homem na Lua. Hoje pudemos sentir um pouco disso. Vimos trajes modernos, uma ampla divulgação através das redes sociais.” Quem sabe inspirará crianças e jovens brasileiros a escolher uma carreira científica e teremos mais astronautas futuros “, acredita Julio Lobo.

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *