A camada de ozônio está se recuperando graças ao Protocolo de Montreal – 31/03/2020

A camada de ozônio está se recuperando graças ao Protocolo de Montreal - 31/03/2020

A cooperação internacional para diminuir o uso de produtos químicos que empobrecem a camada de ozônio está ajudando sua recuperação. A descoberta é de um estudo científico publicado pela revista científica Nature.

Os cientistas envolvidos na pesquisa dizem que as descobertas provam que alguns sistemas climáticos danificados podem ser curados se os governos agirem rapidamente para resolver as causas.

O jato do sul é um vento poderoso que molda os padrões climáticos e as correntes oceânicas no hemisfério sul, especialmente no verão. Até o ano 2000, ele estava mudando seu curso usual e se movendo em direção à Antártica, afetando tempestades e chuvas na América do Sul, África Oriental e Austrália.

O efeito prejudicial foi causado pelo esgotamento da camada de ozônio por compostos químicos sintéticos, como clorofluorocarbonetos e hidroclorofluorocarbonetos, encontrados em geladeiras, aerossóis e outros processos industriais.

Esses produtos químicos, que foram usados ​​em grandes quantidades até serem eliminados de acordo com o Protocolo de Montreal das Nações Unidas em 1987, afinaram a camada de ozônio, causando um crescente “buraco” no Pólo Sul que afetou Los Angeles. padrões de vento.

O novo artigo, publicado na revista Nature, mostra que o protocolo de Montreal parou de se mover para o sul desde o início do século e pode até começar a reverter quando o buraco no ozônio começa a se fechar. Em setembro passado, imagens de satélite revelaram que o pico anual do buraco na camada de ozônio havia caído para 16,4 milhões de quilômetros quadrados, a menor extensão desde 1982.

“É uma história de sucesso. Essa é mais uma prova de que o Protocolo de Montreal levou à recuperação da camada de ozônio”, disse ao The Guardian a principal autora do estudo, Antara Banerjee, que trabalha na divisão de ciências químicas. da Administração Nacional. Oceanic and Atmospheric e é pesquisador da Universidade de Boulder, Colorado.

O efeito esperado varia de região para região. Na Patagônia (sul do Chile e Argentina), deve haver mais chuva e menos luz ultravioleta cancerígena. As descobertas serão mais preocupantes para a América do Sul central (Uruguai, Paraguai, sul do Brasil e norte da Argentina), onde o esgotamento do ozônio anteriormente causava mais chuvas e bandas mais amplas de produção agrícola. O mesmo pode acontecer com a África Oriental e outras áreas desérticas nas latitudes médias.

Estudos anteriores sugerem que a reversão também pode ser uma boa notícia para a Austrália, que sofreu mais secas com o movimento do avião que afastou as tempestades de chuva de sua costa durante o inverno. Mas se isso é suficiente para compensar o aumento das emissões de carbono é outra questão.

Restaurar o ozônio não é suficiente para trazer os padrões climáticos do hemisfério sul de volta ao normal, porque outras emissões industriais, como dióxido de carbono e metano, continuam a exercer uma força perturbadora na direção oposta.

“Há um cabo de guerra entre a recuperação do ozônio e o aumento de CO2. É por isso que estamos vendo uma pausa. Em um futuro próximo, o fator de ozônio pode dominar e a corrente de jato retornará ao equador. Mas quando a recuperação estiver completo, o CO2 poderá empurrá-lo para o sul novamente “, disse Banerjee.

Alexey Karpechko, revisor de obras do Instituto Meteorológico da Finlândia, disse que o trabalho ilustra como o esgotamento do ozônio foi o principal fator na circulação atmosférica.

“Essas são definitivamente boas notícias. Isso mostra que nossas ações podem parar as mudanças climáticas”, afirmou. “Podemos ver ações coordenadas. É uma mensagem forte para nós, como emissores de gases de efeito estufa. Isso mostra que podemos manipular o clima de ambos os lados: incorretamente e reverter os danos que causamos”.

Se isso afetará a perda de gelo do mar antártico continua sendo uma questão sem resposta. Estudos anteriores sugeriram que o buraco no ozônio tinha um efeito de chaminé que absorveu parte do calor da atmosfera, o que significava que o pólo sul esquentava mais lentamente que o norte. Mas Banerjee disse que essa visão era controversa e exigia mais estudos.

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.