A eliminação do Brasil nas quartas de final chocou os torcedores em Calcutá, mas elogiou a ascensão do Marrocos

El bullicioso Fakir Chakraborty Lane, que llegó a ser conocido como ‘World Cup-er goli (carril de la Copa del Mundo)’, en la periferia norte de la ciudad, ahora luce una mirada triste después de la sorpresiva salida de Brasil en los quartas de final.

Alguns dos onipresentes verde-ouro com bandeiras de losangos amarelos (do Brasil) estão espalhados, enquanto um punhado de pôsteres de vinil flexível em tamanho real de Neymar e Richarlison está em um canto do Kolkata Dishari Club, sem vigilância.

No sul de Kolkata, negócios como de costume para o vendedor de Kasba Ghugni, Sukumar Haldar, que ganhou estrelato instantâneo na mídia social por seus negócios malucos em seu lanche picante de ervilha amarela durante as partidas do Brasil.

Para uma cidade onde a lealdade está sempre dividida entre a Alviceleste e a Seleção, a derrota do Brasil para a Croácia na disputa de pênaltis de sexta-feira tem causado profunda dor e angústia entre os torcedores. Também frustrou as esperanças de um delicioso confronto nas semifinais contra os arquirrivais.

Os membros do Dishari Club planejavam transmitir a semifinal e a final ao vivo em um telão e organizar uma grande festa, mas a saída do Brasil acabou com todas as suas esperanças.

“Tínhamos planejado dividir a tela em duas metades com Brasil e Argentina de cada lado e decorar a rua com pôsteres de Neymar e Richarlisons”, disse Soumen Bora, sócio do clube.

“Já está tudo cancelado, a maior parte do Pará (colônia) entrou em estado de luto. Agora é só assistir a Copa do Mundo e curtir o futebol”, completou o jogador de 33 anos, que trabalha como representante médico.

Para a ghugni shop de Kasba, que virou atração com os cartazes do Brasil, agora está tudo acabado.

“Com o Brasil fora da Copa do Mundo, a oferta acabou, é normal para mim”, disse Haldar, 45 anos, torcedor fanático do Brasil.

Mas ainda existem alguns fãs obstinados que querem apenas absorver a magia da Copa do Mundo.

Para o ex-vice-presidente sênior da Federação Indiana de Futebol, Subrata Dutta, torcedor inveterado do Brasil, a Copa do Mundo da FIFA é uma celebração do esporte e tem visto todas as eliminatórias desde 2002.

Preparado para sua sexta presença consecutiva em uma Copa do Mundo como espectador, Dutta tinha planos para assistir ao confronto de seu time favorito contra a Argentina nas semifinais.

Mas foi um freio novamente quando o Brasil coroou a segunda eliminação consecutiva nas quartas de final, e a quarta nas últimas cinco edições da mesma fase.

“Teria sido um banquete para os olhos, estou totalmente abatido”, disse Dutta ao PTI, na véspera de sua partida para o Catar.

“Mas não vou cancelar meus planos. A princípio, sou um amante de jogos. Eu apoio o futebol. Celebramos o futebol, criamos uma atmosfera eletrizante.

“Isso nos dá diferentes tipos de felicidade sem limites geográficos. Esta foi uma Copa do Mundo de surpresas. Quem esperava que o Marrocos estivesse na semifinal? Eu pergunto.

Debasish Dutta e Nitu Sarkar, altos funcionários dos rivais de Kolkata, Mohun Bagan e East Bengal, também são fortes apoiadores do Brasil.

Mas sair do Brasil não significa o “fim do mundo” para eles.

“Pelo contrário, tem sido uma Copa do Mundo cheia de aspectos positivos”, disse Dutta, citando o exemplo do Marrocos, que se tornou o primeiro país africano a chegar à semifinal após sua impressionante vitória por 1 x 0 sobre Portugal.

“Esta Copa do Mundo mostrou que a Copa do Mundo não se limita apenas à América Latina e alguns países europeus. O futebol está crescendo”, disse Debasish, que reservou sua passagem para o jogo de cúpula de domingo.

Agora que o Brasil não está lá, Sarkar, do Bengala Oriental, está ansioso pela final França-Argentina.

“Mas não será tão fácil para a França (chegar à final). Marrocos conquistou nossos corações com sua velocidade. Cada partida tem sido muito emocionante”, disse Sarkar.

Os famosos Gangulys de Calcutá também são conhecidos por sua lealdade ao Brasil.

“Sempre torço pelo Brasil. Espero ver algumas partidas na Copa do Mundo desta vez”, disse o ex-capitão da Índia Sourav Ganguly antes do início da Copa do Mundo.

Seu irmão mais velho, Snehasish Ganguly, que agora é o chefe da Associação de Críquete de Bengala (CAB), disse que é um candidato à Copa do Mundo.

“Sim, somos fãs do Brasil desde a infância. Mas o futebol não para no Brasil.

“Não acho que foi uma Copa do Mundo surpresa. Deu esperança a países asiáticos como Catar, Arábia Saudita, Japão e Coréia. E quem sabe se o Marrocos vai até o fim”.

You May Also Like

About the Author: Ivete Machado

"Introvertido. Leitor. Pensador. Entusiasta do álcool. Nerd de cerveja que gosta de hipster. Organizador."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *