A Espanha vence a Alemanha por 6 a 0 e chega à final em quatro – Observer

Sergio Ramos é o capitão da seleção espanhola, capitão de um dos clubes mais importantes do mundo e recentemente se tornou o jogador europeu com mais internacionalizações para o seu próprio país. É um dos maiores nomes do futebol nos últimos 15 anos, já conquistou praticamente tudo que tinha para vencer e é considerado um dos centros mais completos das últimas décadas. Ainda assim, Sergio Ramos continua a ser interpretado quase sempre como o vilão de todas as histórias.

Mas na última semana, a interpretação desse personagem ficou ainda mais clara. No fim de semana, foi o zagueiro que falhou os dois pênaltis que poderiam ter impedido a Espanha de empatar com a Suíça – depois de mais de dois anos sem perder um pênalti entre o Real Madrid e a seleção nacional-, complicando as contas dos espanhóis no grupo da Liga das Nações. O capitão estava agendado para esta segunda-feira ao lado de Luis Enrique, o treinador, na conferência de imprensa antes do jogo decisivo com a Alemanha. A UEFA, porém, anunciou horas antes que Ramos não compareceria e que seria Rodri, o médio do Manchester City, quem faria declarações à imprensa.

Quando o dia especial de Ramos se transformou no pesadelo de Sergio: o zagueiro perdeu dois pênaltis no empate da Espanha com a Suíça

A imprensa espanhola foi rápida em descobrir por quê. O jogador de 34 anos está atualmente negociando uma nova prorrogação de contrato com o Real Madrid. O problema? Ramos quer mais dois anos e um aumento salarial, o clube quer 1 + 1 – um contrato de um ano com renovação prevista para o final da próxima temporada – e a manutenção do actual salário de 12 milhões de euros por ano. É aqui, neste descompasso de ideias e desejos, que entra o PSG. Segundo o jornal AS, o clube francês elabora uma proposta milionária pela central que inclui três anos de fiança e 20 milhões de euros por ano. E será com essa vantagem na manga, apesar da intenção de encerrar a carreira no Santiago Bernabéu, que Sergio Ramos negocia com o Real Madrid.

Vilão da seleção com os dois pênaltis errados, vilão no clube porque busca o que quer fazendo uma espécie de jogo duplo, o zagueiro espanhol foi um suposto vilão de uma série de desenhos animados. Nas últimas semanas, o site de esportes Bleacher Report abriu uma nova temporada da série animada “Os Campeões”, que gira em torno de uma mansão fictícia onde convivem jogadores e treinadores de clubes da Liga dos Campeões. No segundo episódio, que foi publicado no início desta semana, Christian Pulisic é uma espécie de espião que tem que descobrir quem sequestrou Callum Hudson-Odoi, Giroud e Kanté, três colegas do Chelsea. Ao chegar à cena do crime e perceber que o sequestrador é a peça central do Real Madrid, ele pergunta: “Sergio Ramos?” A resposta espanhola é simples: “Quem mais? Não, sério, quem mais poderia ser o vilão? ”. Ramos, o vilão, até como personagem de desenho animado.

https://www.instagram.com/p/CHqukTYB6iO/

Nesta terça-feira, em Sevilha, a Espanha recebeu a Alemanha e teve que vencer para carimbar o passaporte para o os últimos quatro da Liga das Nações – para os alemães, porém, foi o suficiente para empatar. Luis Enrique lançou Morata na linha de frente do ataque, apoiado por Koke e Canales e com Ferran Torres e Dani Olmo caindo pelas laterais. Por outro lado, Joachim Löw contava com o habitual trio ofensivo, com Werner, Gnabry e Sané, e colocava Kroos, Gundogan e Goretzka no setor médio. Mas nenhum dos treinadores, claro, estava esperando o que aconteceu.

Morata abriu o marcador com um passe de Fabián Ruiz (17 ‘), que entretanto já tinha substituído o lesionado Canales. Ferran Torres aumentou a vantagem (33 ′) e Rodri, ainda antes do intervalo, fez o terceiro dos espanhóis (38 ′). No final do primeiro tempo, as únicas más notícias para Luis Enrique foram as lesões: Além de Canales, Sergio Ramos também saiu antes do intervalo devido a lesão. O defesa-central do Real Madrid segurou-se na coxa enquanto lançava uma bola, pressagiando um grave problema muscular para a defesa.

A segunda parte veio em seguida. Ferran Torres marcou duas vezes e completou o Hat trick Em pouco mais de um quarto de hora (55 ′ e 71 ′) e antes mesmo do final da partida, o Oyarzabal (89 ′) ainda deu tempo de levar o resultado para um escandaloso 6-0. Joachim Löw lançou Tah, Neuhaus, Waldschmidt e Henrichs, mas a Alemanha fez pouco ou nada para enfrentar uma Espanha totalmente eficaz e dominante. A seleção de Luis Enrique carimbou seu passaporte para os últimos quatro da Liga das Nações, terminando em primeiro no Grupo 4, enquanto a Alemanha sai da competição na segunda posição e totalmente humilhada. Sergio Ramos era o vilão de plantão, mas o filme de terror, aquele, acabou ficando reservado para os alemães: sofreram a pior derrota da história em jogos oficiais, a segunda pior da história se incluirmos individuais e as mais pesadas desde 1954, há mais de 60 anos.

Ainda neste grupo e nesta quarta-feira, Restou para o jogo entre Ucrânia e Suíça -quem decidiria quem estava na Liga A e quem estava na Liga B-, cancelado pelos casos de Covid-19 na delegação ucraniana.

You May Also Like

About the Author: Ivete Machado Castilho

"Introvertido. Leitor. Pensador. Entusiasta do álcool. Nerd de cerveja que gosta de hipster. Organizador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *