A estrela brasileira Sheilla vai participar da nova liga americana.

Lausanne, Suíça, 15 de outubro de 2020 – A estrela brasileira Sheilla Castro está prestes a iniciar um novo capítulo em sua longa e histórica carreira como a bicampeã olímpica anunciou que competirá na recém-criada Liga de Vôlei de Atletas Ilimitados na Estados Unidos. Estados em 2021.

A contrária de 37 anos voltou às quadras há um ano após dar à luz as gêmeas Liz e Ninna no final de 2018. A veterana, que não jogava desde os Jogos Olímpicos do Rio de 2016, passou a última temporada no Itambé Minas em Brasil. e ajudou a equipe a conquistar o Campeonato Sul-Americano de Clubes e a terminar em quinto lugar no Campeonato Mundial Feminino de Voleibol da FIVB.

Sheilla teve temporadas de sucesso no Brasil, Itália e Turquia, e a lendária adversária brasileira encontrou motivação no desafio de ajudar a estabelecer a nova liga nos Estados Unidos.

“Acho que seria ótimo para os jogadores e torcedores se uma liga profissional fosse estabelecida nos Estados Unidos e definitivamente quero fazer parte dela e ajudar a que isso aconteça”, explicou Sheilla. “Quando soube do interesse deles, estava decidido a ficar com Minas por mais um ano, mas quando pude conversar com eles e realmente compreender suas idéias e projetos, isso realmente me atraiu.”

Sheilla passou a última temporada de clubes no Brasil com o Itambé Minas

Campeã do mundo Sub-21 em 2001, Sheilla é uma jogadora fundamental da seleção brasileira desde 2002. Participou de três edições dos Jogos Olímpicos, conquistou o ouro nos Jogos de Pequim 2008 e Londres 2012 e também ajudou os sul-americanos . triunfo em vários outros torneios internacionais, incluindo sete edições do FIVB Volleyball World Grand Prix e duas edições da FIVB Volleyball Grand Champions Cup.

Ela espera que sua mudança para os Estados Unidos a coloque em uma boa posição para competir por uma vaga no elenco da seleção brasileira nas Olimpíadas de Tóquio do ano que vem, a força motriz por trás de sua decisão de retornar ao esporte.

Para isso, porém, o brasileiro terá que se adaptar às especificidades do campeonato, que será disputado de 26 de fevereiro a 4 de abril, em Nashville, no Tennessee. O formato do torneio contará com 44 jogadores formando novas equipes a cada fim de semana e ganhando pontos com base nas vitórias das equipes e desempenhos individuais. No final, um atleta será coroado campeão, não uma equipe.

“Para mim o mais interessante é que este formato vai exigir muito de nós individualmente”, acrescentou. “Ao contrário de um ambiente normal, onde você tem um sistema de apoio em sua equipe para ajudá-lo quando você não está tendo um bom dia, nesta liga todos terão que contribuir 100 por cento em cada jogo. Gosto desse desafio e depois de conversar com José Roberto Guimarães (técnico da Seleção Brasileira Feminina) concordamos que seria a situação certa para mim neste momento. Minha jornada com a seleção nacional não terminou do jeito que eu queria nos Jogos Rio 2016 e farei tudo ao meu alcance para estar em Tóquio. ”

A estrela brasileira comemora sua segunda medalha de ouro olímpica nos Jogos de Londres 2012

Outras estrelas internacionais do vôlei já estão confirmadas na liga, incluindo os americanos Jordan Larson e Karsta Lowe e o porto-riquenho Aurea Cruz.

Mais vôlei dos Estados Unidos:

You May Also Like

About the Author: Ivete Machado

"Introvertido. Leitor. Pensador. Entusiasta do álcool. Nerd de cerveja que gosta de hipster. Organizador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *