A grande cantora do jazz Dianne Reeves traz nova inspiração para Sheldon

A vocalista cinco vezes vencedora do Grammy, Dianne Reeves, cruza regularmente as fronteiras musicais, tocando músicas do Great American Songbook, pop contemporâneo e música brasileira.

No início da pandemia de coronavírus, Reeves fez sua maior pausa nos palcos de sua história. Ele surgiu com um desejo renovado de colaborar com músicos de diferentes origens musicais.

Reeves e sua turma atuar na quinta-feira no Sheldon Concert Hall e Galerias de Arte.

Jeremy D. Goodwin, da St. Louis Public Radio, perguntou a Reeves como a pandemia afetou sua abordagem de atuação.

Jeremy D Goodwin: Você tem uma visão diferente do seu trabalho agora, depois de estar longe por grande parte da pandemia?

Diana Reeves: Isso me deu outro tipo de clareza sobre o que quero fazer e como quero apresentá-lo.

No começo pensei: isso é loucura, não estou trabalhando. Mas, na verdade, foi bom para mim não trabalhar um minuto.

boa vitória: Para recuperar o fôlego?

reeves: Bem, estou aqui há 45 anos sem parar, basicamente.

boa vitória: Você volta à música com uma perspectiva renovada?

reeves: Acho que sim. Há uma paz agora que superei a pandemia, uma paz e uma compreensão da graça justa para mim e para as pessoas ao meu redor. E a música saiu de uma maneira totalmente diferente. Estou gostando muito do que me tornei e de como saí da pandemia.

Agora eu tenho feito todos os tipos de projetos com outras pessoas. Eu viajei, e continuarei, com os grandes Chucho Valdés. Então eu tenho colaborado com pessoas diferentes. Eu tenho minha própria banda, agora tenho uma banda brasileira. Duas bandas. Simplesmente me encanta.

boa vitória: O que isso representa para você como artista, mudar assim?

reeves: Não é uma mudança para mim. Tudo é música.

As pessoas que ouvem minha música sabem que minha música é muito, muito ampla. Então eu acho que eles deveriam esperar isso de mim. É apenas o que eu faço, e agora estou mais focado nisso. Posso sair [and play] Com meu guitarrista que é do Brasil, posso sair com Chucho Valdés e fazer duetos com ele e Joe Lovano. Tem sido verdadeiramente mágico.

boa vitória: Quais músicas estão em sua mente ultimamente? O que ele está falando com você? O que você acha que pode sair do caminho?

reeves: Os repertórios são diferentes com as diferentes configurações. Quando saio com o Chucho, é um jeito totalmente diferente de cantar.

As pessoas vão ouvir coisas, especialmente quando eu for ao Sheldon, com as quais elas estão familiarizadas. Neste show em particular estarão alguns dos belos padrões reinventados e da música brasileira.

boa vitória: Um grupo dedicado à música brasileira estreou em 2019, com guitarrista alecrim lubambo. Alguma coisa em particular despertou um interesse renovado em explorar essa música?

reeves: Acho que não fiz um álbum que não tenha uma referência ao Brasil. Está em quase todos os discos que gravei. É apenas um interesse e uma conexão vitalícia.

boa vitória: Tenho a sensação de que o aprendizado nunca para para você.

reeves: Vivemos neste mundo enorme, onde há muito a aprender. Eu só quero aprender mais, fazer mais, ver mais, experimentar mais, cantar mais. Isso me mantém indo.

boa vitória: Agora que você olha para o futuro imediato, parece bastante otimista.

reeves: Ah, eu sou óbvio. Estou aqui. Estou animado por estar de volta, fazendo isso, ouvindo, compartilhando com meus músicos. Eu estava em Miami e depois do show tive a oportunidade de ver outras músicas. Foi agradável. Então estou gostando de tudo. E estou inspirado.

Siga Jeremias no Twitter: @jeremydgoodwin

You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.