A lei vai acabar com a TV paga, diz representante da AT&T

Existe um aparente consenso no mercado de TV paga: é necessário rever a Lei da TV paga, também conhecida como Lei SeAC, para o serviço de acesso condicional.

Em evento digital realizado ontem e hoje 19, no site da Teletime, executivos de diversas empresas afirmaram que é necessário modificar a Lei para garantir a sustentabilidade do segmento diante da concorrência com OTTs, aplicativos que utilizam a internet para transmissão de conteúdo audiovisual , como o Netflix. e Amazon Prime.

PUBLICIDADE

Ontem, os presidentes da Claro e Sky alertaram sobre os riscos que a TV paga enfrenta no Brasil. Hoje, reguladores tocaram na mesma tecla, assim como representantes da AT&T (dona da Sky), Claro, Globo e Discovery.

Paulo Tonet, do grupo Globo, disse que a lei desempenhou um papel importante no incentivo à produção independente e entrou em colapso quando foi ao ar em 2011. Hoje, porém, está no caminho. “Esse excesso de regulamentação fazia sentido na época, mas hoje não. Nem faz sentido impor a novos agentes [OTTs] as regras da época. Tem que haver redução da regulamentação, mas com discussão ampla ”, disse. Vale lembrar que o Grupo Globo está no mercado de programação de TV paga, e também na OTT, com a Globoplay.

Fernando Magalhães, da Claro, complementou o discurso de ontem do presidente da empresa, José Félix, para quem a Lei SeAC deve acabar, mas até acabar tem de ser cumprida. “O SeAC está sendo desafiado por um modelo que não é regulamentado. Nos EUA, a AT&T tem o Directv Go e os dois moram lá. Aqui existe uma assimetria de regulação, de impostos, que se transforma em preço ”, disse.

Michael Hartman, da AT&T, foi o mais incisivo. “Este ambiente regulatório acabará com o SeAC como é hoje. Temos um ambiente no Brasil que impõe mais regulamentações do que vivemos fora do Brasil. Isso cria um quadro de assimetrias com as OTTs que são anti-inovação e são um fardo para produtores e distribuidores que querem inovar ”, criticou.

Para Hartman, quem hoje inova na distribuição de conteúdo são empresas fora do mercado de televisão paga, justamente por não estarem sujeitas a regulamentação. “Toda inovação começa fora da esfera regulada. Essa inovação está beneficiando o consumidor, que tem mais opções ”, disse. Segundo ele, a AT&T estuda lançar no Brasil o aplicativo Directv Go, aplicativo que dá acesso a canais lineares de TV paga. “A Sky gostaria de prestar serviço e atender os clientes como a Netflix, porque tem custo menor, mas no Brasil não pode”, concluiu.

Lara Andrade, da programadora do Discovery, concorda. O executivo lembrou que em 2011 os programadores internacionais já eram contra a lei SeAC, posição que se mantém inalterada até hoje. Segundo ela, a grande dúvida são as cotas de conteúdo local. “Os incentivos sempre induzem mais do que obrigações. Acho ótimo que haja incentivos para VoD, filmes, jogos. Mas é melhor que os incentivos venham livremente para que a empresa defina suas próprias estratégias ”, defendeu.

You May Also Like

About the Author: Manoel Menezes Kimura

"Analista hardcore. Viciado em Twitter. Comunicador. Jogador sutilmente encantador. Fã de bacon. Fanático por álcool irritantemente humilde."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *