A Magia da Noite Brasileira na Cidade dos Anjos

Marisa Monte no Royce Hall, Universidade da Califórnia em Los Angeles, 27 de março de 2022

Talvez porque eu estava tão empolgado com o motivo de estar visitando a UCLA, inicialmente não me ocorreu que eu nunca tinha estado lá antes, mesmo sendo um residente de longa data do sul da Califórnia. É um campus encantador, repleto de uma bela arquitetura que faz parecer, como minha esposa comentou, como deveria ser um campus universitário.

Mas quando se trata de novas experiências, ver a cantora brasileira Marisa Monte ao vivo pela primeira vez foi o verdadeiro prêmio. Era inconsequente que eu não fosse um membro da entusiasmada comunidade brasileira em Los Angeles que corretamente levantou o telhado do Royce Hall enquanto cantavam, porque a música de Marisa Monte atravessa fronteiras tão irresistivelmente quanto penetra profundamente.

Marisa Monte ao vivo no Royce Hall – Foto de Eduardo “Orelho” Wave Degree

E foi isso que ele fez. Subindo ao palco com um vestido cintilante e parecendo apenas um dia mais velha do que há 30 anos, Monte aproveitou um momento para reconhecer a alegria que sua chegada recebeu quando uma introdução celestial da banda atingiu seu pico. Ele então passou para a faixa-título do último álbum. vigias e também em uma noite de música rica em raízes brasileiras mesmo em meio a toques de brilho contemporâneo e influências muito além do Brasil.

Monte cantou de tudo, de ópera a Gershwin, e seu alcance era evidente em um setlist que remontava à sua estreia em 1989, além de apresentar números mais novos, como o caracteristicamente sorrateiro “Deja Vu” e o infundido “Calma.” do jazz.

No entanto, as favoritas do público pareciam ser músicas que ela co-criou através de suas muitas colaborações com outros músicos de destaque, incluindo a parceria de Arnaldo Antunes e Arto Lindsay de “Beija Eu” e “Pra Melhorar”, para a qual ela se juntou no palco por Flor, uma brasileira de Los Angeles com uma voz que se harmonizava perfeitamente com a de Monte. (Pena que Seu George, terceiro compositor e vocalista disso, não estava de passagem pela cidade).

Marisa Monte ao vivo no Royce Hall – Foto de Eduardo “Orelho” Wave Degree

Algumas faixas do super trio Monte/Antunes/Carlinhos Brown Tribalistas lembrou-nos a todos como essas obras eram históricas. E enquanto a atmosfera esquentava para um final de celebração cheio de samba, cada centímetro disponível da pista do Royce Hall foi transformado em uma pista de dança com apenas um pé. Entre as músicas, Monte dirigiu-se ao público com um tom bem-humorado que contou as histórias por trás da música e mostrou que o amor entre ela e seus fãs é totalmente recíproco.

Marisa Monte ao vivo no Royce Hall – Foto de Eduardo “Orelho” Wave Degree

Houve mudanças de figurino e projeções na tela traseira que tornaram este show tão genuíno quanto um show, mas a música era o verdadeiro centro de tudo. A banda de Monte, que incluía o veterano baixista Dadi Carvalho, o multi-instrumentista Chico Brown (progênie de Carlinhos) e uma extraordinária seção de metais na frente do palco a que pertenciam, tocava com uma precisão orquestral que fazia cada música soar tão perfeita quanto pode ser uma foto de estúdio. .

Sendo este o primeiro grande evento de concerto que participei no que pareceram anos, parecia um regresso a casa da mais alta ordem. (Agradecimentos especiais a Cindy Byram.)

(imagem principal: Marisa Monte ao vivo no Royce Hall – Foto de Eduardo “Orelho” Wave Degree)

Autor: tom orr

Tom Orr é um escritor californiano cujo talento e estabilidade mental são igualmente questionáveis. Seus hobbies incluem ignorar tendências, fazer poses dramáticas na frente de sua esposa sempre tolerante e assistir impotentes a seus filhos superá-lo em todos os traços desejáveis.

Participação

You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.