A perda de Nubank sofre a primeira queda significativa desde sua fundação – Economia

UMA fintech Nubank viu seu prejuízo cair 32% no primeiro semestre deste ano, para R $ 95 milhões, em relação ao resultado apurado no final do primeiro semestre do ano passado. Mostra o saldo obtido em primeira mão pelo Estádio / Transmissão. A redução deve-se ao crescimento da receita e menores despesas operacionais por cliente, segundo o diretor financeiro da empresa, Marcelo Kopel.

É a primeira vez que Nubank percebe queda significativa – R $ 44 milhões – nas perdas desde a sua fundação em 2013. A única queda observada até o momento na sucessão de perdas com fintech havia sido em 2017, quando o prejuízo totalizou R $ 116 mil, contra R $ 122 mil no ano anterior.

Nubank gosta de ressaltar que operar no vermelho, por enquanto, é uma decisão. Como a empresa vem aumentando o número de clientes em ritmo acelerado, isso exige mais investimentos e mais recursos para provisionamento (dinheiro destinado a cobrir eventuais inadimplências que, embora não utilizadas, entram como despesa no balanço).

O Nubank encerrou o semestre com 26 milhões de clientes, mais que o dobro dos 11 milhões dos 12 meses anteriores. Se o aumento do número de clientes costumava significar maiores perdas para as empresas de fintech, a dinâmica começa a mudar, com o aumento da proporção de clientes antigos em relação aos novos.

“Os clientes que já estavam chegando estão amadurecendo”, disse Kopel. “Com o tempo, eles se envolvem mais conosco, gerando mais volume de transações, o que faz nossa receita crescer, mesmo sem cobrar uma taxa anual”, disse ele. “Se olharmos as ofertas por peça, o cartão de crédito já está gerando um resultado positivo”, disse.

É possível, disse o executivo, que o Nubank já comece a fechar a conta no ano que vem, em decorrência dessa nova dinâmica. “Mas isso está intimamente relacionado ao número de clientes. Se tivermos que postergar esse balanço, significa que o negócio está crescendo mais”, afirmou.

A Fintech comemora ainda que houve um aumento de 60% nos depósitos de clientes, com saldo de R $ 17,3 bilhões ao final do primeiro semestre. O resultado levou a empresa a fechar o primeiro semestre com R $ 19,9 bilhões em caixa, um crescimento de 48% em relação ao que havia no final do ano passado e um recorde nos sete anos de história da A instituição.

Não cumprimento na pandemia

Apesar dos melhores resultados no primeiro semestre, Nubank não ficou imune à crise econômica provocada pela nova pandemia de coronavírus, que começou a atingir o Brasil em março. No período mais difícil para a economia, a inadimplência (atrasos superiores a 90 dias) entre os clientes fintech atingiu 5,8%, índice registrado em junho. Em dezembro de 2019 era de 4,3%. Em julho, caiu ligeiramente para 5,7%.

Kopel, porém, considerou que a taxa de Nubank, ainda mais elevada, ainda está abaixo da média do mercado de 7,5% em junho, segundo dados do Banco Central (BC), “talvez devido às características de educação financeira da empresa. aplicação e a relação transparente que criamos com os nossos clientes. ”

Ainda de acordo com o executivo, a pandemia impactou o volume de compras com cartão de crédito no período inicial de quarentena no Brasil. Porém, no final do semestre, disse, o fluxo de transações voltou ao nível anterior e o volume de transações nas compras com cartão de crédito foi 54% superior ao registado nos primeiros seis meses de 2019.

You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci Shinoda

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *