“A realidade está chegando gradualmente”

JBr.

O presidente Jair Bolsonaro iniciou a coletiva de imprensa no Palácio do Planalto, anunciando que outro de seus ministros, Bento Albuquerque, de Minas e Energia, também possui o novo coronavírus. Com ele, já existem 17 membros do comitê presidencial que viajaram para os Estados Unidos há duas semanas que deram positivo para o covid-19. Ontem pela manhã, soube também que o ministro do Escritório de Segurança Institucional, Augusto Heleno, está contaminado.

Diante da nova situação, o presidente e alguns de seus ministros, incluindo Paulo Guedes, da Economia, e Luiz Henrique Mandetta, da Saúde, chamaram os jornalistas para anunciar várias medidas de emergência para combater a doença que está se espalhando por todo o planeta. quem já matou, segundo as últimas notícias, três pessoas no Brasil. Todos compareceram à entrevista com máscaras cirúrgicas. No domingo, o mesmo presidente, agora usando uma máscara, saiu às ruas para socializar com os manifestantes, contra todas as recomendações de saúde. O chip do capitão caiu.

“A realidade está gradualmente chegando”, disse o presidente, respondendo a uma pergunta. Ao longo da entrevista, Jair Bolsonaro procurou justificar sua atitude no domingo, que até foi condenada por alguns de seus apoiadores. Segundo ele, quando as primeiras notícias sobre o novo coronavírus apareceram na China, ninguém no resto do mundo estava preocupado com isso. “No Brasil, existe uma cultura de não antecipar problemas”, afirmou.

Segundo Bolsonaro, o nível de preocupação aumentou à medida que a doença se espalhou. Mas as medidas, segundo o presidente, estavam sendo tomadas, e o governo sempre teve conhecimento do problema, desde a operação que eliminou brasileiros da China que moravam lá no mês passado. “O governo se preparou para quando o vírus chegou. E ele viria “, disse ele.

O presidente disse que, além dos protestos de 15 de março, houve outros episódios de superlotação. Ele citou como exemplo o partido de abertura da rede de televisão da CNN, certamente para lembrar, indiretamente, a presença dos prefeitos da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP).

“No dia 15, cheguei a este prédio. Eu estava ao lado das pessoas, sabendo dos riscos que corria “, disse ele. Para Bolsonaro, foi uma demonstração de sua obrigação de estar “do lado do povo”. Ele comparou a atitude com a de jornalistas em risco, por exemplo, em uma guerra.

Durante a entrevista, o Presidente adotou um tom sério que estava causando a pandemia. Embora, em certos momentos, ele refletisse que a situação não pode cair em histeria. “O momento é sério. É de grande preocupação. Mas não é pânico ”, disse ele.

As medidas anunciadas buscam injetar recursos na economia, especialmente para atender a população de baixa renda. Profissionais autônomos receberão R $ 200 em auxílio. Segundo Paulo Guedes, serão R $ 15 bilhões para atender às “populações marginalizadas”. Para esse fim, o governo espera que o Congresso aprove o pedido de uma situação de calamidade pública. Isso permitirá que o governo renuncie aos limites da responsabilidade fiscal para gastar mais em face da situação. Antes, o governo pretendia fazer uma contingência, para cumprir os limites da responsabilidade fiscal, de R $ 40 bilhões. Se a calamidade pública não for aprovada, essa contingência terá que ser feita.

A atmosfera e os gestos da entrevista pareciam acompanhar as idas e vindas dos últimos dias do discurso e as atitudes do presidente em relação ao novo coronavírus. Por recomendação de Mandetta, os ministros estavam a mais de três metros dos jornalistas. Entre eles, no entanto, a orientação da distância de pelo menos um metro e meio entre eles não foi respeitada. As máscaras foram removidas quando cada ministro falou e depois foram substituídas. Segundo Mandetta, as máscaras eram necessárias porque estavam nos últimos dias com pessoas contaminadas, como Augusto Heleno e Bento Albuquerque. No entanto, devido à distância adotada, a remoção da máscara ao falar não representava um risco para os jornalistas.

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa Esteves

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *