A União Africana promove a ratificação universal da convenção anticorrupção

Nairóbi, Quênia | Xinhua | O Conselho Consultivo da União Africana sobre Corrupção (AUABC), criado em 2009 para revigorar a luta contra a corrupção, tem pressionado os países a ratificarem a sua convenção para facilitar a eliminação do vício no continente, disse um funcionário.

“Nós nos envolvemos com as estruturas relevantes da União Africana para explicar a todos os estados membros a necessidade de ratificar a convenção.”

Charity Nchimunya, secretária executiva da AUABC, com sede na Tanzânia, disse na noite de terça-feira durante um workshop de engajamento da mídia em Nairóbi, capital do Quênia, que cerca de 48 países assinaram e ratificaram a convenção, enquanto outro grupo de sete países ainda não a ratificou. convenção.

Os sete países incluem a República Centro-Africana, Cabo Verde, Djibuti, Eritreia, Eswatini, Somália e Sudão do Sul.

A convenção esboça uma série de medidas para encorajar a luta contra a corrupção e exige que os países africanos respeitem os princípios e instituições democráticas e assegurem a participação popular dos seus cidadãos na boa governação.

A convenção destina-se a dissuadir os funcionários do governo de aceitar presentes, bens ou qualquer valor monetário em troca de atos de omissão no desempenho de funções públicas oficiais.

Nchimunya disse que, embora o combate à corrupção seja uma prioridade fundamental para a maioria dos países da África, a ratificação universal da convenção fornecerá o apoio necessário para eliminar a corrupção que afetou a prestação de serviços públicos essenciais.

Martha Munthali, Oficial Sênior de Políticas da AUABC responsável pelos assuntos econômicos e estatísticos, disse que os efeitos negativos da impunidade na estabilidade política, econômica e sociocultural da África forçaram o continente a combater a corrupção.

A convenção pede medidas para impedir o branqueamento dos produtos da corrupção e pede aos países africanos que adotem leis que criminalizem a alienação de bens, conhecidos como produtos da corrupção, com o objetivo de ocultar a origem dos bens a fim de evitar as consequências. da ação.

A AUABC também pediu aos países da África que criminalizem coletivamente o “enriquecimento ilícito”, que atualmente não é considerado crime em alguns países porque as leis existentes permitem direitos de propriedade.

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.