Afinal, do que se trata o universo paralelo e o tempo inverso? – 23/05/2020

Afinal, do que se trata o universo paralelo e o tempo inverso? - 23/05/2020

Você pode ter visto recentemente manchetes relacionadas à NASA e a descoberta de “evidências” que “provariam” ou “confirmariam” a detecção de um universo paralelo. Não é só isso: no novo universo encontrado pela NASA, o tempo fluiria para trás.

Mas as manchetes estão longe de serem precisas e a NASA não tem quase nada a ver com a história. A notícia original foi publicada na revista. Novo cientista em abril deste ano, em partículas estranhas observadas por um experimento na Antártica.

A longa explicação sobre o assunto do relatório é muito mais complexa e abrange alguns experimentos e especulações em física. Gravidade quântica, teoria das cordas e supersimetria são algumas das pistas nesta nova etapa na busca de uma “teoria de tudo” (Olá, Stephen Hawking).

“Anita” na Antártica?

Calma, não haverá um show no meio de uma pandemia (a propósito, fique em casa). Este Anita, sinal da Antena Impulsiva Transiente Antártica, é um conjunto de antenas que funcionam como um radiotelescópio.

Montando um balão na estratosfera da Terra, Anita procura encontrar neutrinos de alta energia, partículas subatômicas elementares emitidas por explosões estelares.

Como Anita funciona?

  • Alguns tipos de partículas subatômicas no espaço podem passar por qualquer matéria, incluindo a crosta terrestre e nossos corpos.
  • Quando colidem com o núcleo da Terra, geram outras partículas que, ao viajarem pelo gelo, criam uma trilha na forma de luz Cherenkov (um tipo de radiação eletromagnética) ou ondas de rádio.
  • Em locais livres de interferências de outras ondas, essas faixas podem ser capturadas pelas antenas de Anita em seus voos ou por detectores semelhantes.

O experimento Anita-IV na Antártica, antes de ser lançado em um balão

Imagem: Divulgação / Creative Commons

Anita alimenta dados de iniciativas como o Cherenkov Telescope Array (CTA), um projeto multinacional dedicado ao estudo dos raios cósmicos; e o observatório IceCube, com base na Antártica. Além dos neutrinos tau e múon, eles estudam a origem de outros tipos de emissões de energia no universo, como hádrons e quarks.

uma Artigo 2018 descreve um neutrino de tau de alta energia encontrado por Anita na Antártica. Aparentemente, era incalculável de acordo com a física que conhecemos. Em geral, esses neutrinos que atravessam a Terra têm pouca energia.

As inconsistências poderiam indicar que a partícula misteriosa não tinha origem cósmica e que estava inexplicavelmente saindo da neve “para cima”, uma expressão usada no estudo.

É por isso que o sujeito entrou no campo da especulação, do mais mundano (um erro instrumental) ao mais imaginativo, de modo que esse neutrino seria evidência de antimatéria ou matéria escura, criado no mesmo ano de 2018.

Como as “notícias” se espalharam?

Na época, ninguém prestou muita atenção às teorias. Mas o professor Peter Gorham, da Universidade do Havaí, que participou do estudo original, afirmou no site da instituição, sem apoio científico, que acreditava ter encontrado um novo tipo de partícula elementar.

As especulações de Gorham também foram citadas no artigo da New Scientist de abril. No texto, um aspecto do conceito de “supersimetria” é usado para recordar a hipótese de universos paralelos com simetria temporal em relação à nossa, uma idéia sem evidência científica no momento.

O título do texto “Podemos ter visto um universo que remonta ao tempo” e o fato de o artigo não estar disponível na íntegra contribuíram para a confusão. O relatório ainda menciona que as teorias de Gorham não foram endossadas pelo restante da equipe de estudo.

Negando danos

Para o astrofísico argentino Gustavo Esteban Romero, que trabalha no CTA e foi um dos primeiros a acusar o boato, não há razão para pensar que novas partículas também foram encontradas.

“Os cientistas devem ter cuidado ao falar com a imprensa. As alegações de Gorham foram ‘latentes’ quase dois anos antes que a New Scientist as resgatasse em outro contexto, lidando com especulações sobre os multiversos”.

Segundo Romero, um site de Bangladesh, o Dhaka Tribune, foi o primeiro a ecoar o relatório da New Scientist de uma maneira “desorientada”, com o título: “A NASA detecta um universo paralelo próximo ao nosso”. O tablóide inglês Daily Star também ecoou o texto no início desta semana com uma pegada semelhante.

Quando as notícias começaram a circular, muitos contatos me escreveram perguntando. No começo, não levei muito a sério, mas, quando olhei mais de perto, vi que o processo associado a essas notícias falsas era quase um arquétipo de como as notícias falsas são geradas, a partir das quais poderíamos tirar lições valiosas sobre sociologia da informação. falso e sua dinâmica de circulação
Gustavo Esteban Romero, astrofísico do CTA

Um post do Romero no Facebook refuta as notícias e pede aos jornalistas e usuários da Internet que sejam mais cuidadosos com o que publicam.

NOTÍCIAS FALSAS SOBRE O “UNIVERSO PARALELO DESCOBERTO PELA NASA”. Nos últimos dias, eu tenho dirigido por aí …

Publicado por Gustavo Esteban Romero no Quarta-feira 20 de maio de 2020

Além de Alecrim, Alex Pizzotto, Pesquisador do IceCube, disse no Twitter duas explicações mais básicas e simples para o evento: tudo pode ser um outro fenômeno astrofísico ou um distorção nos raios cósmicos causada pelo gelo antártico.

“Em particular, o ângulo e outras propriedades da radiação [do neutrino tau encontrado pela Anita] não são os previstos pelo Modelo Padrão “, explicou o Inclinação Professor Amâncio Friaça, do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da USP.

O modelo padrão é uma teoria que serve como paradigma atual para a física de partículas e interação. Descreva as pequenas partes elementares que compõem os átomos e as interações fortes, fracas e eletromagnéticas entre elas.

Criado na década de 1970, o modelo (veja abaixo) apresenta as quatro forças fundamentais do Universo: o bóson de Higgs, os bósons, os quarks e os leptons e suas subdivisões.

“Sabemos há muito tempo que o modelo padrão precisa de extensões. A supersimetria ou dimensões adicionais são alguns dos primeiros passos mais conservadores nessa direção. Universos paralelos também estariam um passo além do ‘modelo padrão’, mas um passo adiante ousado e mais especulativo “, explica Friaça.

A idéia de mundos ou universos paralelos existe há milênios: da teoria do “mundo das idéias” do filósofo Platão à ficção científica de autores como Philip K. Dick e séries de televisão como “Stranger Things” e “Twin Peaks” .

Infelizmente, ainda não temos acesso a um universo paralelo em que o tempo é revertido, mas agora conhecemos as séries de mal-entendidos ou desinformação que levaram à mais recente viralização de informações científicas falsas.

Comunicado de imprensa / Revista USP
Imagem: Divulgação / Revista USP

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira Bezerra

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *