África: Cimeira Presidencial impulsiona ações urgentes para melhorar os sistemas alimentares de África

Para que a África feche as lacunas em seus sistemas alimentares, os países devem investir conjuntamente em infraestrutura de transporte e armazenamento e avançar mais rapidamente para harmonizar os sistemas tarifários, disse o presidente Paul Kagame ao discursar no 12º Fórum da Revolução Verde Africana (AGRF) em andamento em Kigali na quarta-feira. 07 de setembro.

Falando na Cimeira Presidencial sobre ‘Avançar Caminhos para as Pessoas, o Planeta e a Prosperidade’, Kagame referiu-se à cimeira anterior que disse ter ocorrido na véspera da Cimeira dos Sistemas Alimentares da ONU, quando o continente avançou com uma forte Posição Comum Africana.

“A pandemia de Covid-19, os conflitos em curso e a cadeia de abastecimento global e a crise energética estão a colocar uma pressão invulgar nos nossos sistemas alimentares. Algumas lições são claras, a partir das nossas experiências passadas. Primeiro, somos mais fortes juntos. A Zona de Comércio Livre Continental Africana é um bom começo, com enorme potencial. Não podemos ter uma abordagem coerente para a transformação agrícola sem uma estreita integração com a política comercial internacional da África”, disse Kagame aos mais de 2.600 delegados que participaram da cúpula.

Kagame também pediu apoio direcionado a empresas locais e pequenos agricultores que foram severamente afetados por choques recentes, como mudanças climáticas e conflitos, dizendo que os investimentos feitos hoje criam resiliência e novas possibilidades amanhã.

“Além do nosso continente, temos muito a ganhar e compartilhar com outras regiões. A África não deveria estar lutando com a insegurança alimentar, devido aos nossos dotes naturais. Podemos nos alimentar e até alimentar os outros. Esta é uma oportunidade para trabalharmos juntos, aprender uns dos outros e avançar em soluções locais, adaptadas aos nossos contextos específicos”, disse o presidente.

A cimeira confirmou que África precisa de reformar os seus sistemas alimentares, repensar a forma como o continente produz, distribui e come alimentos nutritivos e, para isso, os líderes políticos e empresariais dizem que têm de agir de forma diferente e estar dispostos a estabelecer diferentes agendas que transformem a sua alimentação sistemas.

O presidente do AGRF Partners Group, Hailemariam Desalegn, anunciou que a cúpula, a partir do próximo ano, será renomeada para Africa Food Systems Summit.

“A prosperidade da África depende dos compromissos que assumimos em vários programas agrícolas, sistemas alimentares e AfCFTA para sua implementação”, disse Desalegn, que também foi primeiro-ministro da Etiópia.

A cimeira presidencial contou também com a presença de Mohamed Bazoum, o Presidente do Níger, Emmerson Mnangagwa do Zimbabué, o Vice-Presidente da Tanzânia Philip Mpango, a Secretária-Geral da Commonwealth Patricia Scotland, a Presidente eleita do Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola (FIDA ), Álvaro Lario , ele e o ex-presidente da Nigéria e presidente cessante do Africa Food Prize Committee, Olusegun Obasanjo, entre outros.