Ajuda de R $ 300: CAIXA vai pagar 4x pela metade

De acordo com o Ministério da Cidadania, um total de 27 milhões de pessoas que não fazem parte do Bolsa Família receberão o primeiro pagamento de R $ 300 com a prorrogação do auxílio emergencial.

O total de beneficiários elegíveis que não participam do Bolsa Família é de 48 milhões de pessoas, o que significa que apenas 56,25% dos aprovados receberão as quatro parcelas de R $ 300.

Pelas regras estabelecidas para a prorrogação, apenas os trabalhadores que receberam a primeira parcela do benefício de R $ 600 em abril, e que já receberam as cinco, terão direito às quatro adicionais.

No dia 28 de setembro, o governo divulgou o cronograma oficial de pagamento de R $ 300 para auxílio emergencial a beneficiários que não fazem parte do Bolsa Família.

“Serão 27 milhões de pessoas que receberão R $ 300 ou R $ 600 (no caso das famílias monoparentais), o que equivale a um investimento do governo federal de mais de R $ 9 bilhões. Como já aconteceu até agora, o calendário seguirá o mês de nascimento dos beneficiários, ou seja, os créditos começarão com os nascidos em janeiro, depois em fevereiro, março e assim por diante, na poupança social digital já em seu nome. o ministério disse em uma nota.

No entanto, o comunicado do ministério não esclarece quantas cotas os beneficiários receberão.

A bolsa de R $ 300 tem regras mais rígidas

Você pode gostar:

Entre os requisitos mantidos, consta a idade mínima de 18 anos, exceto para mães adolescentes. A exigência de renda permanece: quem tem renda per capita de até meio salário mínimo ou renda familiar total de até três salários mínimos tem direito ao auxílio.

No entanto, existe um novo critério para o imposto de renda. Na lei de primeiros socorros, foram excluídos os brasileiros que receberam mais de R $ 28.559,70 de lucro tributável em 2018. O valor permanece como critério para as novas parcelas, mas agora é considerada a declaração do lucro tributável de 2019.

Em 2019, não poderão receber o auxílio quem recebeu lucro isento, não tributável ou tributável superior a R $ 40 mil.

Também estão excluídos os brasileiros que foram incluídos na declaração de imposto de renda daquele ano como dependentes como cônjuge, companheiro em que o contribuinte tenha filho, filho ou enteado menor de 21 ou menor de 24 anos matriculado na educação. ensino técnico superior ou médio.

Da mesma forma, não poderão receber o auxílio quem em 31 de dezembro de 2019 possuía ou possuía bens ou direitos de valor superior a R $ 300 mil. Brasileiros residentes no exterior e presos em regime fechado também não podem receber assistência de R $ 300.

Quem conseguiu emprego com carteira assinada, com vínculo empregatício, não poderá receber os novos honorários, assim como quem recebeu qualquer previdência ou benefício de assistência social. As mulheres chefes de família receberão duas parcelas, ou seja, R $ 600 por parcela. No entanto, a chefe de família será a única pessoa da família a receber assistência.

Veja a seguir dez casos em que o beneficiário pode não receber as novas taxas.

  1. Os que iniciaram trabalho com carteira de trabalho assinada, com carteira de trabalho assinada, recebem auxílio emergencial de R $ 600;
  2. Quem recebe benefícios de previdência ou assistência social, seguro-desemprego ou programa de transferência de dinheiro do governo. A exceção é o Bolsa Família;
  3. Quem tem renda familiar mensal per capita acima de meio salário mínimo, ou seja, R $ 522,50, e renda familiar mensal total acima de três salários mínimos, ou seja, R $ 3.135;
  4. Os que declararam, no ano-base 2019, lucro tributável superior a R $ 28.559,70;
  5. Que possuíam posse ou titularidade de bens ou direitos de valor superior a R $ 300 mil em 31 de dezembro de 2019;
  6. Os que receberam lucro isento, não tributável ou tributado exclusivamente na fonte de valor superior a R $ 40 mil em 2019;
  7. Que foi incluída em 2019 como dependente do contribuinte com um dos três pontos anteriores. como cônjuge, companheiro, filho ou enteado menor de 21 ou menor de 24 anos matriculado em local de ensino superior ou ensino médio técnico;
  8. Quem mora no exterior;
  9. Quem está preso em regime fechado;
  10. Quem tem indicação de óbito nas bases de dados do governo.

You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci Shinoda

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *