Amigo ouvido: o aplicativo reúne voluntários que ouvem pessoas ansiosas sem julgar – 19/04/2020

Aqueles que moram sozinhos tendem a experimentar mais necessidades de comunicação com amigos e familiares desde o início do isolamento social após a epidemia de coronavírus. Nos Estados Unidos, um aplicativo surgiu como uma maneira de superar a solidão e a ansiedade de outras pessoas: o HearMe (me escute), disponível para iOS y Android.

Trabalha com a ajuda de voluntários com o simples objetivo de ouvir os outros. Foi criado por Adam Lippin, também inventor de Cuddlist, uma rede de terapeutas que abraçam e abraçam. Seu nome brinca com a idéia de abraçar (abraçar) em inglês. Mas, em tempos de distância social, as sessões de abraços foram canceladas.

O HearMe possui mais de 2.000 ouvintes registrados, sendo 20% provenientes da comunidade Cuddlist. Dos atuais 15.000 usuários, quase metade chegou em março.

“A necessidade de as pessoas compartilharem o que está acontecendo agora é enorme”, disse Lippin por telefone para Inclinação. “Estamos passando por uma crise de solidão. Muitas pessoas não têm com quem conversar. Há uma fome no mundo de conectar-se e também de fazer o bem”.

O serviço está em inglês apenas por enquanto. Lippin alerta que está aberto a parcerias e está negociando o lançamento da plataforma Hindi com um parceiro indiano.

A idéia do HearMe surgiu de uma pesquisa realizada em 2018 sobre a satisfação dos clientes que participaram das sessões de “abraço”, onde o terapeuta oferece um ouvido amigável e também contato físico, embora sem conotações sexuais e com estritas regras de consentimento. As sessões custam até US $ 80 [cerca de R$ 400].

“Todo mundo gostou do carinho, é claro, mas a capacidade de ser vista e ouvida era de grande valor e de longo prazo. Isso fazia o cliente se sentir mais humano”, disse Lippin. “Pensei em como tornar isso mais acessível, pois nem todo mundo tem dinheiro para as sessões”.

As conversas no aplicativo duram em média 28 minutos e são feitas via mensagem de texto. O usuário pode selecionar um tópico, como “trabalho”, “relacionamento” ou “LGBTQ +”. A idéia não é ser uma terapia, mas um espaço seguro para expressar os sentimentos da vida cotidiana. Cerca de 60% dos usuários são mulheres entre 18 e 34 anos.

A estudante canadense Maddy, que pediu para não divulgar seu sobrenome, encontrou o aplicativo depois de ler um artigo online. No final de março, tarde da noite em seu quarto, ele decidiu se conectar pela primeira vez para tentar acalmar as ansiedades de sua vida pessoal, agravadas pela pandemia de coronavírus.

“Estou preocupado em ficar doente, não terminar a faculdade porque este ano parece perdido. Senti-me sozinho e com medo”, disse Maddy, 18 anos, em um email. “Torna mais seguro você dizer certas coisas para um ouvinte, sem o estigma das mídias sociais. Amigos e familiares não sabem os detalhes que poderiam ser contados a outras pessoas”.

Um dos ouvintes do HearMe é Peter, que começou há 16 dias e já realizou mais de 40 conversas. Ele mora na Pensilvânia e trabalha em grupo para ajudar os sem-teto. Ele prefere não dizer seu sobrenome, mas revela sua foto no aplicativo: ele é careca, tem cavanhaque e bigode e usa óculos com aro fino.

“Acho que o voluntariado no aplicativo também me beneficia. Além de ouvir o público em geral, entrei para uma comunidade interna de ouvintes composta por pessoas muito diversas que compartilham o desejo de ajudar os outros”, disse Peter, 57 anos. .

Para ser um ouvinte registrado no HearMe, você deve passar por um treinamento on-line com uma hora de duração. O aplicativo apoia voluntários e organiza conversas virtuais semanais, como um bate-papo com um psicólogo ou médico de identidade sobre a atual crise do coronavírus.

Agora, trabalhando em casa, Peter disse que entra no aplicativo em horários do dia que seriam improdutivos no passado. “Agora é um momento importante. Não dou conselhos, mas tenho dois ouvidos e um coração que realmente se importa com as pessoas”, disse ele.

“Você não está só”

O HearMe faz parte de uma onda de aplicativos lançados nos últimos anos que lidam com a saúde mental. Alguns são pagos e têm terapeutas profissionais, enquanto outros usam inteligência artificial e assistentes virtuais. Existem também aplicativos que usam informações do usuário para indicar sintomas de ansiedade e oferecer exercícios de relaxamento.

Para o diretor do Instituto de Saúde Pública e Medicina da Universidade Noroeste, Bruce Lambert, há muitas pesquisas sobre aplicações desse tipo, e os resultados são variados. Em geral, sempre que existe outro ser humano do outro lado, a tendência é reduzir os sentimentos de depressão e ansiedade.

“Mas alguns seres humanos são terríveis com empatia e, a menos que as pessoas [ouvintes] Se eles forem examinados antes de entrar nessas aplicações, existe a possibilidade de causar danos “, afirmou Lambert.

Outro serviço semelhante ao HearMe, também gratuito e realizado por voluntários, é o Linha de texto de crise, criada em 2013. A demanda pelo serviço cresceu entre 47% e 116% com a pandemia, dependendo do dia.

A interação com os usuários ocorre através da troca de mensagens SMS. Das 6.500 conversas diárias, 77% falam sobre estresse e ansiedade relacionados à nova doença.

O serviço, que deseja expandir para a América do Sul, possui 1.700 voluntários por dia e opera nos Estados Unidos, Reino Unido, Irlanda e Canadá. A empresa recebeu mais de 1.000 assinaturas diárias de novos ouvintes, que precisam receber treinamento on-line com duração entre 20 e 30 horas.

“O Covid-19 está nas mentes do mundo e também de nossos usuários”, escreveu Bob Filbin, co-fundador e cientista de dados da Crisis Text Line, uma organização financiada por bilionários do Vale do Silício, como o co-fundador do LinkedIn Reid Hoffman e o filantropo Melinda Gates.

Filbin explica alguns métodos atuais para acalmar quem procura a equipe. “Refletir sobre a duração do problema mostra empatia e compreensão de quanto tempo a pessoa foi impactada. Isso ajuda a corroborar a conversa”, disse ele.

“Normalize a ansiedade também. Deixe claro que você não está sozinho. Muitas pessoas sentem ansiedade ou medo. E é muito importante procurar ajuda.”

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira Bezerra

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *