Análise: Blasfêmia, Lei e Crime | Mundo

A -just- invocação da racionalidade laica e da liberdade de expressão, somada a medidas -de duvidosa eficácia- incrementam a repressão com o fechamento de organizações no França Na luta contra a islamofobia, eles estão, na verdade, servindo como mais petróleo em jogo. Em 29 de outubro, data do Natal muçulmano, quando se comemora o nascimento do profeta, as declarações de Emmanuel macron defendendo desenhos animados mais uma vez, provocaram uma reação massiva do vasto e populoso mundo islâmico contra a degradação de seus valores sagrados: na Índia, no Oriente Médio, na região do Magrebe, na África subsaariana. Dhaka, capital de Bangladesh, reuniu mais de 40 mil pessoas nas ruas.

Mesmo sob o forte choque dos acontecimentos, vozes respeitáveis ​​na França começam a levantar o véu do tabu imposto pelo luto e pela perplexidade. Exigem o direito à crítica, intrínseco à liberdade de expressão, para discutir com menos paixão os elementos desta crise sem fim que atinge a própria identidade francesa.

O ponto central do debate é a linha tênue que separa, na longa tradição da liberdade de expressão, o direito à blasfêmia dos crimes de injúria, difamação, incitação ao ódio, violência ou discriminação. Anastasia Colosimo, professora de teologia política da Sorbonne, lembra que a blasfêmia foi descriminalizada em 1881, com a primeira lei de liberdade de imprensa. Um século depois, seria restringido, com a emenda de 1972 proibindo atos de insulto, difamação ou ódio. Assim, na França, é possível insultar uma religião, mas é proibido banir ou insultar os seguidores de uma religião. O problema é que a interpretação muda com o tempo e as circunstâncias. E a questão que se coloca hoje, diz Anastasia Colosimo, é definir se insultar uma religião em si, ou as figuras e símbolos de uma religião, é ofender os seguidores dessa religião.

Outra voz importante neste debate é a do Professor François Héran, chefe da cadeira de Migração do College de France. Em carta aos professores sobre como refletir livremente sobre a liberdade de expressão, Héran critica fortemente a visão “moralizante” que rotula “quem é valente” quem persiste na ofensa e “covarde” quem não a provoca. O professor está convencido de que considerar aqueles que rejeitam esta visão como “inimigos da França” é “uma forma indigna de excluí-los do debate e da própria nação”.

O filósofo e teórico social Jacques Bidet, da Universidade de Nanterre, acrescenta a essas visões a deriva do termo “Islã” nas últimas décadas. Durante séculos, o “Islã” foi entendido como uma religião, como o Cristianismo e o Judaísmo. Mas, entre as décadas de 1980 e 1990, o termo foi gradativamente vinculado ao islã fundamentalista, nascido nas guerras do Afeganistão e do Iraque. Dessa mistura subliminar surgiram os sentimentos que alimentaram uma patologia que ameaça qualquer religião: o fanatismo. O fanatismo nada mais é do que a instrumentalização da religião, voltada para uma lógica da barbárie.

Blasfêmia e insulto, divisão da sociedade, construção da barbárie: algumas questões que valem a pena refletir neste momento difícil, em uma nação que, por sua própria história, é um exemplo na defesa da liberdade de expressão e dos direitos humanos , enquanto concentra o maior número de cidadãos muçulmanos em toda a Europa, quase nove por cento de sua população. Também vale lembrar que, em outubro de 2018, o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos manteve a condenação por blasfêmia de Elisabeth Sabditsch-Wolff, que descreveu o Profeta Muhammad como um “pedófilo” durante uma reunião do Partido de Direita Austríaco, o FPO. O tribunal considerou que o veredicto do tribunal austríaco não contradiz a Convenção Europeia sobre a liberdade de expressão. Na França de hoje, como seria o veredicto para uma declaração como a de Elizabeth Wolff?

Elizabeth Carvalho é correspondente da GloboNews e da TV Globo em Paris

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira Bezerra

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *