Análise: Ceará pressiona Sport, mas sofre ausência de Viña e boom | Ceará

O domingo (8) terminou com o sabor amargo da eliminatória para o Ceará. O ponto conquistado deu ao time uma sequência de seis jogos sem perder, mas deixa a sensação de que uma importante vitória foi desperdiçada na sequência. Sem agir mal e com o melhor, o avô sentiu as ausências, e encontrou no Sport o reflexo de uma bola de futebol já apresentada em um passado não tão distante.

+ Notícias do Ceará
+ Consultar licitação para Ceará 0 x 0 Esporte

Imediatamente, Ceará soube que não sabia contar Fabinho, Leandro Carvalho e Luiz Otávio, interrompido. Para aumentar as ausências, mais dois seriam adicionados à conta após o teste positivo para Covid-19: Eduardo Brock e Vina. O zagueiro e o meio-artilheiro ficarão de fora por pelo menos dez dias. Com as baixas, o Alvinegro entrou em campo com: Fernando Prass, Samuel Xavier, Tiago, Klaus e Alyson; Pedro Naressi, Charles e Felipe Silva; Fernando Sobral, Léo Chú e Cléber.

O rival também teve baixas importantes e chegou à Arena Castelão com o objetivo de somar pontos. Para isso, o Sport tentou imediatamente fechar os espaços. A linha de marca mais baixa tinha cinco zagueiros, e a segunda, mais próxima do meio-campo, com quatro. Com nove jogadores na defesa, o Ceará lutou. A bola simplesmente não era ameaçadora.

Ceará x Esporte – Foto: Thiago Gadelha / SVM

Fernando Sobral na esquerda e Léo Chú na direita tentaram passar a bola para Cléber. Felipe Silva, com a missão de substituir Viña, não soube definir. Nem mesmo a bola aérea surtiu efeito: Luan Polli praticamente ficou sentado assistindo ao jogo concentrado em marcar x tentativa de ataque. Na primeira etapa, o sonho foi o grande protagonista.

Guto sabia que era necessário mover o jogo. Para isso tirou Léo Chú e colocou Saulo Mineiro no segundo tempo. Depois de dez minutos, a camisa 73 enviou o post do Sport. Esse foi o melhor final de todo o jogo.. Contra um adversário passivo e com a proposta de se defender sozinho, o Ceará se manteve no ataque, mas pecou nas conclusões. Nada funcionou.

Eles também entraram Felipe Vizeu, Lima, Wescley e Ricardinho. O movimento era perceptível, mas ainda não havia perigo. O esporte montou uma raia, impediu mais jogadas e comemorou cada bola à distância, e os cearenses assistiram o tempo passar sem emoções mais firmes. A expectativa de um segundo tempo mais animado acabou com o apito final. Um calor de 0 a 0 que deixa problemas para Guto Ferreira.

Ceará x Esporte – Foto: Thiago Gadelha / SVM

O “nó tático” do oponente

Nas duas vitórias sobre o Fortaleza, na Copa do Nordeste e na Série A, e na vitória contra o Flamengo também no Brasileirão, o termo “nó tático” foi usado para definir a estratégia cearense contra os rivais. Uma equipe reativa que aproveita a bola morta e os contra-ataques para definir. Contra o esporte, o avô sentia a mesma base na pele.

Como comenta Guto Ferreira –que treinou a equipe pernambucana antes de chegar ao Ceará– A proposta de Leão da Ilha foi a mesma que o Atlético-MG adotou– Marcação forte e, se possível, contra-ataques. Na Arena Castelão, Fernando Prass nem mesmo foi demitido por perigo, e o “nó tático” da defesa rubro-negra tornou as jogadas ofensivas do avô inoperantes. A estratégia surtiu efeito.

Estatísticas esportivas do Ceará 0 x 0

  • Posse de bola: 52% x 48%;
  • Acabamentos: 26 x 4;
  • Pontuação: 6 x 1;
  • Aprovado: 419 x 391;
  • Passes certos: 347 (83%) x 299 (76%);
  • Viagem: 16 x 12;
  • Interceptações: 13 x 15;
  • Cortes: 10 x 23.

+ Performance: confira o placar da Seleção Cearense contra o Sport
+ Estatísticas do Ceará em 2020

Guto Ferreira, técnico do Ceará – Foto: Thiago Gadelha / SVM

O desempenho de Felipe Silva não comprometeu a equipe, mas a missão do jogador era substituir Viña, maior goleador do ano cearense com 15 gols e o maior número de assistências, realizando 12 passes. Com Covid-19, mas assintomático, o meio-campista está afastado há dez dias.

Sua ausência foi sentida por 90 minutos. É verdade que Felipe Silva é mais rápido que Viña, mas a camisa 29 define mais jogadas e ameaça mais o gol rival. Sem ele, o Ceará perderá a referência ofensiva e terá que resolver o problema contra o Palmeiras.

A partida contra o Verdão paulista acontecerá nesta quarta-feira (11), às 16h30, no Allianz Parque, e é válida pela primeira mão das quartas de final da Copa do Brasil. Para equilibrar ausências importantes, Guto Ferreira terá de devolver o título a alguns jogadores ausentes frente ao Sport, e partir em busca da décima vitória nas oitavas de final do ano.

You May Also Like

About the Author: Ivete Machado Castilho

"Introvertido. Leitor. Pensador. Entusiasta do álcool. Nerd de cerveja que gosta de hipster. Organizador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *