Análise: Torcida do Corinthians se apega a novos nomes na conquista de oportunidades | corinthians

Ângelo, Leonardo e Gustavo não são nomes conhecidos do torcedor do Corinthians.

Mas foram eles, Araos, Léo Natel e Mosquito, que construíram o Vitória por 3-1 contra o Coritiba, O primeiro do Timão no Brasileirão 2020. Eles e Jô, João Alves, atacam com muita intimidade com Fiel, de quem sempre se deve esperar algo.

Numa semana em que o treinador Tiago Nunes jogou ao ar livre com a torcida, ele não colocou o Corinthians na briga pelo título e afirmou que seu objetivo atual no clube é encontrar e desenvolver jogadores que se enquadrem em um estilo de jogo mais. ofensiva, três menores. 23 arriscaram.

Dois já começaram como titular. Subindo no grupo, Araos parou Luan e jogou pela primeira vez no ano por 90 minutos. Foi sua terceira participação no torneio, com um gol e duas assistências.

Léo Natel foi um dos novos nomes do Corinthians: o torcedor pode se acostumar – Foto: Marcos Ribolli

Se o primeiro tempo foi tímido, chamando atenção apenas para o lançamento em que Yan Sasse deu uma cotovelada e foi expulso, o chileno cresceu na fase final, cruzou para o gol de Jô e criou outras chances. Com movimento e disposição, muitas vezes ele assumiu o papel de protagonista.

O outro titular foi Léo Natel, que fez o primeiro gol do Corinthians. Dono de um chute muito forte, abriu o placar com um chute distante que teve um desvio. Aberto na esquerda, fez uma boa dobradinha com Sidcley e mostrou que é candidato a brigar pela vaga que está aberta há meses no time.

Diante do blefe, o Corinthians entrou em campo com um time equilibrado e através de igualdade de jogo até a expulsão aos 15 minutos. Na meia hora você passou com um homem extra sofreu penalidade perdida (s) por Jô, abriu o placar com um chute em Léo Natel e levou o empate com o Sassá, no contra-ataque.

Perdido! Wilson relança pênalti cobrado por Jô, aos 30 da 1ª temporada

Gabriel e Ramiro permaneceram no vestiário e, com Éderson e Gustavo Mosquito, o time ganhou profundidade e permitiu que a bola fosse atacada com mais qualidade. O gol de Jô, de cabeça após passe de Araos, saiu bem cedo, aos três minutos, soterrando a reação do Coritiba.

Com vantagem física mais para o homem, o Timão foi criando chances, perdeu algumas com Sidcley e Jô até o terceiro gol, já na parte final, após cruzamento de Lucas Piton e desvio de Mosquito.

No total, houve 22 aparições na porta. Muito mais do que tinha contra o Atlético-MG e o Grêmio, quando somou 12. Restavam dez cantos a favor e nenhum contra. E 574 passes trocados, contra 323.

Contra um time bem mais fraco, o Corinthians cumpriu seu papel, venceu e ganhou tranquilidade em uma rara semana inteira de preparação. Tiago Nunes, no seu processo de desenvolvimento pessoal dos jovens, encontrou nos nomes do pouco crédito o combustível para continuar a testar no elenco.

Aos poucos, sem a pressão por resultados em jogos contra times mais bem treinados, o Corinthians vai conseguir formar um time capaz de lutar por coisas mais importantes. Por enquanto, foi apenas a primeira vitória no Campeonato Brasileiro. Um passo inicial para a equipa e para quem procura o seu espaço.

You May Also Like

About the Author: Gabriela Cerqueira Corrêa

"Solucionador de problemas do mal. Amante da música. Especialista certificado em cultura pop. Organizador. Guru do álcool. Fanático por café."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *