Aplicativo de paquera valoriza a voz do crush, mas a chamada terminou no Kosovo – 25/04/2020

Aplicativo de paquera valoriza a voz do crush, mas a chamada terminou no Kosovo - 25/04/2020

Para usar a voz do usuário como atração principal, o aplicativo de relacionamento Olá, converse, converse e conheça (Android, iOS) ganhou mais seguidores no Brasil e na Europa após a pandemia de coronavírus. Mas, nos testes, ele teve muitos problemas com telefonemas.

A publicidade oficial do aplicativo diz que oferece a todos a oportunidade de “conhecer pessoas legais, sem preconceitos”. Portanto, em vez das fotos produzidas, a voz e o conteúdo da conversa serão o motivo para criar uma amizade ou algo mais sério. Apesar disso, há uma opção de bate-papo por vídeo, se os usuários quiserem.

O aplicativo permite que você escolha o país em que a pessoa deseja fazer a chamada de voz ou selecione uma chamada aleatória entre os 250 países disponíveis. A duração da conversa é de no máximo dois minutos. Nas versões pagas, é possível adicionar tempo.

Para tentar se conectar com alguém, basta clicar no ícone de um telefone no centro da tela. Nesta conversa rápida, você pode trocar contatos e, se quiser, continuar conversando mais tarde.

Hello kosovo

Em testes Inclinação Com o aplicativo, vários países foram escolhidos em chamadas específicas: Alemanha, Portugal, São Tomé e Príncipe, Nova Zelândia, Canadá, Estados Unidos, Argentina, Peru e Brasil, mas as chamadas não foram atendidas.

Quando escolhemos todos os países, a maioria das chamadas foi para a região onde o aplicativo nasceu, no Kosovo. E essa é uma das queixas mais comuns de quem avaliou a solicitação, já que a maioria das chamadas acaba caindo na parte sudeste do continente europeu.

Depois de algumas tentativas, conseguimos falar com um estudante universitário de 22 anos. O usuário, que se identificou apenas como Dani, vive com seus pais em Pristina, capital do Kosovo. Devido à quarentena na região, não é permitido sair de casa entre 18h e 8h. Para lidar com o isolamento, Dani começou a usar o Hello.

“O aplicativo é bom, mas depende de quem você está falando, há pessoas que não querem falar corretamente”, disse ele em inglês.

Na ligação seguinte, ele atendeu uma mulher albanesa de 24 anos. Quando informado do motivo da ligação, ele perguntou qual era o idioma mais frequente das pessoas com quem já tínhamos conversado.

Nas tentativas subseqüentes para todos os países, o aplicativo alternou entre Alemanha, Macedônia, Suíça, Albânia e Kosovo. A ligação foi conectada três vezes em diferentes regiões da Europa, mas as chamadas duraram apenas alguns segundos porque a pessoa que atendeu se identificou, disse de onde era e desligou, geralmente depois de saber que se tratava de um relatório.

Imagem: Reprodução

“É mais natural e divertido”

A estudante de enfermagem Layza Gabrielle Souza de Oliveira, 21 anos, mora em Viçosa (MG) e começou a usar o Hello para praticar inglês depois de ver alguém comentando sobre o aplicativo no YouTube. Ela está satisfeita e agora o usa por cerca de uma hora por dia.

“Eu realmente comecei a praticar inglês, mas também foi útil para fazer amigos. Quando estou com amigos, gosto de ligar porque acaba sendo divertido. Às vezes, aqueles do outro lado da linha também estão com outras pessoas”, disse ele.

Inicialmente, as ligações de Layza foram para a região da Albânia, mas agora ela conversou extensivamente com residentes da Itália e Alemanha e espera ter mais contato nos países de língua inglesa. Para ela, o vídeo geralmente é intimidador e, portanto, ela se sente à vontade apenas pela voz. “É mais natural e acaba sendo mais divertido ter apenas dois minutos para conversar”.

Priorize o “ambiente de conversação”

Arian Kastrati, criador do aplicativo, disse ao Inclinação que ele e seu parceiro concluíram que os aplicativos de relacionamento colocam uma alta prioridade na imagem e “não é o que realmente importa, é a atmosfera de uma conversa”.

Criado em 2016, o aplicativo já acumulou cerca de dois milhões de downloads e mais de 500 milhões de chamadas. Foi testado em Pristina e depois ganhou espaço no resto da Albânia. Até o final de 2020, eles esperam triplicar o número de pessoas que o usam.

Segundo Kastrati, grande parte do crescimento foi alimentada durante o período de isolamento do coronavírus. “As pessoas parecem estar procurando maneiras de conversar com outras pessoas. Os usuários gostam da maneira simples de se conectar com quem está no país ou no mundo”, diz ele.

Kastrati diz que os brasileiros são muito abertos a novas conexões. “Em outros países, é diferente. Há uma distância muito maior entre estranhos.” No Brasil, já foram baixados 70 mil aplicativos,

O criador do Hello está ciente de que muitas chamadas caem na região do Kosovo e disse que está trabalhando em uma solução para garantir maior interação entre usuários de outras partes do mundo.

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira Bezerra

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *