Arábia Saudita permitirá um milhão de peregrinos do hajj este ano

RIADA Arábia Saudita disse no sábado que permitirá que um milhão de muçulmanos de dentro e de fora do país participem do hajj deste ano, um aumento acentuado depois que as restrições da pandemia forçaram dois anos de peregrinações drasticamente reduzidas.

A medida, embora não tenha conseguido restaurar as condições normais do hajj, ofereceu notícias esperançosas para muitos muçulmanos fora do reino que foram proibidos de fazer a viagem desde 2019.

Um dos cinco pilares do Islã, o hajj deve ser realizado por todos os muçulmanos que tenham recursos pelo menos uma vez na vida. Normalmente uma das maiores reuniões religiosas do mundo, cerca de 2,5 milhões de pessoas participaram em 2019.

Mas após o início da pandemia de coronavírus em 2020, as autoridades sauditas permitiram a participação de apenas 1.000 peregrinos.

No ano seguinte, eles aumentaram o total para 60.000 cidadãos e residentes sauditas totalmente vacinados, escolhidos por sorteio.

Este ano, o ministério saudita do hajj “autorizou um milhão de peregrinos, tanto estrangeiros quanto domésticos, a realizar o hajj”, disse em comunicado antes do amanhecer de sábado.

Limite de idade criticado

A peregrinação, que acontecerá em julho, será limitada a muçulmanos vacinados com menos de 65 anos, segundo o comunicado.

Aqueles que vêm de fora da Arábia Saudita, que são obrigados a solicitar vistos hajj, este ano também precisarão apresentar um resultado negativo de PCR Covid-19 em um teste realizado dentro de 72 horas da viagem.

O governo quer promover a segurança dos peregrinos “enquanto garante que o número máximo de muçulmanos em todo o mundo possa realizar o hajj”, disse o comunicado.

O hajj consiste em uma série de ritos religiosos que são completados ao longo de cinco dias na cidade mais sagrada do Islã, Meca, e nas áreas vizinhas do oeste da Arábia Saudita.

As autoridades tomaram uma série de medidas especiais para reduzir a propagação do coronavírus no ano passado, incluindo dividir os peregrinos em grupos de 20 e distribuir desinfetantes, máscaras e seixos esterilizados para o ritual de “apedrejamento de Satanás”.

Mas as multidões relativamente pequenas eram angustiantes para os muçulmanos no exterior.

“Estamos com muita tristeza e dor nos últimos dois anos por causa do pequeno número de peregrinos. A cena foi horrível”, disse Mohamed Tamer, um morador de 36 anos do Cairo, no sábado.

“Estou muito feliz que o hajj tenha voltado ao normal até certo ponto”, acrescentou, embora também tenha expressado preocupação com o aumento dos custos de voos e hotéis.

As reações ao anúncio de sábado foram geralmente positivas nas redes sociais, embora alguns usuários do Twitter tenham manifestado preocupação com o que aconteceria aos peregrinos que financiaram viagens a Meca, apenas para ver seus planos arruinados por um teste positivo de Covid-19.

Outros criticaram o limite de idade.

“Esta é uma ótima notícia, mas impor restrições de idade é doloroso para muitos aspirantes a hajj mais velhos”, escreveu um usuário em resposta ao anúncio do ministério hajj.

Zeinab Mostafa, 71, disse à AFP de sua casa no Cairo que as regras “destruíram minhas esperanças de realizar o haj antes de morrer”.

“Meu sonho de realizar o Hajj foi perdido”, acrescentou ela entre lágrimas.

questão de prestígio

Sediar o hajj é uma questão de prestígio para os governantes sauditas, pois a custódia dos locais mais sagrados do Islã é a fonte mais poderosa de sua legitimidade política.

Antes da pandemia, as peregrinações muçulmanas eram uma importante fonte de renda para o reino, gerando cerca de US$ 12 bilhões por ano.

O reino de cerca de 34 milhões de pessoas registrou até agora mais de 751.000 casos de coronavírus, incluindo 9.055 mortes, segundo dados do Ministério da Saúde.

No início de março, ele anunciou o levantamento da maioria das restrições da covid, incluindo distanciamento social em espaços públicos e quarentena para chegadas vacinadas, medidas que deveriam facilitar o aumento de peregrinos muçulmanos.

A decisão incluiu a suspensão de “medidas de distanciamento social em todos os locais abertos e fechados”, incluindo mesquitas. As máscaras agora são obrigatórias apenas em espaços fechados. -AFP

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.