Argélia sugere vender excesso de capacidade de eletricidade para a Europa

O presidente da Argélia, Abdelmadjid Tebboune, coloca o excesso de oferta de energia de seu país em risco para a Europa aproveitar enquanto fala sobre os esforços de seu país na arena internacional.

  • Presidente da Argélia Abdelmadjid Tebboune

A Argélia está colocando em risco sua capacidade ociosa de energia para a Europa, enquanto o continente sofre com uma crise energética, disse o presidente argelino, Abdelmadjid Tebboune, na quinta-feira.

Segundo Tebboune, seu país planeja um oleoduto submarino de 270 quilômetros até a Itália, um dos países mais atingidos pela crise.

A Argélia também está pressionando para dobrar suas exportações de gás para atingir 100 bilhões de metros cúbicos por ano, um forte aumento ano a ano de 56 bilhões de metros cúbicos em 2022, acrescentou Tebboune.

Nos últimos meses, a UE tem considerado o gás argelino como uma alternativa mais barata às fontes de energia russas.

A empresa petroquímica nacional da Argélia, Sonatrach, anunciou no final de outubro que tinha acordos assinados no valor de US$ 600 milhões com empresas italianas de extração e transporte de gás liquefeito de petróleo (GLP).

A empresa argelina informou em comunicado que concluiu um acordo de 400 milhões de dólares com a empresa italiana Tecnimont para a construção de uma fábrica de GPL que deverá estar concluída em três anos.

A planta deverá produzir uma produção de “1.000 toneladas por dia de GLP, 300 toneladas por dia de condensado e 8,7 milhões de metros cúbicos por dia de gás”.

Enquanto isso, Tebboune disse que seu país está trabalhando para fortalecer seus laços com a América Latina, bem como com os países europeus, embora já tenha fortes relações com eles.

Tebboune afirmou no mês passado a solidariedade de seu país com o povo cubano diante do bloqueio imposto a Havana.

Em declaração conjunta com seu homólogo cubano, Miguel Díaz-Canel, o presidente argelino afirmou a solidariedade permanente da Argélia com o povo cubano em seus esforços para levantar o bloqueio econômico, financeiro e comercial que lhes foi imposto por mais de 60 anos, com base em sua crença nos princípios e objetivos das Nações Unidas e na resolução da Assembléia Geral da das Nações Unidas, que apela ao levantamento deste bloqueio.

O presidente havia anunciado a cancelamento de todos os juros sobre as dívidas da Argélia com Cuba e o adiamento do seu pagamento.

Ele também anunciou que Cuba receberá uma usina de energia solar e que retomará o fornecimento de combustível para reativar as usinas e acabar com os frequentes apagões.

As relações entre os dois países alcançaram várias conquistas, sendo a última delas a criação do Grupo Parlamentar de Amizade Argélia-Cuba em fevereiro passado, como uma oportunidade para iniciar uma nova era de cooperação bilateral e promover o intercâmbio em todos os campos, inclusive parlamentar e econômico , de forma a reflectir as relações estreitas entre os dois países e povos.

Enquanto isso, Tebboune pediu um aumento nas exportações argelinas, especialmente para os países africanos, acrescentando que “quando o PIB da Argélia ultrapassar US$ 200 bilhões, pode-se dizer que a Argélia está perto de ingressar no BRICS”.

Ele destacou que a adesão aos BRICS exige a busca simultânea de investimento, desenvolvimento econômico e desenvolvimento humano.

O vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Mikhail Bogdanov, recebeu no mês passado O desejo da Argélia de ingressar no BRICS bloco econômico.

BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) é uma associação informal das principais economias em desenvolvimento do mundo, formada em 2009 para aprimorar a cooperação entre as nações e desenvolver abordagens comuns para os desafios econômicos globais.

Os membros do BRICS representam quase 30% da produção bruta mundial e cerca de 40% da população mundial.

Em junho passado, os países do BRICS concordaram que o bloco preciso de novos membros preservando seu caráter original.

No início de maio, o chanceler chinês, Wang Yi, declarou que a China iniciaria o processo de expansão dos BRICS. Ele afirmou que demonstrará a abertura e inclusão dos BRICS, atenderá às expectativas dos países em desenvolvimento, aumentará sua representação e voz na governança global e contribuirá mais para a paz e o desenvolvimento mundial.

Segundo dados do FMI, a China está A maior economia dos BRICSque responde por mais de 70% do poder econômico de 27,5 trilhões, enquanto a Índia responde por cerca de 13% e Rússia e Brasil respondem por 7%.

You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *