Argentina se torna um gigante geográfico | Internacional

O quebra-gelo argentino Almirante Irízar durante a campanha antártica 2018/2019.Exército argentino

UMA Argentina cresceu sob o Atlântico. Em 2016, a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar acatou as demandas argentinas em sua plataforma continental. Desde agosto, por lei aprovada no Congresso, esta plataforma e grande parte do território antártico (não reconhecido internacionalmente) estão incluídos em um novo mapa do país que em breve será distribuído a todas as escolas. A expansão territorial envolve 1,7 milhão de quilômetros quadrados (para se ter uma ideia, a superfície da Espanha é pouco mais de meio milhão de quilômetros quadrados) e concede à Argentina direitos soberanos sobre as riquezas minerais deste solo e subsolo marinho.

A história da expansão oceânica começou com Carlos Menem, em 1995, com a entrada em vigor da Convenção da ONU. Na época, Frida Armas Pfirter era doutora em Direito Internacional Público e trabalhava para o Supremo Tribunal Federal. Em 1997 foi responsável pela coordenação da Comissão Nacional de Limite Externo da Plataforma Continental e desde então não deixou de tratar do tema. Mais de uma dezena de expedições científicas em condições climáticas adversas (após a crise de 2001, os navios deixaram de ser pagos e as informações foram mantidas) possibilitaram localizar a encosta da crosta continental e examinar os sedimentos nela contidos. Foram 20 anos de trabalho realizado, entre 2009 e 2016, nos 800 quilos de papel fornecidos como documentação para a Convenção Internacional.

Os novos limites receberam a aprovação da Convenção (uma comissão técnica independente supervisionada por Ele Ela isso), que foi celebrado como um grande sucesso nacional pela Administração de Mauricio Macri. Mas, por alguma razão, o então presidente não transformou o mapa ampliado em lei. Isso foi feito no dia 25 de agosto deste ano pelo presidente. Alberto Fernandez. “Já foram impressos 15.000 novos mapas, precisamos de 50.000 para que cada uma das 42.000 escolas argentinas tenha seu próprio exemplar. Também serão feitas novas cartas náuticas ”, explica Dr. Armas.

O direito internacional estabelece a soberania absoluta dos países até 12 milhas náuticas (cerca de 22 quilômetros) além da costa. Então, até 200 milhas náuticas (cerca de 370 quilômetros), os direitos são reconhecidos como Zona Econômica Exclusiva. A extensão das plataformas submarinas permite que em algumas regiões da Argentina, como o Golfo Patagônico de San Jorge, a zona econômica se estenda por até 369 milhas, 683 quilômetros para o interior.

Em termos atuais, a Argentina passa a ser um país bicontinental, com presença na América e Antártica. Tradicionalmente, o reivindicado território antártico era traçado em uma pequena praça ao longo da costa, algo de que já se queixava o general Perón na década de 1940. Agora é moldado em sua localização real, trazendo o Terra de fogoOutrora o ponto mais meridional do mapa, quase um porto no fim do mundo, agora fica quase exatamente no centro do país.

Sete nações reivindicam território antártico: Argentina, Chile, Austrália, Nova Zelândia, Reino Unido, França (por sua expedição à Terra Adélia em 1840) e Noruega (por sua expedição à Ilha Pedro I em 1821). Essas reivindicações são reconhecidas no Tratado da Antártica como anteriores a 1961, mas permanecem congeladas e sem solução.

No novo mapa argentino, é claro, o problema das possessões britânicas no Atlântico Sul está embutido: Falklands, Geórgia e Sandwich. As águas controladas pelo Reino Unido representam “quase metade da zona econômica argentina”, segundo Daniel Filmus, secretário de governo das Malvinas, Antártica e Atlântico Sul, e ocupam grande parte da “reserva pesqueira mais importante do mundo”.

Para o Filmus, a aceitação do mapa ampliado pela ONU “reafirma a soberania argentina” sobre as Malvinas e outras ilhas britânicas na região. O chanceler argentino, Felipe Solá, destacou que a lei territorial recentemente aprovada “aumentará a segurança jurídica para a outorga de concessões para a exploração e aproveitamento de petróleo, minerais e espécies sedentárias”. “Somos donos da coluna d’água, do leito e do subsolo”, disse ele.

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira Bezerra

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *