Arnold Schwarzenegger em 2020: Exterminador aposentado, vovô, pai de estimação, quase vegano

LOS ANGELES – Arnold Schwarzenegger não está reclamando da quarentena. Assim que foi confirmada a presença do novo coronavírus em Los Angeles, ele se trancou em casa com seus novos amigos, o burro Lulu e o minipônei Whiskey.

Schwarzenegger em coronavírus:‘Ouça os especialistas, ignore os idiotas’

Algumas explicações: A casa de Schwarzenegger é uma mansão de 1.348 m² nas montanhas de Santa Monica, no exclusivo bairro de Brentwood. Além de sete quartos, dez banheiros, piscina, sauna, jacuzzi e diversas quadras poliesportivas, o imóvel conta agora com um estábulo para novos moradores, que se tornaram adeptos do luxo de suas redes sociais, onde aparecem dormindo na grama, seguir o astro na academia, ou mesmo ser mimado em um dos cômodos da casa.

Lulu e Whisky fazem parte de outra novidade na vida de Arnold: aos 73 anos, após dois ataques cardíacos graves – o mais recente, há dois anos – ele decidiu abraçar o vegetarianismo. Se não fosse pelos ovos cultivados que ele ainda come (“muito moderadamente”, diz ele), o Exterminador seria um vegano completo agora. “Estou indo”, diz ela, tomando chá e biscoitos (“vegan! Amêndoas!”) Na cozinha, seu lugar favorito da casa.

– Meu colesterol caiu muito, minha pressão arterial caiu, minha saúde melhorou muito – comemore.

Herói ou vilão?Aprenda o papel de ‘Terminator’ de Schwarzenegger em cada filme

Outras novidades na vida do ator incluem uma namorada, a fisioterapeuta Heather Milligan, de 45 anos; um novo genro, a estrela Chris Pratt (de “Guardians of the Galaxy”), casado com Katherine, a mais velha de seus cinco filhos; e sua neta Lyla Maria, nascida há um mês. Projetos de cinema e televisão?

– Alguns, mas não são meu foco hoje.

Mas esses “alguns” prometem atrair atenção. Entre eles está sua primeira série de televisão, a comédia “Trigêmeos”, continuação de “Irmãos gêmeos” (1988), com o mesmo diretor, Ivan Reitman (“o roteiro é fantástico!”), Que também contará com Danny DeVito e Eddie Murphy – Anunciado em 2017, ainda em pré-produção. Schwarzenegger também está estudando uma série sobre invasões bárbaras para o History Channel.

Arnold Schwarzenegger acompanhado do pônei Whisky e do burro Lulu Foto: Reprodução

O ex-governador da Califórnia, de 2003 a 2011, diz que seu foco agora está no meio ambiente (“no dia 17 estarei em Viena discutindo o assunto”) e “desigualdade e ódio racial na América”. Mas garante que não cogita retomar a carreira política.

– O único objetivo que eu gostaria de alcançar não está ao meu alcance, pois não nasci nos Estados Unidos, infelizmente – lamenta o culturista, ator, político e ativista austríaco.

Afinal, o único cargo político proibido aos cidadãos que não nasceram no país é a presidência da República.

Em primeiro lugar, parabéns por se tornar avô!

Eu adoro, mas não acho muito justo, porque recebi dezenas, centenas de elogios por algo que não fiz. Mas é uma delícia! Katherine é uma grande mulher, sempre quis ter filhos e está muito feliz. E o bebê é lindo … E não é porque ela é minha neta, mas ela parece uma boneca de porcelana.

Lembro-me de quando Katherine me pediu para ir à casa dela assim que voltasse do hospital, e ela imediatamente colocou o bebê em meus braços … E sei como as mães estão preocupadas com o que pode acontecer, se eu deixar, se eu deixar. a cabeça bateu em alguma coisa … Mas ela tinha toda a confiança em mim. Segurei o bebê por uma hora e meia e foi o momento mais maravilhoso que tive.

Estou tão feliz por mim, por Chris (Pratt) e Katherine. E claro maria (Shriver, jornalista e ex-esposa de Arnold) ela é e sempre foi uma mãe maravilhosa e Katherine aprendeu muito com ela.

Você se adaptou bem à quarentena. Como você vê a situação do cinema nesta pandemia?

Não tenho pensado muito em cinema, mas o mais importante para mim é manter o esquema preventivo, usar máscara para não espalhar a doença, lavar as mãos e, claro, manter distância. E isso fica complicado no cinema, certo? Você vai ao cinema para estar perto de outras pessoas, para participar do mesmo ambiente, da mesma experiência. Você quer rir com o resto do público ou segurar o braço de alguém que está com você em momentos de medo ou grande emoção ou gritar quando algo assustador aparecer.

Sim, o cinema foi feito para ser visto no grande ecrã, com muita gente, mas … Qual a melhor alternativa? A melhor alternativa é ter uma tela grande em casa. Já se foi o tempo em que a televisão era uma caixa no canto da sala exibindo imagens em preto e branco muitas vezes fora de foco. Muitas pessoas têm telões em casa, é um cinema privado. Eu assisto muitos filmes em casa, meus próprios filmes até, e sei que seria melhor no cinema, mas por enquanto tenho que ficar com a melhor alternativa.

Muitos na indústria veem as coisas de forma diferente, eles temem que a pandemia leve a uma crise fatal.

Eu sou uma pessoa pragmática. A saúde é a prioridade agora. Acho que os grandes estúdios estão respondendo bem: suspendendo os grandes filmes ou mudando para o Netflix ou outra plataforma de streaming para recuperar pelo menos parte do investimento.

É um momento muito difícil para a indústria. Meu genro Chris está fazendo um filme em Londres e me disse como é difícil filmar com todas as restrições de segurança sanitária. É algo que apenas projetos de alto orçamento podem pagar.

Estamos a alguns meses das eleições presidenciais. Para quem você está votando?

Não direi em quem irei votar. Mas posso dizer que concordo com muitas coisas sobre o governo Donald Trump e discordo de muitas coisas sobre seu governo. Existem muitas coisas erradas. Muitas coisas.

Como que?

Vou citar apenas um, mais recente: aqueles negros mortos pela polícia. Isso precisa iniciar uma conversa que culmina em justiça e igualdade. Martin Luther King disse em 1967 que um projeto era necessário para criar uma reforma real na América. E é disso que precisamos agora: temos que reunir as pessoas mais inteligentes do país, de todas as raças e cores, para criar um plano que realmente mude o país.

Arnold Schwarzenegger em 2007, falando como governador da Califórnia Foto: GABRIEL BOUYS / Agência O Globo
Arnold Schwarzenegger em 2007, falando como Governador da Califórnia Foto: GABRIEL BOUYS / Agência O Globo

O que você faria se fosse eleito presidente?

Ah … isso é tão hipotético. Enfim, minha maior preocupação é a igualdade. Quero que qualquer criança pobre, qualquer criança negra pobre das favelas da Filadélfia ou de Baltimore tenha as mesmas oportunidades que tive quando vim para este país: acesso a serviços de saúde, escolas excelentes, opções de carreira. Precisamos de um novo Código de Direitos Civis.

Os Estados Unidos não têm uma lei contra o linchamento! Como esse horror continua existindo? Precisamos sacudir os políticos, todos estão confortáveis ​​em suas posições. Temos que atualizar as regras eleitorais, temos que atualizar a infraestrutura e proteger o meio ambiente agora, antes que seja tarde demais.

Você fala com carinho de seu tempo como governador. O que sobrou dessa experiência?

Quando vim para os Estados Unidos, não pensava em ser ator, muito menos governador. Mas ele tinha uma visão clara: que seria alguém, que teria sucesso, que alcançaria qualquer objetivo que criou. Primeiro ele queria ser o Sr. Universo. Então eu queria ser o melhor fisiculturista do mundo. Então, decidi trabalhar no cinema.

Nos anos 1990 estava no auge da carreira e nunca pensei em entrar na política, mas estávamos passando por muita coisa: o déficit, a economia estagnada, os apagões, os políticos de braços cruzados. De repente, tive uma visão clara de que poderia ser governador e resolver esses problemas. E eu me envolvi, lancei minha candidatura e virei governador.

Minha primeira reação foi de alegria, de honra, de saber que poderia atacar e resolver esses problemas. Então, eu me senti como um estudante, foi como ir para a universidade aprender tantas, tantas coisas. Cada reunião foi uma nova experiência de aprendizagem sobre os problemas e possibilidades da Califórnia. Foi uma das experiências mais extraordinárias da minha vida.

Você disse que não está focando no cinema agora. Qual é a sua prioridade?

Não tanto política, mas administração. Iniciativas de interesse público. Principalmente ecologia, clima e meio ambiente. Estarei em Viena no dia 17, com representantes do meu Instituto Schwarzenegger da Universidade do Sul da Califórnia, para participar da Cúpula Mundial na Áustria. Não só porque moro aqui, mas porque fui governador da Califórnia, posso dizer: para criar um ambiente mais saudável, o mundo deve olhar de perto para a Califórnia.

Por quê?

O estado conseguiu estabelecer algumas das mais rígidas leis de proteção ambiental e, ao mesmo tempo, ter uma economia de sucesso. Temos a quinta maior economia do mundo e, desde que deixei de ser governador, o estado tem feito mais pelo meio ambiente do que qualquer outro nos Estados Unidos. Leis rígidas de proteção ambiental foram aplicadas (a entrevista ocorreu antes dos incêndios que atingem o estado, que são recorrentes e geralmente não causados ​​pela ação humana)

Reduzimos em 25% os gases que causam o efeito estufa, usamos 50% de energia renovável, aprovamos a Lei de Edifícios Verdes, que exige diversas iniciativas para conter a poluição. Temos que investir em energia solar e eólica, colocar os carros elétricos à disposição de todos, explorar o carro a hidrogênio. Hoje, 50% das empresas aqui são empresas verdes, criando um ambiente melhor, em vez de mais ciclos de poluição.

You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci Shinoda

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *