As cinco visões do Brasil de Bárbara Wagner e Benjamin de Burca

Primeiro trabalho de imagem em movimento de Bárbara Wagner e Benjamin de Burca, cara que vai (Set to Go, 2015), leva o título da expressão brasileira Fas que vai mais nao vai, que se refere a um passo de dança fundamental na frevo, uma forma de dança de Recife, Brasil, onde o performer interrompe de repente um movimento para frente e pula na direção oposta. Poderia ser traduzido para algo como “Fingir que você está indo, mas não” ou “Finja que você está indo”, embora a incapacidade de expressar a frase corretamente em inglês esteja nos limites da tradução de formas de expressão culturalmente específicas entre línguas. , classes e geografias.

Bárbara Wagner e Benjamin de Burca, Faz que vai / Pronto, 2015, quadro de filme. Cortesia: © Bárbara Wagner & Benjamin de Burca e Fortes D’Aloia & Gabriel, São Paulo/Rio de Janeiro

Wagner e de Burca criam filmes e videoinstalações sobre a produção cultural específica do nordeste brasileiro há quase uma década. A dupla colabora com dançarinos, cantores, pregadores e outros artistas para criar retratos dos modos de resistência de comunidades historicamente marginalizadas. Embora suas obras compartilhem traços comuns de comunidade e parentesco, os cinco filmes exibidos em ‘Bárbara Wagner e Benjamin de Burca: Cinco Vezes Brasil’ não produzem uma narrativa única da identidade brasileira, mas mostram um emaranhado de experiências vividas de vários tipos de ação.

cara que vai centra-se em quatro bailarinos, cada um dos quais foi convidado a escolher os seus próprios figurinos e música, e criar um estilo único. frevo dança. O filme resultante oferece roupas que variam de calças marrons simples a drag carnavalesco rosa brilhante e uma trilha sonora que inclui um remix de Madonna house, a batida latejante de um metrônomo e um carioca-estilo (outra dança brasileira) paródia da música da Disney ‘Heigh-Ho’ Branco como a neve (1937). além de representar frevo como uma forma de arte viva em constante transformação, a força da cara que vai está na maneira como ele focaliza a auto-representação de seus súditos. Cada um deles se move com precisão fascinante em um vocabulário que o público não tem as ferramentas para decifrar. Essa dissonância é acentuada quando os dançarinos se imobilizam no final de cada sequência, prendendo o olhar do espectador com a implicação de que nossa visão deles é necessariamente mediada e tendenciosa.

Imagem de várias pessoas em pé em uma linha geralmente horizontal em uma área arborizada.  Duas figuras à esquerda usam camuflagem;  seis figuras à direita estão vestidas com roupas coloridas e seu 'líder' brande uma espada.  No centro, duas figuras se inclinam uma para a outra, dando os braços em uma conspiração.
Bárbara Wagner e Benjamin de Burca, swingwar, 2019, quadro de filme. Cortesia: © Bárbara Wagner & Benjamin de Burca e Fortes D’Aloia & Gabriel, São Paulo/Rio de Janeiro

Durante sua investigação para cara que vaiWagner e de Burca entraram em contato com swingueira, uma tradição de dança popular em Recife para a qual grupos de dez a 50 pessoas treinam rigorosamente para se apresentar em competições anuais. No trabalho de vídeo de dois canais. swingwar (2019), a iluminação vermelha teatral ilumina duas telas oferecendo perspectivas duplas de três coletivos de dança ensaiando para a competição. Oscilando entre namoro e competição, os movimentos de artistas trans predominantemente negros em vídeo parecem um meio vital de serem vistos, sexualizados e empoderados, particularmente sob o crescente conservadorismo do regime militarista do presidente Jair Bolsonaro.

Duas figuras estão sentadas no que parece ser um estúdio de gravação;  as palavras 'NO AIR' estão em letras vermelhas em negrito em um bloco transparente em primeiro plano.  A pessoa de aparência feminina à esquerda está a meio caminho entre colocar ou tirar os fones de ouvido;  a pessoa de aparência masculina à direita está vestindo um terno e parece estar escrevendo algo
Bárbara Wagner e Benjamin de Burca, Terremoto Sagrado / Tremor Sagrado, 2017, quadro de filme. Cortesia: © Bárbara Wagner & Benjamin de Burca e Fortes D’Aloia & Gabriel, São Paulo/Rio de Janeiro

O ponto médio cronológico da exposição e a obra mais polêmica de Wagner e BurcaTerremoto Sagrado (Holy Tremor, 2017), explora como o trabalho, a política e a espiritualidade se entrelaçam. Embora ambientado em um Igreja evangélica pentecostal no estado brasileiro predominantemente operário de Pernambuco, como a dupla disse repetidamente, o filme é sobre classe e não sobre religião. Subsistindo a visão comum dos evangélicos como receptáculos ingênuos da doutrinação neocolonialista, retrata o canto gospel como forma de empoderamento para uma comunidade historicamente vulnerável, como alternativa econômica ao trabalho braçal que constitui a forma predominante de emprego na região.

Trabalho manual e criativo convergem na sequência final do filme: um pedreiro pausa seu trabalho em uma igreja inacabada, tira o capacete e começa a cantar no púlpito que supostamente está construindo. A intensidade emocional de sua performance combina ou provoca um terremoto, propondo, como todos os filmes de Wagner e Burca, que a música pode ser um choque disruptivo, uma abertura para formas alternativas de pensar e sentir.

Bárbara Wagner e Benjamin de Burca: Five Times Brazil’ está em exibição no New Museum, em Nova York, até 16 de outubro de 2022.

Imagem principal: ‘Bárbara Wagner e Benjamin de Burca: Five Times Brazil’, 2022, vista da exposição, New Museum, Nova York. Cortesia: Novo Museu; fotografia: Dario Lasagni

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.