As críticas de Bolsonaro à quarentena abrem a crise institucional no Brasil

A oposição do presidente Jair Bolsonaro aos períodos de quarentena impostos por vários estados brasileiros para impedir a disseminação do novo coronavírus causou pânico e críticas de políticos e médicos, que denunciaram a “irresponsabilidade” do presidente.

Bolsonaro, diferentemente das recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS), considerou as medidas adotadas por São Paulo e Rio de Janeiro com potencial para arruinar a economia do país.

O presidente de 65 anos continuou dizendo que, graças ao seu “passado de atleta”, se ele contratasse o Covid-19, “eu não precisaria me preocupar, não sentiria nada ou, na melhor das hipóteses, ficaria resfriado ou resfriado”.

Em uma declaração, as entidades coletivas de saúde e bioética consideram que o discurso do Presidente “intolerável e irresponsável” é “intolerável e irresponsável”.

O presidente do Senado, David Alcolumbre, que contraiu o vírus e está isolado em sua casa, também considerou que a posição de Bolsonaro é “séria”, o que é contra as ações tomadas em outros países e sugeridas pela Organização Mundial Saúde (OMS).

“Nesse momento sério, o país precisa de liderança séria, responsável e comprometida com a vida e a saúde de sua população”, acrescentou.

“Há uma crise institucional, com essa ruptura do presidente com os líderes do congresso e do judiciário e com os governadores”, explica Michael Mohallem, professor de direito da Fundação Getúlio Vargas.

– “Caos” e “assaltos”

Criticando medidas que ameaçam agravar o desemprego, que afeta quase 12 milhões de brasileiros, Bolsonaro segue os passos de Donald Trump, de quem ele é um admirador fervoroso.

“Você deve voltar ao trabalho muito antes que as pessoas pensem”, disse Trump à Fox News na terça-feira.

Uma fórmula reproduzida por Bolsonaro, com uma visão apocalíptica das possíveis conseqüências econômicas e sociais das medidas de contenção.

“Se tivermos problemas, como deveríamos ter, como recalls de supermercados, entre outras coisas, o vírus permanecerá conosco. O vírus não foi embora. Ficaremos com o caos e o vírus. O que há para fazer? Coloque essas pessoas para trabalhar ”, declarou ao deixar a residência oficial em Brasília.

– “O governo nas mãos de um vírus” –

Em várias cidades, desde a última semana, houve panelas à noite, como forma de criticar Bolsonaro. Na última terça-feira, durante sua transmissão de rádio e televisão, os potes fizeram mais barulho do que nunca.

A palavra “demissão” é ouvida cada vez mais frequentemente, mesmo por figuras políticas centrais.

Mas Mohallem considera um cenário improvável.

“A promoção do impeachment acaba respondendo à estratégia de Bolsonaro da maneira que ele queria”, diz ele.

“Se a crise, que já matou 46 pessoas no Brasil e mata milhares de pessoas em todo o mundo todos os dias, estiver sob controle, sairá com um forte discurso contra aqueles que escolheram prudência no momento. Se a crise seguir as previsões do próprio pessoal técnico do governo e for acertada aqui, o projeto recairá sobre ele “, conclui.

You May Also Like

About the Author: Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *