As pessoas deveriam migrar de países ricos para países mais pobres? – Parecer – Revisão da Eurásia

Por Lipton Matthews*

O debate sobre imigração polarizou as sociedades em todo o mundo ocidental. Os opositores dizem que o afluxo de imigrantes corroído relações sociais, e os defensores argumentam que os imigrantes liberam uma dose de empreendedor dinamismo. Os debates continuarão porque é improvável que as pessoas possam ser dissuadidas de emigrar para os países ricos do Ocidente. Os migrantes irão continuamente migrar para lugares como os Estados Unidos e o Canadá, pois oferecem melhores oportunidades.

Além de oferecer aos imigrantes mais opções para construir riqueza, os países ricos da Europa e da América do Norte também atraem muitos por meio de seus sistemas de bem-estar social bem dotados. Os pesquisadores argumentam que o bem-estar funciona como um ímã que atrai imigrantes para países prósperos. A atração do bem-estar é tão poderosa que limitar os benefícios pode reduzir o fluxo líquido de imigrantes para os países anfitriões. países. Além disso, beneficiar de rendimentos mais elevados nos países desenvolvidos dá aos imigrantes a oportunidade de experimentar uma melhor qualidade de vida.

Economista Michael Clemens opinou que a migração para os Estados Unidos é a melhor estratégia para tirar os haitianos da pobreza. Para muitos no mundo em desenvolvimento, migrar para um país estável com instituições eficazes é o caminho mais plausível para o avanço pessoal. A migração também pode levar a resultados de saúde favoráveis ​​e melhor bem-estar porque os países em desenvolvimento têm saúde inferior. sistemas. Os cuidados de saúde não são apenas melhores nos países ricos paísesmas na Europa e na América do Norte é mais provável que as pessoas recebam cuidados de saúde subsidiados.

O padrão de vida é substancialmente melhor nos países ocidentais, por isso é compreensível por que as pessoas arriscariam sua segurança para entrar na América ou na Europa. Mas talvez o debate atual esteja errado. Em vez disso, os formuladores de políticas devem defender que pessoas de países ocidentais migrem para o mundo em desenvolvimento. Capital humano é essencial para Crescimento econômicoe os países mais pobres sofrem com níveis mais baixos de capital humano.

No entanto, o capital humano não é o acúmulo de informações, mas a aplicação da experiência. O capital humano refere-se ao conhecimento técnico, e a transição para o estado desenvolvido exigirá que os países em desenvolvimento adquiram conhecimento técnico do primeiro mundo. Os europeus ocidentais tinham uma vantagem de capital humano anterior a la era colonial, sin embargo, a pesar del auge de los países de Asia oriental y las ramificaciones de Inglaterra, como Estados Unidos, Canadá, Australia y Nueva Zelanda, todavía existe una gran brecha en la formación de capital humano entre Occidente y el resto do mundo.

UMA estudar pelo acadêmico ganense William Baah-Boateng argumenta que o fraco desempenho econômico da África pode ser remediado pelo fortalecimento de sua base de capital humano. Baah-Boateng postula que os formuladores de políticas e o setor privado devem investir em infraestrutura para revolucionar os sistemas educacionais africanos. Esta sugestão é justa; no entanto, o Banco Mundial em um controverso O relatório observou que, na África, professores e alunos operam abaixo da média. O relatório revela surpreendentemente que na África uma grande proporção de educadores não domina os currículos dos alunos que instruem; o conhecimento pedagógico básico é mínimo e as boas práticas de ensino são escassas.

Professores ineptos precisam ser treinados, mas a baixa qualidade da educação nos países em desenvolvimento é uma crise global, e alguns propõem que as instituições dos países em desenvolvimento empreguem professores de alta qualidade dos países desenvolvidos. países. Ao longo da história, os países melhoraram seu capital humano cortejando imigrantes de países bem-sucedidos. De 1851 a 1920, o Brasil importou mais de 3,5 milhões de europeus e imigrantes de outras regiões.

A imigração foi um grande impulso para a economia do Brasil. Pesquisar mostra que o crescimento do capital humano foi robusto em locais com alta concentração de imigrantes. Ainda hoje, o desempenho econômico é mais forte nos estados que importaram grandes parcelas de imigrantes. Da mesma forma, a Argentina também se beneficiou da experiência dos imigrantes europeus durante a era da migração em massa. De 1870 a 1930, a Argentina foi o destino de aproximadamente sete milhões de imigrantes, principalmente da Europa.

Naquela época, a Argentina mantinha uma política liberal imigração política para recrutar trabalhadores e povoar o país. Alemão imigrantes tornaram-se um grupo diferenciado e são reconhecidos por suas contribuições para o empreendedorismo, educação e saúde.

Mais importante, para os Estados Unidos, estudos que veem uma ligação entre imigração e inovação estão realmente explorando as façanhas de pessoas de Europa.

Crucial para a história do capital humano imigrante é que o Japão, o primeiro país não ocidental a se industrializar, estabeleceu a Missão Iwakura em 1871 para estudar o Ocidente. instituições e aplicá-los a um contexto japonês. Mais recentemente, a China colheu os frutos da cópia institucional no setor de capital de risco ao adotar ocidental práticas de negócios. Sem dúvida, a apropriação de conhecimento estrangeiro relevante pode acelerar o desempenho econômico dos países em desenvolvimento.

Como tal, os países pobres do mundo em desenvolvimento podem adotar uma política liberal de imigração para atrair capital humano de alta qualidade ou se envolver em cópias institucionais implacáveis ​​para alcançar melhores padrões de vida. O problema não é que pessoas de países mais pobres estejam migrando para o Ocidente, mas que poucos ocidentais se mudam para países pobres com seus conhecimentos e instituições.

*Sobre o autor: Lipton Matthews é pesquisador, analista de negócios e colaborador do West Merion, o federalista, pensador americanoPara viagem intelectual, mises.org e conservador imaginativo. Confira seu canal no YouTube, com inúmeras entrevistas com uma variedade de acadêmicos, aqui. Ele pode ser contatado em [email protected] ou no Twitter (@matthewslipton).

Fonte: Este artigo foi publicado pelo Instituto MISES

You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.