Assim como Dimorphos, o asteróide que a NASA tentará desviar em sua primeira missão de defesa planetária – 30/06/2020

Segundo a NASA, a cada 10.000 anos, existe a possibilidade de asteróides com mais de 100 metros atingirem a Terra e causarem grandes danos; portanto, a agência quer ser testada para ser cautelosa.

Durante anos, os cientistas estão se preparando para enfrentar uma ameaça distante, mas um dia isso pode se tornar real. São asteróides que passam “próximos” da Terra e que, em teoria, podem colidir com o planeta.

A NASA diz que “um asteróide não é conhecido por apresentar um risco de impacto para a Terra nos próximos 100 anos”. Do que se sabe até agora, o asteróide mais perigoso é o 2009FD, que tem menos de 0,2% de chance de atingir a Terra em 2185.

Mas os especialistas preferem ser cautelosos e preparados para uma ameaça real.

Para esse fim, a NASA, em colaboração com a Agência Espacial Européia (ESA), está preparando sua primeira missão de defesa planetária, que tentará atingir um asteróide para desviar sua órbita.

A missão é chamada DART, que em inglês significa dardo e, nesse caso, são as iniciais em inglês para o Teste de redirecionamento de asteróide duplo.

Esta missão histórica está planejada para algum período entre julho e setembro de 2022, e o alvo será um asteróide recém-nomeado, Dimorphos.

Dimorphs significa “duas formas”, já que seria o primeiro corpo celeste a ter o formato de sua órbita alterado devido à intervenção humana.

Mas como será a operação e o que faz de Dimorphos uma cobaia perfeita para experimentar essa técnica de defesa planetária?

Impacto cinético

A missão de teste do DART será a primeira tentativa de desviar um objeto espacial usando o que os especialistas chamam de “impacto cinético”.

A operação consistirá no lançamento da espaçonave DART para viajar pelo espaço e colidir deliberadamente com o Dimorphos.

A idéia é fazer com que o impacto mude a trajetória do Dimorphos, como quando duas bolas de bilhar colidem.

“O que queremos fazer é alterar a velocidade do objeto em talvez uma polegada por segundo”, explica o astrônomo Andy Rivkin, um dos líderes da missão, no portal DART.

“Isso não é muito”, diz ele, mas pensar na Terra seria suficiente para desviar seu curso e evitar colisões.

Entre todas as opções avaliadas, a NASA considera o impacto cinético o método “mais simples e tecnologicamente maduro” de defender a Terra dos asteróides.

Como está o barco DART?

O dardo que planeja atingir Dimorphos é um navio que pode percorrer 6,6 km por segundo.

É equipado com painéis solares que, quando implantados, medem 8,5 metros de comprimento cada.

Esta ilustração mostra a dupla Dimorphos-Didymos perto da sonda DART.

Imagem: NASA

No interior, haverá uma câmera que ajudará a navegar no espaço e a identificar o alvo, além de escolher o melhor ponto de impacto.

A sonda também carregará um satélite cúbico que ficará offline alguns dias antes da colisão e tentará capturar imagens do momento de impacto entre o DART e o Dimorphos.

Por que o Dimorphos é a lente ideal

O asteróide Dimorphos faz parte de um sistema binário, porque gira em torno de outro asteróide chamado Didymos, que em grego significa gêmeos.

Dimorphos tem um diâmetro de 160 metros e é menor que Didymos, que tem um diâmetro de 780 metros.

A sonda DART atingirá Dimorphos quase de frente, diminuindo o tempo que leva para esse pequeno asteróide orbitar Didymos por vários minutos.

O plano em 2022 é que, com o impacto, os telescópios da Terra possam medir o quanto a órbita de Dimorphos mudou.

A idéia de lançar o DART no segundo semestre de 2022 é que, naquele momento, o sistema Didymos estará mais próximo da Terra, cerca de 11 milhões de quilômetros, o que permitirá melhores observações.

Simplificando, o Dimorphos será o alvo perfeito para avaliar a eficácia de um navio como o DART na desviação de um objeto celeste de outro.

Defesa planetária

Os programas de defesa planetária visam proteger a Terra da ameaça de objetos cósmicos próximos.

Um asteróide é considerado próximo da Terra quando sua órbita leva cerca de 50 milhões de quilômetros do nosso planeta.

dimophos2 - NASA / JOHNS HOPKINS APL - NASA / JOHNS HOPKINS APL

Quando a sonda colide com Dimorphos, os telescópios podem registrar o momento

Imagem: NASA / JOHNS HOPKINS APL

Embora a grande maioria dos objetos próximos que entram na atmosfera da Terra se desintegre antes de atingir a superfície, aqueles com mais de 30 metros podem causar danos se conseguirem romper a atmosfera.

Segundo a NASA, um objeto é considerado potencialmente perigoso se orbitar 7,5 milhões de km da Terra e tiver mais de 140 km de diâmetro.

Todo mês, os astrônomos podem detectar vários asteróides com alguns metros de diâmetro que passam entre a Terra e a Lua. Todos os dias, a atmosfera da Terra também é atingida por meteoritos, que são pequenos fragmentos de asteróides de cerca de um metro e causam trilhas leves que podem ser vistas à noite.

Segundo a NASA, em média, a cada 10.000 anos, existe a chance de que asteróides com mais de 100 metros cheguem à Terra e causem desastres ou gerem ondas que inundarão áreas costeiras. Portanto, por enquanto não há nada com que se preocupar, mas é melhor estar preparado.

You May Also Like

About the Author: Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *