Astrônomo amador descobriu um lugar em Júpiter antes da NASA 14/07/2020

Astrônomo amador descobriu um lugar em Júpiter antes da NASA 14/07/2020

Uma das características mais distintivas de Júpiter, o planeta gigante dos gases, é o GMV (Great Red Spot). Porque ele conseguiu uma irmã mais nova: “Clyde’s Place”, ou Clyde’s Place, apelidada pelo astrônomo amador que a descobriu, mesmo antes da NASA.

Os astrônomos observam a mancha vermelha há mais de 300 anos. É uma grande tempestade circular, como um ciclone, que vem ocorrendo continuamente há séculos na atmosfera do quinto planeta. Ao lado, uma nova tempestade esbranquiçada foi descoberta semanas antes do planeta se opor ao Sol, nesta terça-feira (14).

Observando Júpiter com seu telescópio na manhã de 31 de maio deste ano, o sul-africano Clyde Foster notou um ponto estranhamente brilhante no hemisfério sul do planeta, abaixo e à direita da GMV. Ele estava usando um filtro fotográfico especial, sensível ao gás metano, muito presente na atmosfera de Júpiter.

Dois dias depois, a sonda Juno da NASA, que orbita o planeta desde 2016, confirmou e fotografou a descoberta de Foster durante um sobrevôo. A tempestade pode ter se formado recentemente. Esta região de Júpiter, chamada de faixa temperada do sul, é uma zona atmosférica turbulenta.

A sonda Juno da NASA, que orbita o planeta desde 2016, confirmou a descoberta de Clyde Foster.

Imagem: Divulgação / NASA

Outro cientista amador, Kevin Gill, tirou cinco fotos que a JunoCam (a câmera da sonda) tirou hoje e as processou, criando a bela imagem que abre esse texto e até parece uma pintura de Van Gogh. Você pode ver claramente Clyde Point, bem no centro, o Great Point e outros distúrbios na atmosfera do planeta, alguns dos quais estão ativos há dezenas ou mesmo centenas de anos.

Qualquer um pode baixar as imagens capturadas pelo Juno, em altíssima resolução, em site da missãoe edite-os. “Gostaríamos de ver tudo, desde cortes simples em uma imagem a destacar um recurso atmosférico específico ou adicionar aprimoramentos de cores, colagens e reconstrução avançada de cores”, incentiva a NASA.

Devido ao formato de sua órbita, a sonda sobrevoa Júpiter aproximadamente a cada 53 dias. O próximo vôo, dia 28, está marcado para o dia 25 deste mês. Como será a tempestade em Clyde?

O GMV já tinha o dobro do diâmetro da Terra, mas “encolheu” muito em 2014, atingindo um pouco mais do que o diâmetro do nosso planeta. Ainda assim, continua sendo o título da maior tempestade em todo o Sistema Solar.

Não tripulado, o Juno foi lançado em agosto de 2011 e chegou a Júpiter quase cinco anos depois, em julho de 2016. Seu objetivo é ajudar os cientistas a entender melhor a composição, estrutura, origem e evolução do maior planeta e do Sistema Solar. em si. Ela deve agir até pelo menos julho do próximo ano.

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *