“Ataque nossa reputação”, diz Nubank sobre as reclamações da Pix

A cofundadora do Nubank, Cristina Junqueira, respondeu às reclamações dos clientes sobre o registro de chaves do Pix sem autorização, dizendo que era um “ataque à reputação do banco”. Relatórios de registro de não consentimento acumulados nas redes sociais na semana passada.

“Hoje temos mais de 10 milhões de códigos Pix cadastrados no Banco Central. Se estivéssemos fazendo algo sem anuência, haveria muito mais reclamações”, disse, durante o programa “Roda Viva” da TV Cultura.

Pix é o novo sistema de pagamento instantâneo que o Banco Central ainda não colocou em operação. Aparece como uma opção para transferências DOC e TED. O cadastramento das pessoas físicas começou no dia 5 e a operação começará no dia 16 de novembro.

O Banco Central registrou até esta quarta-feira (14) o registro de 33.772.391 chaves de identificação Pix. Nubank lidera, com 8.086.037, seguido por Mercado Pago, PagSeguro, Bradesco e Caixa.

“É uma luta constante contra isso, um pouco de ceticismo, um pequeno ataque à nossa reputação. Mas estamos aqui para lutar, para acabar com a complexidade e devolver às pessoas o controle de seu dinheiro. E vamos chegar lá”. ele então adicionou.

O cadastro deve ser feito com o consentimento dos clientes, mesmo que as instituições financeiras já possuam os dados para cadastro. Segundo relatos de usuários do Nubank e do Mercado Pago, foram realizadas buscas não autorizadas e dificultado o cancelamento da operação.

O Procon Paulista questionou as duas instituições sobre as principais reclamações dos clientes e estabeleceu o prazo de 72 horas para o envio de suas respostas, a partir de hoje.

As perguntas incluem perguntas sobre como o registro e a confirmação são feitos, opções de cancelamento e medidas tomadas para resolver as reclamações. O Procon também questionou se o eventual cadastramento não autorizado poderia ter ocorrido por problema nos sistemas das instituições.

Luta contra o racismo

Durante a entrevista, Junqueira também falou sobre as iniciativas de Nubank na contratação e inserção de negros no mercado de trabalho.

“Criamos um grupo dentro da pandemia para focar no recrutamento, contratação de candidatos e funcionários de minorias. Investimos em treinamento para garantir que o acesso que temos ao pool de candidatos seja o mais diversificado possível. Hoje não temos problemas dentro da organização retenção ou ascensão em relação às minorias. O que temos é uma sub-representação étnica e racial, que estamos fazendo muito para corrigir ”, afirmou.

Questionado sobre o alto nível de demanda nas contratações, Junqueira tem se destacado. “Não podemos nivelá-lo. É por isso que queremos fazer esse investimento em treinamento. Imagine que estamos criando um programa gratuito que ensinaremos ciência de dados às pessoas que desejam participar e capacitaremos essas pessoas.”

Nubank ainda XP

Em setembro, o Nubank anunciou a compra da corretora Easynvest, que busca entrar no mercado de investimentos, que tem crescido no Brasil face às baixíssimas taxas de juros. Os valores da transação não foram divulgados na ocasião.

“Uma das premissas do que queríamos fazer é criar algo ‘tão simples’, ‘tão intuitivo que as próprias pessoas entendam o que está acontecendo e tomem a decisão por si mesmas. Estamos muito animados, mas a transação ainda não foi aprovada por autoridades “, disse ele.

“A ideia é poder oferecer essas soluções de investimento aos 30 milhões de clientes que temos do lado do Nubank. Você comentou sobre as taxas, certo? É um absurdo, num país onde já é difícil ter rentabilidade com o nível das tarifas. do interesse que a gente tem hoje, então você tem os fundos DI, que tem uma rentabilidade atrelada ao CDI, cobrando mais da taxa de administração do que da rentabilidade, pelo amor de Deus … ”, protestou.

Questionado se a aquisição da Easynvest seria para enfrentar a líder do setor, XP Investimentos, Junqueira discordou. “Olha, nada impedirá os clientes de analisar as duas funções, mas acho que a grande competição é que pegamos todo esse dinheiro [R$ 1 trilhão, estima-se] o que está na poupança [do brasileiro]… “ele disse.

Venda e IPO da Nubank

Junqueira também refutou os rumores da venda do Nubank e citou a possibilidade, em algum momento, de realizar o IPO (oferta pública de ações) da fintech.

“Você não tem chance [de vender a Nubank]. Cada empresa tem dois caminhos: ou se torna pública ou em algum momento é vendida. Nubank é o nosso projeto de vida. Há 20, 30, 40, 50 anos construímos uma empresa “, disse.

“Em algum momento chega o IPO, é um fluxo natural da evolução do ciclo de maturidade da empresa, não é algo que a gente tem pressa de fazer, ser uma empresa privada tem muitas vantagens, tem muita gente no mercado esperando o que estamos fazendo isso, então quanto mais pudermos manter a privacidade sobre nossa estratégia, nossos números, o que estamos fazendo, por nós, melhor. Mas a estrada não vai vender ”, acrescentou.

You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci Shinoda

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *