Atualizações da política de bullying do YouTube

Ações para reduzir a ocupação em nossos escritórios.

O YouTube vem trabalhando duro nos últimos anos para melhorar a maneira como gerenciamos o conteúdo na plataforma: nos aposentamos vídeos rápidos que violam as Diretrizes da comunidade, nós reduzimos a disseminação de conteúdo nocivo, destacamos Vozes respeitáveis ​​para usuários que buscam notícias e informações e valorizamos criadores e artistas confiáveis ​​que tornam o YouTube um lugar tão especial. Hoje anunciamos uma série de alterações de políticas e produtos, projetadas para melhorar a luta contra o bullying na plataforma. Nossas políticas estão sempre em revisão, com o objetivo de garantir a diferenciação correta entre o que deve ser reduzido e o que é permitido. Início de 2019Reconhecemos que poderíamos melhorar a proteção dos criadores e da comunidade contra o bullying.

O bullying tem efeitos negativos sobre a comunidade: faz as pessoas hesitarem em compartilhar opiniões e se aproximarem umas das outras. Vários criadores, incluindo alguns com quem nos encontramos para desenvolver essas atualizações, apontaram repetidamente esse problema. Também realizamos reuniões com especialistas que opinaram e contribuíram para o processo, desde organizações que estudam práticas de bullying na Internet a jornalistas, bem como defensores da liberdade de imprensa e entidades com diferentes formações políticas.

Continuamos comprometidos com uma plataforma aberta e queremos que o YouTube seja um fórum para um debate respeitoso e uma troca de idéias enriquecedora. O assédio, no entanto, é intolerável. Acreditamos que as ações descritas abaixo contribuirão para nossa missão, aprimorando ainda mais o YouTube e permitindo que todos expressem suas opiniões e contem histórias.

Mais forte na luta contra ameaças e ataques pessoais.

O YouTube sempre removeu vídeos que contêm ameaças explícitas a pessoas, que revelam informações pessoais confidenciais ou incentivam ataques a terceiros. A partir de agora, essas políticas serão ainda mais severas: não apenas ameaças explícitas são proibidas, mas também ameaças veladas ou implícitas. Isso inclui conteúdo que incentiva a violência contra alguém e linguagem que sugere a possibilidade de violência física. Ninguém deve ser vítima de assédio na forma de uma sugestão de violência.

Além das ameaças, você também precisa estar ciente da linguagem pejorativa que vai longe demais. Para estabelecer um critério coerente sobre os tipos de conteúdo proibidos no YouTube, partimos da estrutura existente em política de discurso de ódio. A ninguém será permitido conteúdo com insultos maliciosos a alguém com base em atributos como raça, expressão de gênero ou orientação sexual. Isso vale para todos: indivíduos, criadores e funcionários públicos.

Consequências do padrão de comportamento de bullying

Nessas conversas, os criadores disseram que o bullying geralmente segue um padrão de comportamento repetitivo em vários vídeos e comentários, mesmo se um vídeo isolado não quebrar a política. Para resolver esse problema, aplicamos a política do YouTube Partner Program (YPP). O objetivo é ser ainda mais rigoroso com os comportamentos de bullying, garantindo que apenas os criadores de confiança sejam beneficiados. Os canais que se aproximam do limite tolerável repetidamente serão suspensos do YPP e isso os impedirá de ganhar dinheiro com o conteúdo postado no YouTube. Também podemos remover conteúdo do ar nos canais que assediam uma pessoa várias vezes. Se o comportamento continuar, as medidas serão ainda mais rigorosas: emitir avisos e até fechar o canal.

Comentários tóxicos

Sabemos que o feedback é um importante canal de contato entre fãs e criadores. Ainda assim, muitas pessoas têm dito que existem práticas de assédio nesses protestos contra criadores e usuários. Esse comportamento não afeta apenas a pessoa a quem os ataques são direcionados: pode ter um impacto negativo em qualquer interação no canal.

Para solucionar o problema, o YouTube remove comentários que contêm violações explícitas das políticas da plataforma. Apenas No terceiro trimestre de 2019, removemos mais de 16 milhões de comentários especificamente para assédio. As atualizações que descrevemos aqui também se aplicam aos comentários, portanto esse número deverá aumentar nos próximos trimestres.

Além de remover os comentários, incentivamos os criadores a definir o tom da conversa em seus canais, e temos muitas ferramentas útil para fazer isso. Nos casos em que qualquer comentário parece violar nossa política, mas ainda há dúvidas, daremos aos criadores a opção de avaliar o texto antes de ele ser publicado no canal. Já estamos vendo resultados animadores entre os primeiros a adotar essas diretrizes. Os canais que aceitaram esse recurso tiveram uma redução de 75% no número de comentários marcados com alertas do usuário. No início deste ano, nós passamos para deixar esse recurso ativado automaticamente para a maioria dos criadores.

Continuamos ajustando nosso sistema para garantir que possamos identificar comentários realmente prejudiciais, não opiniões negativas ou críticas. A avaliação dos criadores foi muito positiva. A semana passadaAgora, deixamos esse recurso ativado automaticamente em canais maiores do YouTube, que possuem seções de comentários extremamente ativas. No final do ano, será possível fazer o mesmo em praticamente todos os canais. Vale esclarecer que os criadores podem desativar esta função, se assim o desejarem. Se eles decidirem deixá-lo ativado, continuarão a ter controle sobre os comentários retidos por nós, mas que desejam autorizar a exibição nos vídeos. Outra alternativa é simplesmente ignorar completamente os comentários, se o criador preferir.

As novas atualizações representam outra etapa do trabalho para garantir a proteção da comunidade do YouTube. Continuaremos a promover um debate saudável sobre as decisões que tomamos. O YouTube possui um processo para criadores de conteúdo que desejam apelar das decisões que tomamos quando acham que as ações que tomamos estão erradas.

Como parte desse processo de atualização, é imperativo que o YouTube continue sendo um lugar para a livre expressão de uma ampla gama de idéias. Continuaremos a proteger o debate sobre temas de interesse público, bem como a expressão artística. Acreditamos que é possível participar desse diálogo para incentivar a participação, sem que ninguém tenha medo de sua própria segurança. Continuaremos analisando constantemente nossas políticas para garantir que elas preservem a magia do YouTube e atendam às expectativas da comunidade.

Postado por Matt Halprin, vice-presidente e diretor global de Confiança e Segurança

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa Esteves

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *