Avatares de carne e osso em 19 vezes secretos – O mundo mudou

Pixabay

Antes de termos um mundo de opções e considerando que, com a pandemia de ficarmos sozinhos em casa, muitos estão incorporando uma mentalidade de: se eu não posso estar presente no real, estou presente no virtual.

Uma das maneiras mais comuns de personificar no mundo virtual é o chamado avatar.

Um avatar é um personagem que representa um usuário no mundo digital. Basicamente, é uma representação gráfica sua ou da personalidade que você deseja ter. Então, quando você quiser embarcar em um mundo novo, lutar contra dragões, viver uma segunda vida ou fazer uma reunião remota, você pode enviar seu avatar.

Com a quarentena e as pessoas forçadas a se limitar, os avatares se tornaram cada vez mais comuns e novos formatos e usos estão sendo criados.

Avatar na graduação

Em 28 de março deste ano, um grupo de estudantes japoneses da Tokyo Business Breakthrough University se tornou viral na Internet porque não aceitaram a idéia de perder a graduação devido à coronavírus e eles decidiram se substituir por avatares.

O avatar que eles usam é conhecido como Newme, uma tecnologia que usa robôs telepresença. O corpo é substituído por um totem móvel vestido como graduado e a cabeça é um tablet com o rosto do aluno. Dessa forma, os alunos acompanharam o evento remotamente e, através de um bate-papo com o Zoom, puderam interagir na recepção de seus diplomas.

Universidade de Reprodução / BBT

Outro uso inesperado de avatares foi quando estudantes do ensino médio de uma escola, também japonesa, coordenaram um evento de graduação no jogo Minecraft. Eles recriaram o ambiente escolar dentro do jogo e todos os alunos conectados em seus avatares e viveram a experiência do discurso do final do ano letivo e a entrega do diploma em seu próprio mundo de blocos de construção.

Avatar de carne e osso vai para o mercado

Foi nessa onda de pensamento sobre as opções de representação de nós mesmos no período dos coronavírus que surgiu uma pergunta: atualmente estamos usando apenas avatares digitais para nos representar?

Os Rappis, Ifoods e Loggis da vida não nos substituiriam ao interpretar papéis na vida real?

Getty Images

Com tantas coisas que precisamos fazer fora de casa, começamos a usar os serviços de logística quase como uma extensão de nós mesmos. Seja para entregar coisas aos membros da família, para pedir mantimentos, para trazer o almoço desejado ou os ovos de Páscoa.

Enquanto a maioria está segura em casa, são as “vicissitudes de carne e osso” que estão nas ruas sem proteção para nós.

Peço desculpas e agradeço a esses profissionais.

You May Also Like

About the Author: Francisca

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *