Banco central do Brasil se prepara para manter taxas em alta do ciclo de 13,75% na próxima semana

conteúdo do artigo

BUENOS AIRES (AP) – O banco central do Brasil deve manter sua taxa básica de juros em uma alta cíclica de 13,75% nesta quarta-feira e deve manter uma postura agressiva no próximo ano para moderar as expectativas de inflação, mostrou uma pesquisa da Reuters.

Seria a primeira pausa em uma campanha de ajuste que viu a taxa Selic subir um total de 1.175 pontos base desde o início de 2021, quando o Brasil já sofria de fortes dores inflacionárias que agora afetam as principais economias do mundo.

conteúdo do artigo

O Comitê de Política Monetária do Banco, conhecido como Copom, deixará a Selic em 13,75%, segundo maioria de 24 dos 32 economistas consultados de 12 a 15 de setembro. Uma minoria de oito teve um aumento de 25 pontos base para 14,0%.

Anúncio 2

conteúdo do artigo

Com os ganhos de preços no Brasil começando a esfriar, os formuladores de políticas não estão inclinados a seguir a abordagem mais dura do Federal Reserve dos EUA e também estão relutantes em tomar medidas potencialmente disruptivas antes das eleições presidenciais de outubro.

Mas, em tom de alerta, o presidente do banco central, Roberto Campos Neto, disse na semana passada que também não estava pensando em flexibilizar a política, pois sua prioridade continua sendo trazer a inflação para dentro das metas oficiais.

“O Copom sinalizará que manterá a Selic inalterada até agosto, mantendo um bom spread sobre as taxas internacionais e níveis vantajosos de taxas reais também”, disse Jason Vieira, economista-chefe da Infinity Asset Management.

Os amplos spreads das taxas do país favoreceram algumas entradas de capital este ano, ajudando a apoiar a moeda local e os mercados domésticos antes das eleições do próximo mês, nas quais o presidente Jair Bolsonaro buscará um segundo mandato.

Anúncio 3

conteúdo do artigo

Os preços ao consumidor brasileiro caíram em agosto pelo segundo mês consecutivo devido à queda nos custos dos combustíveis. Nos 12 meses até agosto, a inflação foi de 8,73%, abaixo dos 10,07% observados nos 12 meses imediatamente anteriores.

Ainda assim, o ritmo segue bem acima da meta oficial de 3,5% para 2022. As perspectivas para o próximo ano também são duvidosas, com projeções apontando para uma taxa de inflação esperada de 5,17%, segundo levantamento do banco central, em contraste com a visão oficial de 3,25% até 2023.

O descontentamento com a alta inflação tem sido um fator-chave por trás das classificações persistentemente fracas de Bolsonaro nas preferências dos eleitores. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva mantém uma sólida liderança nas pesquisas.

A proximidade da votação representa um motivo para o Copom recuar no curto prazo, evitando qualquer decisão que possa gerar ondas, principalmente após uma série de dados surpreendentemente fortes na economia número um da América Latina.

No entanto, a estratégia cautelosa do banco central significa que a Selic permanecerá em dois dígitos por mais de um ano antes de cair para 9,50% no segundo trimestre de 2024, mostraram estimativas de pesquisas trimestrais. (Reportagem e pesquisa de Gabriel Burin em Buenos Aires; edição de Jonathan Cable e Andrea Ricci)

Anúncio publicitário

Comentários

A Postmedia está empenhada em manter um fórum de discussão animado, mas civilizado, e incentiva todos os leitores a compartilhar seus pensamentos sobre nossos artigos. Os comentários podem levar até uma hora para serem moderados antes de aparecerem no site. Pedimos que você mantenha seus comentários relevantes e respeitosos. Ativamos as notificações por e-mail – agora você receberá um e-mail se receber uma resposta ao seu comentário, se houver uma atualização em uma sequência de comentários que você segue ou se um usuário que você segue comentar. visite nosso Princípios da Comunidade para obter mais informações e detalhes sobre como ajustar seu E-mail definições.

You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.