Bancos chineses acusados ​​de financiar o desmatamento em todo o mundo

Os bancos chineses são os segundos maiores financiadores de commodities envolvidos no desmatamento da floresta tropical, de acordo com uma pesquisa que lança dúvidas sobre as ambições de Pequim de ser um líder mundial no combate às mudanças climáticas.

Dados analisados ​​pela Forests & Finance, uma coalizão global de organizações não governamentais, mostraram que de janeiro de 2016 a abril de 2020, as instituições chinesas forneceram US $ 15 bilhões em empréstimos e serviços de subscrição para empresas que comercializavam commodities relacionadas. Desmatamento no Sudeste Asiático, Brasil e África.

As empresas chinesas envolvidas no comércio de papel e celulose, óleo de palma, soja, borracha e madeira operam principalmente no exterior e muitas vezes são financiadas por bancos chineses, destacando a pegada internacional do setor financeiro do país. O Brasil respondeu pelo maior montante de financiamento vinculado ao desmatamento, mas a maioria dos empréstimos foi feita dentro do país.

As descobertas, que estimam quanto dos empréstimos de uma empresa vão para atividades que colocam as florestas em risco, coincidiram com um maior foco em Pequim na limitação das emissões de gases de efeito estufa. O presidente Xi Jinping prometeu no ano passado que a China alcançaria a “neutralidade de carbono” até 2060.

No entanto, os defensores do clima apontaram que os investimentos e empréstimos da China no exterior para infraestrutura e comércio de risco ambiental vão contra a meta ousada de Xi.

O Banco estatal Industrial e Comercial da China foi o maior fornecedor de empréstimos e serviços de subscrição no banco de dados, com um valor total de US $ 2,2 bilhões. Sinochem, um grupo químico estatal chinês, foi o maior beneficiário, arrecadando US $ 4,6 bilhões, a maior parte para seu negócio de borracha.

O comércio de commodities incluído no banco de dados Forests & Finance foi responsável por aproximadamente dois quintos do desmatamento globalmente. A pesquisa sugeriu que contribuiu com cerca de 5 por cento das emissões anuais de gases de efeito estufa por meio de seu efeito apenas no desmatamento.

“As grandes economias do mundo falam muito sobre ação climática, mas continuam fazendo vista grossa para seus próprios bancos que financiam o desmatamento tropical”, disse Tom Picken, diretor da campanha Florestas e Finanças.

Picken explicou que o objetivo do banco de dados era demonstrar o enorme fluxo de financiamento de bancos chineses que caíram abaixo dos padrões de “finanças verdes” e pressionar os bancos chineses a adotar salvaguardas mais rígidas para evitar financiar o desmatamento.

“Atualmente, existem poucas implicações para os bancos que até mesmo financiam conscientemente o desmatamento ilegal no exterior”, disse ele.

Em 2017, o sistema bancário chinês ultrapassou o da zona do euro para se tornar o maior do mundo em ativos. Também há sinais de sua influência crescente em outras economias em desenvolvimento.

Um artigo de pesquisa do Banco de Compensações Internacionais no ano passado descobriu que os bancos chineses se tornaram os maiores credores internacionais para cerca de metade das economias emergentes e em desenvolvimento em todo o mundo. O jornal acrescentou que sua atividade de crédito “tem forte correlação com o comércio”.

Siga @ftclimate no Instagram

Capital do clima

Onde a mudança climática encontra negócios, mercados e política. Explore a cobertura do FT aqui

You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *