Barreiras à adoção de pagamentos digitais na América Latina

Kushki - Digitalizando pagamentos na América Latina - maio de 2022 - Descubra como os inovadores de FinTech e FI podem superar as barreiras à adoção de pagamentos digitais na América Central e no Caribe

À medida que a economia global se torna cada vez mais digital, a perspectiva de trazer economias que há muito dependem de dinheiro para o mundo digital continua sendo um dos maiores desafios para os inovadores de FinTech. As apostas são altas, pois digitalizar o processo de pagamento e incentivar os cidadãos a aproveitar ao máximo as oportunidades bancárias são formas fundamentais de estimular a economia.

Em muitos lugares da América Central e do Caribe, chegar à raiz do motivo pelo qual os cidadãos não têm conta bancária é o primeiro passo para superar os obstáculos à adoção digital. Na Jamaica, por exemplo, relatórios exposição que quase 70% da população não tem conta bancária ou não tem conta bancária. Essa sociedade baseada em dinheiro significa uma lenta transformação digital para empresas que devem permanecer prontas para aceitar dinheiro como seu principal método de pagamento, apesar da necessidade de acompanhar as tendências globais. Instituto de Pesquisa de Políticas do Caribe (CAPRI) medos que a falta de adoção de serviços digitais ou de aproveitamento total do que o banco oferece está dificultando o crescimento econômico na região. Sua pesquisa indica que apenas 13% dos jamaicanos fizeram empréstimos de uma instituição financeira (FI) nos últimos seis meses, inclusive por meio de cartões de crédito.

A evasão do consumidor de instituições bancárias na região parece se resumir a apenas alguns fatores cruciais, um dos quais são os custos associados ao banco digital. As preferências de dinheiro na região também decorrem da desconfiança do governo e das IFs. O medo de apreensão de bens pelo governo, instabilidade econômica, inflação e falências bancárias levam os consumidores a preferirem dinheiro para proteção. CAPRI encontrado que aproximadamente 45% dos assalariados jamaicanos pesquisados ​​recebiam salários em dinheiro ou cheque, apesar de terem contas bancárias.

Este mês, o PYMNTS analisa as barreiras ao banco digital na América Central e no Caribe e como os inovadores de FinTech e FI estão trabalhando para superar essas barreiras em benefício das economias regionais.

Superando Barreiras à Adoção Digital

O primeiro passo para superar a antiga divisão entre as IFs e a comunidade é abordar os custos associados às transações digitais. Os fornecedores de POS cobram taxas mensais fixas para empresas e consumidores para aproveitar a tecnologia. Essas taxas, especialmente em pequenos pagamentos de consumidor a consumidor, podem facilmente impedir uma mudança de transações em dinheiro. As taxas de transação para cartões de débito ou crédito também os tornam mais caros e menos convenientes do que dinheiro. Reduzir esses custos de pagamento exige um esforço conjunto entre as instituições financeiras e o legislativo para melhorar a infraestrutura e tornar a tecnologia digital menos cara e mais fácil de adotar.

Um exemplo disso pode ser encontrado no México, que luta com baixos níveis de inclusão financeira e alto uso de dinheiro como muitos outros países latino-americanos. Para combater esses problemas, o Banco Central do México jogado fora CoDi, uma plataforma dedicada a estimular a transição para uma economia sem dinheiro, em 2019. A plataforma permite que os consumidores façam pagamentos gratuitamente através de códigos QR, Near Field Communication (NFC) e texto. Para incentivar a adoção, qualquer banco no México com mais de 3.000 contas deve oferecer CoDi. As autoridades mexicanas também estão introduzindo novos regulamentos FinTech destinados a permitir que os usuários criem contas remotas com mais facilidade ou armazenem dinheiro sem a necessidade de contas, como em carteiras digitais.

A única maneira de reduzir a desconfiança do consumidor em relação aos pagamentos digitais como um ramo do banco e do governo é demonstrar sua segurança e conveniência. As organizações precisam trabalhar juntas para repensar sua infraestrutura de tecnologia, como no exemplo da implementação de opções de pagamento sem contato no transporte público. Mais de 150 cidades ao redor do mundo têm adotado nesse processo, sendo pioneiros na solução de países da América Latina como Brasil, Colômbia, República Dominicana, Guatemala e México. A partir do momento que o consumidor começa a experimentar a facilidade de uso e segurança dessa tecnologia, principalmente no dia a dia de pegar o ônibus, fica mais fácil adotar os pagamentos digitais em outros ambientes.

Apesar dos desafios, o futuro do banco digital é brilhante

Tudo indica que é possível e provável aumentar a adoção digital na América Central e no Caribe. No Brasil, por exemplo, os pagamentos ao consumidor feitos por meio da plataforma de pagamento ACH em tempo real do banco central, Pix, são crescente a uma taxa constante. Da mesma forma, o programa de compensação automatizada em tempo real (ACH) do Banco Central da Costa Rica, SINPE Móvil, cresceu 25% por trimestre em 2021. Esses sucessos estão catalisando o aumento de plataformas de pagamento instantâneo comparáveis ​​em outros países. da América Latina, incluindo Argentina , Colômbia e México.

Há um efeito cascata à medida que o mundo entra na onda da digitalização, mesmo em regiões centradas em dinheiro. A gigante global de crédito Visa, por exemplo, descobriu que os titulares de cartões na América Latina e no Caribe criado suas transações digitais em 55% durante a temporada de férias de 2021 em comparação com 2020.

Aumentar a conscientização sobre os benefícios dos pagamentos digitais e criar ferramentas que facilitem a adoção para consumidores e comerciantes na região é uma obrigação. Os inovadores de FI e FinTech que adiam esses desafios podem correr o risco de desacelerar o crescimento de suas economias.

You May Also Like

About the Author: Jonas Belluci

"Viciado em Internet. Analista. Evangelista em bacon total. Estudante. Criador. Empreendedor. Leitor."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.