Bergamo, Itália, enfrenta escassez de caixões

JBr.

MILÃO, 24 DE MARÇO (ANSA) – A província de Bergamo, a mais afetada pela nova pandemia de coronavírus (Sars-CoV-2) na Itália, vive com a escassez de caixões devido ao grande número de mortes na emergência sanitário.

O funcionário de uma funerária provincial disse ao jornal Eco di Bergamo “que ele trabalha” 12 a 14 horas por dia, sem sequer parar para comer “.

“Não é fácil encontrar caixões. Nos últimos dias, solicitamos uma quantidade, mas a empresa veneziana não pôde entregá-los. Então, nós os pegamos com uma van. Dos 60 caixões encomendados, eles nos deram apenas 30. Estamos em colapso ”, afirmou.

Segundo o funcionário, uma família veio esperar a casa funerária por 14 horas. “Quando a morte ocorre no hospital, os corpos são colocados em bolsas pretas e permanecem lá por alguns dias antes que possamos pegá-los”, disse ele.

O presidente de uma associação que reúne os diretores funerários de Bergamo, Antonio Ricciardi, disse que as empresas já estão se preparando para suspender as atividades. “Depois de resistir por mais de 20 dias e depois de começar a contar os mortos, as empresas foram forçadas a ter opções em princípio. Os trabalhadores do setor não são examinados, não há equipamentos de proteção individual “, declarou.

A província concentra 6.471 dos 63.927 casos do novo coronavírus na Itália, o que representa 10% do total. Nas últimas semanas, fotos de caminhões militares alinhados para transportar corpos de Bergamo para outras regiões da Itália viajaram pelo mundo.

Além disso, Eco di Bergamo, que costumava publicar até duas páginas de obituários em suas edições, agora aloca mais de 10 para acomodar todos os mortos. (ANSA)

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.