Biden e Bolsonaro realizarão extensas conversas na Cúpula das Américas

WASHINGTON, 1º Jun (Reuters) – As primeiras conversas formais do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, com seu colega brasileiro, Jair Bolsonaro, cobrirão uma ampla gama de tópicos quando se reunirem na Cúpula das Américas na próxima semana, incluindo a insegurança alimentar, mudanças climáticas e recuperação de a pandemia. disse a Casa Branca na quarta-feira.

O principal assessor de Biden para a América Latina, Juan González, confirmou que os dois se encontrarão em Los Angeles. Questionado se Biden expressaria preocupação com o questionamento de Bolsonaro sobre o sistema eleitoral do Brasil, ele disse apenas que os Estados Unidos “têm confiança nas instituições eleitorais do Brasil que provaram ser fortes”.

Depois de sinalizar que poderia pular a cúpula, Bolsonaro disse na semana passada que compareceria e encontraria Biden nos bastidores, apesar do que chamou de “congelamento” nas relações EUA-Brasil desde que Biden assumiu o cargo em janeiro de 2021.

Inscreva-se agora para ter acesso ilimitado e GRATUITO ao Reuters.com

O presidente brasileiro, populista de direita e admirador do ex-presidente dos EUA, Donald Trump, foi um dos últimos líderes mundiais a admitir a derrota eleitoral de Trump em 2020, depois que Trump fez falsas alegações de fraude.

Bolsonaro fez repetidas manifestações de dúvidas sobre o processo eleitoral no Brasil antes das eleições de outubro, sem fornecer provas. Isso levantou preocupações de que ele pode não aceitar a derrota se for derrotado pelo rival de esquerda Luiz Inácio Lula da Silva, que lidera as pesquisas de opinião. consulte Mais informação

“A questão das eleições brasileiras é realmente decidida pelos brasileiros”, disse Gonzalez em entrevista coletiva para antecipar a agenda da cúpula.

Ele disse que as conversas entre Biden e Bolsonaro abrangerão um amplo espectro de questões bilaterais e globais “dada a importância da relação entre os Estados Unidos e o Brasil”.

“Há uma lista muito longa de tópicos que serão discutidos”, disse González.

Biden enviou seu assessor especial para a Cúpula das Américas, o ex-senador Chris Dodd, ao Brasil na semana passada para convencer Bolsonaro a participar da reunião, que os Estados Unidos estão sediando pela primeira vez desde sua sessão inaugural em 1994.

A oferta de um encontro bilateral com Biden ajudou a conquistar Bolsonaro, segundo pessoas a par do assunto.

O presidente mexicano Andrés Manuel López Obrador e alguns outros estão ameaçando boicotar a menos que Cuba, Venezuela e Nicarágua sejam convidados. Mas a presença de Bolsonaro garante a participação da nação mais populosa da América Latina em uma cúpula que Washington espera que ajude a reafirmar a influência dos EUA na região.

Bolsonaro reclamou na quinta-feira que Biden o ignorou em uma cúpula do G20 no ano passado e sugeriu que era por causa de sua idade de 79 anos.

Inscreva-se agora para ter acesso ilimitado e GRATUITO ao Reuters.com

Reportagem de Matt Spetalnick em Washington e Daina Beth Solomon na Cidade do México, reportagem adicional de Katharine Jackson, edição de Rosalba O’Brien

Nossos padrões: Os Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.