Bitcoin Vault (BTCV) – Porque é que a descentralização da mineração cripto é importante

A supervisão central não é bem-vinda no sector das criptomoedas. Os utilizadores são livres de chegar a um consenso e seguir as regras sem estarem sujeitos às normas superiores. Naturalmente, este mesmo espírito de descentralização está presente na mineração cripto. No entanto, a rápida evolução da mineração está a desencadear discussões sobre a segurança da rede. A Bitcoin Vault é um excelente exemplo de um projeto que recuou devido a questões de segurança e que está atualmente a regressar através de uma maior descentralização.

Imagine um sistema sem uma entidade central que controla tudo. No entanto, todos os participantes da rede concordam em seguir regras protocolares específicas, têm o privilégio de estabelecer regulamentos e iniciar melhorias graças à sua natureza de “open-source” (código aberto). Democracia na sua forma pura, mas executada em terrenos virtuais.

A ideia de descentralização

A descrição acima encaixa tão perfeitamente no espaço das cripto que até tem um nome: descentralização. Evidentemente, não significa que o espaço das cripto seja uma zona sem regulamentação. Os utilizadores devem obedecer a certas regras. Em termos de criptomoeda e blockchain, os participantes não podem alterar as regras de protocolo ou manipular dados do blockchain.

Mas há um outro lado da moeda. A descentralização significa que os dados são armazenados em múltiplos dispositivos distribuídos por todo o mundo e ligados à rede. Previne os utilizadores contra os perigos de encontrar um problema que poderia danificar todo o sistema. Algo desta natureza é conhecido como um único ponto de falha, ou abreviado em Inglês “SPOF”.

Cresceu com a Bitcoin

A ideia de um sistema descentralizado surgiu com sucesso através da criação da Bitcoin. Não deve passar despercebido que o início foi muito promissor. À medida que o conceito de uma rede blockchain descentralizada ganhou popularidade entre os membros da comunidade, um número crescente de programadores começou a atualizar o protocolo. Todos trabalharam em conjunto, correspondendo à ideia de união de esforços.

O mesmo aconteceu com a mineração. Na fase inicial da Bitcoin, a mineração cripto estava totalmente descentralizada, com as pessoas a minerarem com êxito a partir de casa, com os seus computadores pessoais. A rede funcionava de forma fiável e a segurança era mantida. Mas à medida que o conceito se foi desenvolvendo, uma discussão sobre uma maior descentralização da mineração tornou-se mais frequente.

De acordo com a crescente importância da Bitcoin, a indústria da mineração tem vindo a tornar-se um grande negócio ao longo do tempo. As empresas começaram a construir amplas instalações cheias de máquinas ASIC, equipamento concebido especificamente para a mineração de criptomoedas. A principal característica de mineração do padrinho de todas as criptomoedas tornou-se gradualmente centralizada, uma vez que os maiores protagonistas teriam a maior parte da potência computacional.

Apesar de um aumento gradual da percentagem de hash da rede Bitcoin (um parâmetro auxiliar para reforçar a segurança da rede), a potencial tomada de controlo da maior parte da potência computacional tornou-se uma ameaça real. Um problema, neste caso um ataque de 51%.

O infame ataque de 51%

O Blockchain é como uma semente de uma nova comunidade. Todos os participantes estão de acordo sobre o estado atual de toda a rede. Aprovam as regras do protocolo e comprometem-se a segui-las. As operações descentralizadas mantêm este estatuto. É também importante que seja criada uma infraestrutura de rede blockchain para tornar impossível a qualquer entidade assumir o controlo da rede e consequentemente ajustá-la aos seus objetivos.

No entanto, a mineração é como uma criatura gigante sem corpo que nunca perde o seu apetite. O processo de mineração envolve vastas quantidades de electricidade e potência computacional. Os mineradores, que estão espalhados pelo mundo inteiro, estão constantemente a competir para resolver os puzzles matemáticos do bloco.

Contudo, acontece que quando a potência computacional não é adequadamente distribuída, pode haver uma tentação de obter mais de 50% de toda a potência computacional da rede. Algo como isto poderia ser feito por uma entidade ou organização. Ou no pior cenário, por um pirata informático com más intenções, através de um tipo de ataque especial, com o objetivo de comprometer a rede. Isso é apenas uma teoria, é o que pensamos. Mas não é bem assim.

Os danos podem ser graves

Um ataque de 51% é, por definição um potencial ataque vetorial à rede blockchain no qual os mineradores mal intencionados pretendem adquirir controlo sobre a potência computacional. Este tipo de delito pode levar a uma falha parcial das operações da rede. Além disso, o atacante ganharia a capacidade de manipular as transações e de falsificar os dados do blockchain: o pior cenário possível que ilustra alguns dos inconvenientes da descentralização.

Mas será que isto significa que a descentralização, que é o espírito da comunidade cripto e do blockchain, não é inteiramente viável? Não há uma resposta simples para isso. A necessidade fundamental é criar um espaço onde todos possam mover-se de uma forma descentralizada. Mas um passo demasiado grande pode ser um risco para toda a rede e para os seus membros.

Nesse caso, não deve ser uma surpresa que alguns criadores se afastem para se concentrarem melhor nos aspetos de segurança do seu projecto antes de voltarem para o caminho da descentralização. Um exemplo que ilustra bem isto é a história da Bitcoin Vault (BTCV).

Um pequeno passo atrás

Lançada em finais de 2019, a Bitcoin Vault foi desenvolvida para tratar de questões de segurança em torno de criptomoedas. A ideia era resolver estes problemas através da Solução de Segurança 3-Key, que dá aos utilizadores uma janela de 24 horas para reverter e cancelar transações se houver atividades não autorizadas ou erros simples. A Bitcoin Vault foi criada para proporcionar todas as conveniências da Bitcoin, acrescentando ao mesmo tempo funcionalidades essenciais que davam aos utilizadores mais poder e liberdade.

No entanto, no início de 2020, o blockchain da BTCV tornou-se o alvo de múltiplos ataques de 51%. A equipa enfrentou um dilema: entrar numa dispendiosa “guerra de hash” para evitar incursões de mineradores rivais ou concentrar-se puramente na codificação para entregar o projeto prometido. A decisão final consistiu em bloquear e centralizar a rede. Graças a isto, a equipa de desenvolvimento pôde entregar com segurança um produto totalmente funcional, alinhado com os seus objetivos.

De volta à descentralização

Os criadores disponibilizaram todas as funcionalidades da BTCV em Novembro de 2020. Depois de ter cumprido este marco, a equipa BTCV voltou ao bom caminho para a descentralização. O primeiro passo foi a recente parceria anunciada com a BTC.com. A Bitcoin Vault informou que estava a abrir parte da percentagem de hash para a pool de mineração BTC.com. Portanto, os utilizadores podem agora participar na mineração de BTCV.

A última notícia a provocar entusiasmo na comunidade cripto foi o anúncio da Binance Pool, de que se iria juntar à mineração de Bitcoin Vault (BTCV). O Binance Pool é uma parte essencial de todo o ecossistema Binance para melhorar a rentabilidade dos mineradores. Após a disponibilização da percentagem de hash para a Binance Pool, os criadores retêm atualmente 90% do controlo sobre as pools de mineração. De acordo com os promotores da BTCV, isto não é o fim e mais atividades estão a caminho. O objetivo é descentralizar ainda mais a sua rede até ao final de 2024. A equipa planeia libertar gradualmente a potência de hash para os parceiros externos de confiança, reduzindo o risco de futuros ataques à rede.

Esta história agridoce mostra que as boas intenções nem sempre se traduzem no resultado desejado. Mas mesmo os acontecimentos difíceis não devem arruinar as hipóteses de levar as ideias a bom termo. Quando se trata da BTCV, é justo dizer que a decisão de dar um passo atrás acabou por se revelar uma decisão estratégica vital para todo o projeto.

You May Also Like

About the Author: Manoel Menezes

"Analista hardcore. Viciado em Twitter. Comunicador. Jogador sutilmente encantador. Fã de bacon. Fanático por álcool irritantemente humilde."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *