Bluetooth SIG deseja criar um “rastreador COVID-19” para pulseiras inteligentes

ELE Google esta em maçã foi pioneira ao criar em conjunto o Sistema de Notificação de Exposição (ENS), um conjunto gratuito de aplicativos (API) que usa a tecnologia Bluetooth para “rastrear” casos positivos de smartphones COVID-19 e alertar os usuários se eles tiverem contato com alguém quem tem a doença. ELE ponto de referência Ele já está sendo usado em algumas aplicações governamentais, sendo o Reino Unido a nação mais recente a adotar tal sistema.

Por mais que a invenção seja altamente eficaz na prevenção da proliferação do vírus, ela tem um detalhe importante: a crise do novo coronavírus (SARS-CoV-2) atingiu até lugares onde uma parcela razoável da população não tem acesso a telefones celulares. . Pensando nisso, o Bluetooth Special Interest Group (SIG), consórcio responsável pela padronização da tecnologia, acaba de anunciar um plano muito interessante.

A entidade pretende criar um sistema oficial e universal semelhante ao ENS, mas projetado especificamente para dispositivos vestíveis, incluindo pulseiras inteligentes, que seriam muito mais acessíveis aos consumidores finais e poderiam até ser distribuídos gratuitamente se o governo assim o deseja (subsidiando sua fabricação.). Para tanto, foi criado um grupo de trabalho denominado Exposure Notification Working Group (ENWG).

“Existem vários grupos populacionais essenciais para gerenciar a propagação de doenças como COVID-19, com penetração de smartphones relativamente baixa, o que representa um desafio de cobertura para ENSs baseados em smartphones. Acreditamos que incluir dispositivos portáteis em um ENS seria um método muito eficaz para expandir seu alcance e apoiar esses grupos importantes ”, explica Elisa Resconi, professora envolvida em intervenções não farmacêuticas contra a doença.

Como funciona?

O primeiro rascunho das especificações técnicas deste novo sistema ainda está em desenvolvimento, mas o Bluetooth SIG já publicou uma prévia do seu funcionamento na prática. No exemplo divulgado pelo consórcio, uma mãe quer examinar seu filho, que é muito novo para ter um smartphone, que corre o risco de contrair a doença no ambiente escolar. Então, você compra uma pulseira inteligente e emparelha-a com seu próprio telefone celular.

Imagem: Divulgação / Bluetooth SIG

A criança passa o dia com o acessório, que se limita a trocar identificações únicas e aleatórias com outros usuários da mesma tecnologia. Todas essas alterações são registradas automaticamente na própria pulseira, desde que dois dispositivos vestíveis estejam próximos o suficiente para permitir a comunicação sem fio. Coincidentemente, a área de cobertura de um transmissor Bluetooth é semelhante à área de risco de contágio pelo COVID-19.

Imagem: Divulgação / Bluetooth SIG

No final do dia, quando o filho volta para casa, sua pulseira envia a lista de IDs interagidos para o smartphone da mãe. Essa sincronização também seria feita automaticamente, sempre que o wearable estiver próximo ao celular com o qual está pareado.

Imagem: Divulgação / Bluetooth SIG

Por último, um aplicativo verifica continuamente os IDs de usuário com resultado positivo para COVID-19. Se a criança interagiu com um desses identificadores, um alerta é emitido junto com as instruções médicas.

Imagem: Divulgação / Bluetooth SIG

O Bluetooth SIG, citando pesquisa recente da Universidade de Oxford, garante que a adoção de um ENS por pelo menos 60% da população pode ajudar a interromper permanentemente a disseminação do novo coronavírus. Vale lembrar, porém, que a criação de tecnologia é apenas o primeiro passo: há também o desafio de implementá-la em um produto acessível e projetar uma logística eficiente que estimule seu uso pelo público final.

Fonte: SIG Bluetooth

Gostou deste artigo?

Assine seu e-mail no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas novidades do mundo da tecnologia.

You May Also Like

About the Author: Manoel Menezes Kimura

"Analista hardcore. Viciado em Twitter. Comunicador. Jogador sutilmente encantador. Fã de bacon. Fanático por álcool irritantemente humilde."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *