Bolsonaro afirma na ONU que Brasil é ‘vítima’ de ‘campanha brutal de desinformação’ sobre a Amazônia e o Pantanal | Política

O discurso foi feito por meio de vídeo gravado. Devido à pandemia de Covid-19, a reunião da ONU deste ano, com base na sede da organização em Nova York, foi virtual.

O presidente também disse que:

  • UMA Selva amazônica está molhado e só pega fogo nas bordas
  • a responsável pelos fogos Eles são o ‘índio’ e o ‘caboclo’
  • ELE óleo derramado na costa Brasileiro em 2019 É venezuelano, foi vendido sem controle e conseguiu chegar à costa após o derramamento “criminoso”
  • Guias para as pessoas ficam em casa na pandemia ‘quase’ levou o país ao ‘caos Social’
  • O Brasil é um país cristão e conservador, e ‘Cristofobia’ deve ser combatida

Bolsonaro disse que o Brasil tem a “melhor legislação” sobre meio ambiente do mundo e que o país respeita as regras de conservação da natureza.

Para ele, a riqueza da Amazônia motiva as críticas que o país sofre na área ambiental. O presidente afirmou que entidades brasileiras e “impatrióticas” estão se juntando a instituições internacionais para prejudicar o país.

“Somos vítimas de uma das mais brutais campanhas de desinformação sobre a Amazônia e o Pantanal. A Amazônia brasileira é conhecida por ser muito rica. Isso explica o apoio de instituições internacionais a essa campanha apoiada por sombrios interesses que unem associações brasileiras, especuladores e impatriados, com o objetivo de prejudicar o governo e o próprio Brasil ”, disse Bolsonaro no vídeo.

Bolsonaro: ‘Nossa floresta é úmida e não permite a propagação do fogo dentro’

A gestão ambiental do governo brasileiro é um dos principais motivos das críticas que o país recebe da comunidade internacional. Desde o ano passado, entidades, países e personalidades têm desafiado as políticas ambientais do Brasil. Países europeus apontam o desmatamento no país como um entrave para a confirmação do acordo comercial Mercosul-União Européia.

O discurso de Bolsonaro foi feito no contexto dos intensos incêndios que assolaram o Pantanal nas últimas semanas. Em setembro, o bioma deteve o recorde de incêndios do mês. Na Amazônia, principal alvo de preocupação da comunidade internacional, os alertas de desmatamento aumentaram 34% de agosto de 2019 a julho de 2020, segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Em seu discurso, Bolsonaro disse que a floresta amazônica é úmida. Por isso, segundo ele, o fogo não se espalha dentro da floresta. Segundo o presidente, os incêndios ocorrem apenas nas margens da Amazônia e são executados por “índios” e “caboclos”.

“Nossa floresta é úmida e não permite a propagação do fogo por dentro. Os incêndios ocorrem praticamente nos mesmos locais, no ambiente oriental da floresta, onde o caboclo e o índio queimam seus campos em busca de sua sobrevivência, em áreas já desmatadas. Os surtos de crimes são combatidos com rigor e determinação ”, continuou o presidente.

No Pantanal, Bolsonaro disse que as causas dos incêndios são as altas temperaturas da região e a concentração de matéria orgânica no solo.

“Nosso Pantanal, com área maior que muitos países europeus, assim como a Califórnia, sofre dos mesmos problemas. Grandes incêndios são consequências inevitáveis ​​das altas temperaturas. somado ao acúmulo de massa orgânica em decomposição ”, argumentou o presidente.

Bolsonaro disse ainda que mantém uma “atitude de tolerância zero em relação aos crimes ambientais”.

Ele reiterou, como fizeram os governantes, que o fato de o Brasil ser uma potência do agronegócio motiva informações distorcidas sobre o meio ambiente do país.

“O Brasil está despontando como o maior produtor de alimentos do mundo. Por isso, há muito interesse em divulgar informações errôneas sobre nosso meio ambiente”, argumentou.

Veja o discurso completo do presidente Jair Bolsonaro na Assembleia da ONU

Veja o discurso completo do presidente Jair Bolsonaro na Assembleia da ONU

Veja outros pontos do discurso de Bolsonaro:

Logo no início do discurso, Bolsonaro disse lamentar “cada morte” de Covid-19. O Brasil é o segundo país com mais mortes pela doença e o terceiro com maior número de infectados, de acordo com a US Johns Hopkins University.

Ele reiterou em seu discurso uma de suas principais frases sobre a pandemia: que sempre defendeu ações para preservar a saúde das pessoas e combater os efeitos econômicos da crise do coronavírus.

“Desde o início avisei, no meu país, que tínhamos dois problemas para resolver: o vírus e o desemprego, e que ambos deviam ser tratados simultaneamente e com a mesma responsabilidade”, disse o presidente.

Desde o início da pandemia, Bolsonaro critica as medidas de isolamento social e restrição à circulação de pessoas, apontadas pelas autoridades de saúde em todo o mundo como as mais eficazes na prevenção de infecções e mortes por Covid-19.

Na ONU, Bolsonaro disse que a imprensa do Brasil “politizou” o vírus e que as medidas de isolamento “quase” levaram o país ao “caos social”.

“Como já aconteceu em grande parte do mundo, uma parte da imprensa brasileira também politizou o vírus, semeando o pânico entre a população. Sob o lema ‘fica em casa’ e ‘a economia que veremos depois’, quase trazem o caos social para o país ”, disse o presidente.

Ele defendeu medidas governamentais de combate à pandemia, como ajuda emergencial, aprovada pelo Congresso para ajudar trabalhadores que perderam renda com a crise do coronavírus.

Bolsonaro apelou à comunidade internacional para combater o que chamou de “cristofobia”. Ele também pregou a defesa da liberdade religiosa. Bolsonaro não mencionou nenhuma outra religião além do cristianismo.

“Apelo a toda a comunidade internacional pela liberdade religiosa e pela luta contra a ‘cristofobia’”, disse ele.

O presidente fez a declaração no momento em que falava de liberdade e ordem democrática.

Bolsonaro afirmou que o O Brasil é um “país cristão e conservador e é baseado na família. ”

Ainda na questão ambiental, Bolsonaro qualificou de “criminoso” o vazamento de óleo que atingiu a costa brasileira no ano passado. O óleo filtrado, segundo ele, é venezuelano e foi “vendido sem controle”.

“Em 2019, o Brasil foi vítima de um criminoso derramamento de óleo venezuelano, vendido de forma descontrolada, causando sérios danos ao meio ambiente e às atividades de pesca e turismo”, disse o presidente.

Ele afirmou ainda que o Brasil considera importante respeitar a liberdade de navegação, mas que “as normas de proteção ambiental devem ser respeitadas e os crimes investigados com agilidade”.

Em agosto, um ano após o maior derramamento de óleo no país, a Marinha do Brasil concluiu a primeira parte das investigações sem identificar os responsáveis ​​e sem revelar a origem exata do derramamento que atingiu o litoral de nove estados do Nordeste e dois do Sudeste. . , totalizando 130 municípios.

De acordo com a investigação, foi confirmado que o petróleo é de origem venezuelana, o que não significa que tenha sido lançado por navios ou empresas daquele país.

No campo das relações internacionais, Bolsonaro declarou seu apoio ao plano de paz do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, para Israel, apresentado em janeiro deste ano.

A iniciativa é uma tentativa de resolver o conflito entre israelenses e palestinos. O plano afirma que dois estados seriam formados, mas com a soberania de Israel sobre grande parte do vale do rio Jordão. O território cobre partes da Cisjordânia, uma região que tem uma maioria palestina e é reivindicada como parte do Estado palestino.

“O Brasil também saúda o Plano de Paz e Prosperidade lançado pelo presidente Donald Trump, com uma visão promissora de, após mais de sete décadas de esforços, retornar ao caminho da tão desejada solução para o conflito israelo-palestino”, disse. Bolsonaro.

O presidente também demonstrou seu apoio aos acordos negociados pelo presidente dos Estados Unidos entre Israel e os Emirados Árabes Unidos e entre Israel e Bahrein. Os Emirados Árabes Unidos e Bahrein são países árabes do Golfo Pérsico. Os acordos prevêem a normalização das relações diplomáticas entre as partes. Os palestinos se opõem a essa abordagem.

“Os acordos de paz entre Israel e os Emirados Árabes Unidos e entre Israel e Bahrein, três países amigos do Brasil, com os quais ampliamos muito nossas relações durante meu governo, constituem uma excelente notícia”, disse Bolsonaro.

O presidente disse ainda que o país está aberto ao desenvolvimento de tecnologia de ponta, como o 5G, “com qualquer parceiro que respeite a nossa soberania, valorize a liberdade e a proteção de dados”.

5G é o sinal de internet móvel de quinta geração, prometendo uma conexão dez vezes mais rápida que o 4G atual.

O processo de implantação da nova tecnologia acabou se transformando em mais um capítulo da guerra comercial entre China e Estados Unidos.

Bolsonaro deu a declaração ao falar sobre o impacto da crise causada pelo novo coronavírus. Segundo ele, “a pandemia deixa a grande lição de que não podemos depender de poucas nações para a produção de insumos e meios essenciais para nossa sobrevivência”.

O presidente disse que o Brasil tem sido uma referência internacional na área de direitos humanos pelo empenho e dedicação no apoio das Forças Armadas aos refugiados venezuelanos que chegam ao estado de Roraima.

“A Operação Boas-vindas, chefiada pelo Ministério da Defesa, recebeu quase 400 mil venezuelanos deslocados pela grave crise política e econômica gerada pela ditadura bolivariana”, afirmou. Jair Bolsonaro não mencionou outras ações voltadas para a promoção dos direitos humanos.

Bolsonaro disse que o Brasil está comprometido com os princípios da Carta das Nações Unidas de paz e segurança internacional, cooperação entre as nações, respeito aos direitos humanos e liberdades fundamentais para todos e que o país renova seu compromisso e fidelidade a esses ideais.

De acordo com o presidente, o Brasil já participou de mais de 50 operações de paz e missões semelhantes, tendo contribuído com mais de 55 mil soldados, polícias e civis em países como Angola, Timor Leste, Haiti, Líbano e Congo.

“A paz não pode ser dissociada da segurança. A cooperação entre os povos não pode ser dissociada da liberdade. O Brasil tem os princípios da paz, cooperação e vigência dos direitos humanos inscritos na sua própria Constituição, e tradicionalmente contribui, na prática, para a concretização desses objetivos ”, afirmou Bolsonaro.

Organização Mundial do Comércio

Bolsonaro defendeu a reforma da Organização Mundial do Comércio (OMC), para que a entidade apresente “disciplinas adaptadas às novas realidades internacionais”.

O principal objetivo da OMC é fortalecer o sistema multilateral de comércio e reduzir as barreiras entre os países. O órgão tem sofrido intensas críticas, principalmente do governo dos Estados Unidos em relação às disputas com a China.

“Reafirmo nosso apoio à reforma da Organização Mundial do Comércio, que deve fornecer disciplinas adaptadas às novas realidades internacionais”, disse Bolsonaro.

O presidente disse ainda que continua comprometido com a conclusão dos acordos comerciais firmados entre o Mercosul e a União Européia e com a Associação Européia de Livre Comércio.

“Esses acordos têm cláusulas importantes que reforçam nossos compromissos com a proteção ambiental”, afirmou.

Segundo ele, em seu governo, o Brasil “abandona uma tradição protecionista e passa a ter nas trocas a abertura da ferramenta indispensável para o crescimento e a transformação”.

Veja mais vídeos sobre o discurso de Jair Bolsonaro na ONU:

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa Esteves

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *