Bolsonaro dá um passo para trás e diz que vai acusar empresas de importar madeira, não países 19/11/2020

Depois de dizer que iria revelar lista de países que compram madeira ilegal do Brasil, Presidente Jair Bolsonaro (sem festa) deu um passo para trás e disse que nomearia empresas estrangeiras que estariam importando o material de forma irregular.

“Não vamos acusar nenhum país de cometer um crime ou de conspirar com um crime, mas temos nomes de empresas que fazem isso e podem estar nos ajudando a combater esse crime”, disse Bolsonaro durante uma transmissão ao vivo semanal nas redes sociais.

O presidente ainda não revelou os nomes das empresas que estariam envolvidas na prática ilegal. Questionado pelo jornalista Augusto Nunes se a polícia sabe qual é a “quantidade de madeira extraída ilegalmente comprada por empresas francesas”, Bolsonaro classificou o país europeu como um “concorrente de matérias-primas” e acrescentou:

“O grande problema para avançarmos no acordo da União Européia com o Mercosul é justamente a França. Estamos fazendo o que podemos, mas a França, em sua própria defesa, é um obstáculo para nós ”.

Marinha fará barreiras, diz Bolsonaro

“Temos a quantidade de madeira que é exportada por ano”, começou Bolsonaro. “Só neste contexto, vemos que nem tudo sai da área de gestão. A Marinha do Brasil vai entrar em cena porque toda a madeira ilegal sai pelo rio. Você pode construir barreiras e controlar o movimento dessa madeira: tudo o que é legal acontece. “

Para Bolsonaro, assim que o Brasil chegar a um “bom prazo nessa questão”, o desmatamento vai diminuir drasticamente. “É o que queremos.”

A informação teria sido obtida em busca da Polícia Federal. Durante o show ao vivo, junto com Bolsonaro, o delegado Saraiva explicou que o método para descobrir a origem da madeira usa três tecnologias diferentes: isótopos estáveis, uma espécie de DNA que mostra a origem geográfica dos produtos, além do DNA e da assinatura química Da madeira. .

“Jogo econômico”

Bolsonaro definiu as críticas que vem recebendo como um “grande jogo econômico”. Segundo o presidente, os países querem chegar ao Brasil porque é uma potência agroindustrial. “Eles certamente querem reduzir a competição. Isso torna o comércio doméstico de commodities ainda mais fácil.”

O presidente destacou que em 2021 a Inglaterra realizará a Cúpula das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas. “É o cartão de visitas que a Inglaterra está apresentando. Além disso, vai haver política e o Brasil é o país que mais sofre com isso”.

Atrito com países estrangeiros

Anteontem, durante a cúpula do BRICS, o presidente Bolsonaro havia ameaçado entregar uma lista de países que compram madeira ilegal. Um movimento que pode aprofundar ainda mais a crise diplomática com os países europeus.

A questão ambiental é o maior ponto de atrito diplomático entre o governo brasileiro e outros países. No ano passado, o presidente francês Emmanuel Macron chamou os incêndios na Amazônia de “crise internacional” o que provocou a fúria de Bolsonaro. Alemanha, que é um dos maiores doadores do Fundo Amazônia, congelou a transferência com a Noruega.

Bolsonaro quer usar essa lista para culpar esses países pelo desmatamento nas florestas brasileiras. “Nos próximos dias estaremos revelando países que importaram madeira extraída ilegalmente da Amazônia. E alguns desses países são os maiores críticos do meu governo com relação a essa região amazônica”, disse o presidente. Porque então estaremos mostrando que esses países, alguns deles que nos criticam muito, têm em parte responsabilidade nessa questão ”.

No entanto, Bolsonaro não sabe que seu governo redução da fiscalização das vendas ilegais de madeira. Segundo a Folha, dois gabinetes internos do presidente do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), Eduardo Fortunato Bim, aumentaram a recirculação de madeira ilegal no Brasil e aumentaram as possibilidades de exportação irregular de madeira de espécies ameaçadas. extinção.

Vice-presidente Hamilton Mourão tentou suavizar a ameaça de Bolsonaro, dizendo que se referia a “empresas estrangeiras” e não a nações. Não é o país, é a empresa. O presidente deixou claro que são as empresas, ele deixa bem claro ”, disse Mourão, que coordena o Conselho da Amazônia.

No mesmo dia, o deputado Eduardo bolsonaro (PSL) publicou imagens que, segundo ele, mostram a madeira extraída ilegalmente do Brasil. Você pode ver os nomes de sete países: Bélgica, Reino Unido, Dinamarca, Holanda, França, Portugal e Itália.

“Como a maioria vai para a Europa, onde muitos países estão preocupados com o desmatamento nas florestas brasileiras, esperamos que eles cooperem fortemente para evitar a compra desses materiais”, escreveu o deputado no redes sociais.

Uma operação de Arquimedes da Polícia Federal iniciada em 2017 apreendeu 120 contêineres com 2.400 m³ de madeira derrubada ilegalmente que seriam vendidos para Alemanha, Bélgica, Dinamarca, França, Itália, Holanda, Portugal e Reino Unido.

Pressão internacional

A política do governo federal na região amazônica tem gerado pressões de países como a França. Em 2019, o presidente francês Emmanuel Macron acusou diretamente o Bolsonaro, o que criou tensão na relação entre os governos.

O problema surgiu com a escolha de Joe Biden para a presidência dos Estados Unidos. Embora não tenha parabenizado e reconhecido a vitória do democrata, Bolsonaro se referiu à mudança na Casa Branca com preocupação com as pressões que o Brasil pode sofrer com o novo governo dos Estados Unidos, que tem como uma de suas principais bandeiras a preservação e o crescimento ambiental . sustentável.

“Estados se comprometeram e também atuam em matéria de emissão de carbono. Uma questão muito particular no Brasil, dados os ataques injustificados que sofremos com relação à região amazônica”, disse Bolsonaro no discurso da Cúpula.

Durante a campanha nos Estados Unidos, Joe Biden sugeriu que poderia destinar 20 bilhões de dólares para investimentos para proteger a Amazônia, com algumas condições. O presidente Bolsonaro não aprovou a ideia, mas o embaixador brasileiro Nestor Forster nos Estados Unidos disse que seria uma ajuda bem-vinda.

Nesse debate em 30 de setembro, Biden também disse que haveria retaliação econômica se Bolsonaro continuasse permitindo a destruição da floresta amazônica. Até setembro de 2020, o Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) cadastrou 76.030 focos de incêndio na Amazônia. É mais do que em quase todos os anos anteriores.

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira Bezerra

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *