Bolsonaro diz que é ‘proibido’ falar em Renda Brasil e diz que o Bolsa Família vai continuar | Política

Presidente Jair Bolsonaro Ele disse nesta terça-feira (15) que em seu governo “é proibido” falar em Renda Brasil e que o programa Bolsa Família continuará em vigor.

Renda Brasil chegou a ser discutida no governo como programa de assistência social em substituição ao Bolsa Família. A intenção era aproveitar a experiência do socorro emergencial, que termina no final do ano, e criar um programa que valorize o benefício do Bolsa Família.

No entanto, Bolsonaro e a equipe econômica não chegaram a acordo sobre os cortes nos gastos públicos que deveriam ser feitos para financiar o novo programa, que estava saindo suspensão da criação da Renda Brasil.

Em uma entrevista com G1 neste domingo (13), o secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, disse que a equipe econômica passou a estudar o congelamento de benefícios como pensões e pensões. Outra medida disputada foi a redução do seguro-desemprego.

Comentando sobre o assunto na terça-feira, Bolsonaro disse que considerar tais ações é um “sonho”.

“E a última coisa, para fechar: até 2022, no meu governo, é proibido pronunciar a palavra Renda Brasil. Continuaremos com o Bolsa Família, ponto final”, disse Bolsonaro em vídeo postado em seu perfil no Facebook.

“Congelar pensões, cortar ajudas a idosos e pobres com deficiência, sonho de alguém desligado da realidade”, acrescentou o presidente.

Bolsonaro disse ainda que vai dar “cartão vermelho” a quem, dentro do governo, lhe apresentar propostas de congelamento de pensões ou redução de benefícios.

“Para quem vier me propor uma medida dessas, só posso dar cartão vermelho a essa pessoa. São pessoas que não têm o menor coração, a menor compreensão. [sobre] como vivem os aposentados no Brasil ”, disse Bolsonaro.

Entrevista com secretário

Na entrevista com G1Waldery disse que uma das alternativas para viabilizar a Renda Brasil é separar as aposentadorias e pensões do salário mínimo e congelar os benefícios por dois anos.

A ideia evitaria, por exemplo, a correção automática do piso de aposentadoria e pensão, que hoje não pode ser inferior a um salário mínimo. A área econômica também defende que os maiores lucros estejam congelados no período.

“A desindexação que apoiamos diretamente é a de benefícios previdenciários para quem ganha um salário mínimo e acima do salário mínimo, sem regra simples e direta. [de correção]. O benefício hoje é de R $ 1.300, no ano que vem, ao invés de ser corrigido pelo INPC, ficaria em R $ 1.300. Não haveria redução, haveria manutenção “, disse Waldery na época.

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa Esteves

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *