Bolsonaro é alvo de nova denúncia no Tribunal Penal Internacional por suas ações contra a pandemia de coronavírus | Política

Os profissionais de saúde apresentaram uma representação criminal neste domingo (26) perante o Tribunal Penal Internacional (TPI) denunciando o desempenho do Presidente da República, Jair Bolsonaroantes da nova pandemia coronavírus.

A representação criminal é dirigida ao promotor chefe do Tribunal, Fatou Bensouda, e foi apresentada por uma coalizão sindical de trabalhadores da saúde. No entanto, a solicitação ainda precisa ser analisada e aceita. Procurado, o Procurador-geral federal (AGU) diz que só se manifestará após uma intimação.

No documento, os profissionais afirmam que o presidente cometeu crimes contra a humanidade por “falhas graves e mortais na conduta da pandemia de Covid-19”.

“A materialidade dos crimes cometidos está devidamente confirmada, pois se mostra que as ações e omissões do Presidente da República afetam seriamente a saúde física e mental da população, colocando-as em risco de um vírus altamente letal e com a capacidade de se espalhar sem controle, com risco de morte ou consequências irreversíveis. Esse comportamento irresponsável e ultrajante às diretrizes das autoridades internacionais de saúde, com a exposição de milhões de pessoas, é um crime contra a humanidade “, afirma a ação.

O TPI está localizado em Haia, na Holanda, e processa graves violações dos direitos humanos, como genocídio, crimes contra a humanidade e crimes de guerra.

O brasil tem 87.052 mortes de coronavírus confirmado até as 20h deste domingo, de acordo com uma pesquisa realizada pelo consórcio de veículos de imprensa das secretarias estaduais de saúde.

Segundo reportagem da BBC, Bolsonaro já é alvo de quatro outras representações criminais no tribunal. Três deles acusam o presidente de um crime contra a humanidade por suas ações diante da crise de saúde. O outro denúncia por “crimes contra a humanidade e atos que levam ao genocídio de comunidades indígenas e tradicionais” do país

Duas semanas atrás, o ministro Gilmar Mendes, o Supremo Tribunal Federal (STF), Bolsonaro reafirmou sobre o risco de o Brasil ser questionado no TPI pela política de combate ao coronavírus.

O grupo que apresentou a queixa é liderado pela Rede Sindical Brasileira UNISaúde. De acordo com a organização, suas entidades afiliadas representam mais de um milhão de profissionais de saúde de todas as regiões do país, tanto pública quanto privadamente, em 18 estados brasileiros e no Distrito Federal.

“No entendimento da coalizão, há indícios de que Bolsonaro cometeu um crime contra a humanidade durante seu governo em face da pandemia de Covid-19, tomando ações negligentes e irresponsáveis, que contribuíram para as mais de 80.000 mortes da doença em o país”. A primeira ação de iniciativa dos trabalhadores da saúde no Tribunal Internacional “, afirmou a Rede.

Os trabalhadores também citam o fato de que, em meio à pandemia, a O Ministério da Saúde está sem título há mais de dois meses.

Os autores da representação argumentam que Bolsonaro coloca e ainda coloca profissionais de saúde e toda a população em risco “, promovendo a aglomeração de seus apoiadores, abordando-os sem máscara e anunciando medicamentos, como a hidroxicloroquina, para os quais não há evidências científicas de sua eficácia contra a doença “.

A representação faz os seguintes pedidos ao tribunal:

  • receber representação para a abertura de um procedimento de investigação para a prática de um crime contra a humanidade e o consequente início de um processo criminal;
  • solicitar ao governo federal as informações necessárias sobre as reclamações apresentadas na ação;
  • pedir ao presidente Jair Bolsonaro que apresente evidências, sob pena de confissão, se ele recusar;
  • Após processo regular, tente a ação criminal e defenda o Presidente nas sanções que o Tribunal julgar apropriadas.

O Tribunal Penal Internacional investiga e processa pessoas acusadas de crimes que afetam uma sociedade e chocam a comunidade internacional, como genocídio, crimes de guerra, crimes contra a humanidade e crimes de agressão.

A Corte foi criada pelo Estatuto de Roma em julho de 1998 e entrou em vigor em julho de 2002, quando o país 60 entrou. O Estatuto de Roma é um tratado internacional, vinculativo apenas para os estados que expressaram formalmente seus direitos. consentimento, como é o caso no Brasil.

Segundo o TPI, “qualquer indivíduo, grupo ou estado pode enviar informações sobre supostos crimes sob a jurisdição do tribunal”. “Até o momento, o TPI recebeu mais de 12.000 dessas comunicações, que podem formar a base inicial das análises preliminares da empresa”.

“O TPI conduz um exame preliminar para decidir se existe uma base razoável para iniciar uma investigação”.

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa Esteves

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *