Brasil auto-isolante derruba presidente odiado

Brasil auto-isolante derruba presidente odiado

“Estamos vendo o mandato presidencial de Bolsonaro evaporar em tempo real”. – Brasil Wire 18/3/2020

O infame Panelaço, a forma de protesto em que as pessoas batem em panelas e frigideiras de suas janelas, com seus gritos e demandas ecoando de um prédio para outro, voltou ao Brasil. Os observadores da história sabem que isso geralmente não termina bem para o presidente.

A primeira onda de protestos ocorreu em 17 de março, inesperadamente, depois que o congressista Leandro Grass, do partido centrista Rede, pediu a remoção do presidente Bolsonaro.

Um dia depois, eles foram retomados à tarde durante a conferência de imprensa do governo Bolsonaro em Covid-19. Então, às 19h30, em Laranjeiras do Rio de Janeiro, um bairro com forte subcultura de esquerda, começou a se intensificar; antes das 20h30, o protesto explodiu em todo o país.

A última vez que aconteceu com alguma força foi durante a campanha para cobrar Dilma Rousseff.

O pedido de impeachment de Leandro Grass, entregue ao presidente do Congresso, Rodrigo Maia, descreveu várias crimes de responsabilidade (crimes e contravenções), do tipo que não foi encontrado para acusar Dilma. Em vez disso, ela foi controversa acusada de uma violação do orçamento que não envolve enriquecimento pessoal, uma medida que foi oficialmente legalizada dias após sua remoção e que foi usada por todos os presidentes antes e depois. Foi um castigo em busca de um crime.

As acusações contra Bolsonaro não poderiam ser mais diferentes: ele é acusado de atacar a Democracia do Brasil:

1 – Apoio público aos protestos de rua de 15 de março para encerrar o Congresso e a Suprema Corte.
2 – Declarar publicamente, sem oferecer qualquer evidência, que as eleições presidenciais de 2018 foram manipuladas por “comunistas” para impedir que ele vencesse no primeiro turno.
3 – Ataques pessoais públicos contra a jornalista Patricia Campos Mello que violam a legislação antisexualista do Brasil.
4 – Quebrando o decoro presidencial publicando um vídeo pornográfico em suas contas de mídia social presidencial durante o Carnaval de 2019.
5 – Tentativa de criar um feriado em comemoração ao golpe militar neofascista apoiado pelos EUA em 1964.

Levando em consideração os meios pelos quais Bolsonaro foi escolhido, as informações sobre as quais continua sendo divulgado, o segundo ponto é de particular interesse.

Há amplos motivos de impeachment há algum tempo. E os ventos da opinião pública agora sugerem que seria bem sucedido. No entanto, o fato de o processo de recall constitucional ter sido tão abusado no caso Dilma Rousseff deixa algo desconfortável com seu uso, mesmo neste caso extremo, e há profunda desconfiança de qualquer coalizão com aqueles que contribuíram para a difícil situação atual no Brasil. Figuras públicas que participaram ativamente do golpe de 2016, como os advogados Miguel Reale Jr. e Janaina Paschoal, que redigiram e apresentaram a acusação, agora reclamam publicamente de Bolsonaro. Reale Jr sugeriu que o presidente exija uma avaliação psiquiátrica urgente.

o Panelaço Como forma de protesto, tem uma longa história na América Latina e está associada aos movimentos burgueses e reacionários. Desta vez é diferente. Os bairros mais ricos e tradicionalmente conservadores do país estavam novamente entre os mais barulhentos e o Jornal Nacional, o principal jornal de notícias legitimamente difamado pela Globo, cobriu os protestos com uma sequência de vídeos de todo o país, de uma maneira que deixou poucas dúvidas sobre onde estava sua própria posição.

Mas o que torna esse caso diferente de 2015/16 é que o extremismo, incompetência e irracionalidade de Bolsonaro colocaram a esquerda brasileira, seus tradicionais conservadores tradicionais e os liberais econômicos mais moderados em uma coalizão aparentemente irreconciliável e temporária. , o consenso que promoveu o impeachment. Fernando Collor, em 1992, e definiu, embora desconfortavelmente, as duas décadas de estabilidade entre 1994 e 2014: as presidências de Fernando Henrique Cardoso e Lula e o primeiro mandato de Dilma Rousseff.

Com o desmantelamento do Brasil após 2016, especialmente as pessoas querem estabilidade e o desejo de que os “adultos na sala” recuperem o controle, é tão grande que gente como o líder da Câmara do Congresso, Rodrigo Maia, que vem do partido Democratas, herdeiro do partido Democratas. , eles parecem aliados. Nestes tempos, parece que os mendigos não podem escolher.

Desde antes de ser eleito, Bolsonaro havia sido ameaçado por um acerto automático encerrar o congresso e a suprema corte, semelhante ao que o peruano Alberto Fujimori fez na década de 1990. Ele chamou seus apoiadores para as ruas no domingo, 15 de março, para demonstrar com esses propósitos: efetivamente um retorno à ditadura, depois negado. Ao fazê-lo, publicaram vídeos dos protestos e até se juntaram a eles, quebrando sua própria quarentena dos Covid-19 no processo. Os protestos também recordaram as tentativas condenadas de Fernando Collor de salvar sua Presidência, quando também enfrentaram acusações de impeachment em 1992.

Em 10 de março, Bolsonaro deu uma entrevista coletiva na qual declarou que o Coronavírus era uma notícia falsa, uma “fantasia da mídia”.

Agora, a ameaça do fechamento do Congresso Covid-19 se aproxima, mas Maia insistiu que seus negócios continuariam remotamente, se necessário, e comentou que o último fechamento do Congresso resultou em uma ditadura de 21 anos. Dada a própria história do seu partido, isso por si só é notável. Em outros lugares, a coalizão mais moderada de Bolsonaro está desmoronando e perdeu a porcentagem significativa de seus eleitores que o fizeram simplesmente por causa da falsa promessa de reformas neoliberais proposta pelo ministro das Finanças, Paulo Guedes. Essa miragem desapareceu há muito tempo, com a moeda brasileira como o Real em um nível mais baixo de todos os tempos, e o crescimento do PIB estimado em 1-2%, mesmo antes do surto de Coronavírus. Agora, espera-se entrar em recessão, O JP Morgan previu uma queda de 10% no PIB do Brasil no segundo trimestre, mas é improvável que o público aceite a pandemia como a única causa.

O Brasil está passando por um momento extremamente perigoso. Sob a ameaça de uma catástrofe de saúde pública, ele enfrenta a possibilidade de uma restauração de sua democracia ou de uma nova descida ao autoritarismo. A balança não poderia ser mais delicadamente equilibrada.



Se você valoriza o trabalho que a Brasil Wire faz, ajude-nos a manter-se em funcionamento com uma doação. Nossa independência editorial depende do apoio de nossos leitores.

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa Esteves

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *