Brasil cancela convite a observadores da UE após objeção de Bolsonaro

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, fala durante uma cerimônia em Brasília, Brasil, 28 de abril de 2022. REUTERS/Andressa Anholete

Inscreva-se agora para ter acesso GRATUITO e ilimitado ao Reuters.com

BRASÍLIA, 3 Mai (Reuters) – O Tribunal Supremo Eleitoral (TSE) do Brasil retirou um convite para a União Europeia enviar observadores para as eleições de outubro depois que o governo do presidente Jair Bolsonaro se opôs, a UE e o Brasil confirmaram nesta terça-feira o órgão eleitoral.

O TSE, principal autoridade eleitoral do Brasil, disse à Reuters no mês passado que convidou a União Europeia pela primeira vez para observar as eleições gerais deste ano, quando Bolsonaro buscará a reeleição. consulte Mais informação

Dois dias depois, o Itamaraty se opôs, dizendo que o Brasil nunca teve suas eleições “avaliadas” por uma organização da qual não é membro.

Inscreva-se agora para ter acesso GRATUITO e ilimitado ao Reuters.com

O TSE disse em comunicado que considerou que “não estavam reunidas as condições necessárias para permitir uma missão abrangente de observação eleitoral” após conversas preliminares com autoridades da UE.

Bolsonaro questionou a validade do sistema de votação eletrônica do Brasil e fez acusações infundadas de fraude na corrida de 2018, levantando preocupações de que ele pode não aceitar os resultados das eleições de outubro.

A UE disse que recebeu uma carta convite do TSE em março para enviar uma equipe para explorar a “utilidade, conveniência e viabilidade” de ter uma missão de observação pela primeira vez no Brasil para as eleições.

“Entretanto, o TSE nos informou que não dará seguimento ao seu pedido a partir de março, devido a reservas expressas pelo governo brasileiro”, disse Peter Stano, porta-voz de Relações Exteriores da Comissão Europeia. “Nessas circunstâncias, não enviaremos uma missão exploratória ao Brasil para avaliar uma possível missão de observação da UE.”

O TSE informou que a Organização dos Estados Americanos (OEA) e o parlamento do bloco comercial sul-americano Mercosul confirmaram que enviarão missões. O Carter Center, com sede nos EUA, e a Fundação Internacional para Sistemas Eleitorais (IFES) também foram convidados a enviar observadores.

Pesquisas de opinião mostram o ex-presidente de esquerda Luiz Inácio Lula da Silva com uma vantagem confortável sobre Bolsonaro, embora sua liderança tenha sido corroída em pesquisas recentes.

Inscreva-se agora para ter acesso GRATUITO e ilimitado ao Reuters.com

Reportagem de Anthony Boadle e Ricardo Brito em Brasília e Jan Strupczewski em Bruxelas; editado por Barbara Lewis, Alexandra Hudson

Nossos padrões: Os Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.