Brasil para Smackover, uma viagem não tão longa

A estudante de intercâmbio Ingrid Reis deixou sua cidade natal de Salvador, Bahia, no Brasil, com uma população de 2,9 milhões de pessoas e mudou-se para sua nova cidade natal, Smackover, com uma população de 1.758.

Suas duas cidades natais não poderiam ser mais diferentes. Mas Reis encontrou uma coisa em comum: o vôlei.

Smackover começou seu primeiro programa de vôlei na primavera e está no meio de um programa de faculdade. Reis joga vôlei desde os 12 anos.

O 5-4 sênior é o levantador inicial do Lady Bucks.

“Acho que é uma boa equipe. Começamos muito bem. Não temos experiência, então, para o nosso primeiro ano, somos muito bons. Adoro jogar aqui”, disse Reis, que chegou ao Smackover em 10 de agosto para morar com a família anfitriã Chauna e Steven Edney.

“Adoro ficar na América agora. Eu não esperava jogar vôlei aqui. Não eram meus planos. Mas agora há uma equipe aqui. Tenho amigos aqui na equipe.”

A língua nativa de Reis é o português, mas seu inglês é surpreendentemente fluente. Ele teve algumas pequenas dificuldades em uma entrevista por telefone com o sotaque arrastado de um repórter do Arkansas, mas claramente havia estudado inglês no Brasil.

“É obrigatório. Tenho aulas de inglês na escola no Brasil, mas aprendi meu inglês assistindo Netflix”, ele riu.

“O sistema no Brasil é diferente. Copiamos algumas palavras e aprendemos as regras, mas não praticamos. Vir para os Estados Unidos está me ajudando a falar e ouvir. No Brasil, não fazemos muito.”

“Ela é muito extrovertida”, disse o técnico do Smackover, Dennis Steele. “Ela não gosta de ser esmagadora ao dizer às meninas o que fazer. Ela conversa com as outras meninas e fala inglês muito bem. Ela é uma boa garota.

Quanto a outras línguas, Reis disse: “Ele não é fluente, mas eu sei um pouco de espanhol”.

Ela também sabe vôlei. Reis é realmente mais fluida no esporte até do que seu treinador. Jogar com iniciantes pode ser mais desafiador do que qualquer barreira linguística teria sido.

“Quando o treinador Steele me pergunta sobre algo, eu respondo, mas não estou tentando ensinar ninguém porque, sei lá, algumas pessoas não gostam. Algumas pessoas não gostam disso, então não estou tentando ensinar ninguém. Mas, se alguém precisar de ajuda ou algo assim, eu ajudo”, disse Reis, que entende que o vôlei é novidade no Smackover.

“Eu não estou frustrado porque eles não sabem, porque eu sei que eles estão aprendendo.”

O Lady Bucks tem uma vitória nesta temporada. Steele tenta dar a todos da equipe tempo de jogo enquanto aprendem o jogo. As vitórias não são tão importantes quanto aprender a jogar. A chegada de Reis foi um presente dos céus.

“Ela é realmente uma porteira. Ele se sai melhor no time”, disse Steele. “Eu a movia muito tentando enganar outras crianças. Ela está sempre feliz, sempre sorrindo. Ele saca bem, mas seu posicionamento, rebatidas e cavadas são muito bons.”

Além do vôlei, o outro esporte favorito de Reis é o futebol, que não aparece no Smackover. Essa não é a única coisa brasileira que ele sente falta.

Pergunte a ele sobre a comida.

“Não, não, não, tão diferente”, disse ele. “Estou muito feliz porque aqui temos comida apimentada. Minha cidade é conhecida por pimentas. Minha pimenta no Brasil é mais quente do que aqui.”

E, claro, sua nova cidade natal é muito pequena, o que foi um ajuste.

“Minha cidade no Brasil é uma cidade enorme. é uma capital, é realmente diferente”, disse. “Na minha cidade temos três milhões de pessoas. Aqui está o quão pouco. É diferente. Eu gosto da experiência. Todas as pessoas conhecem todas as pessoas e sabem onde todas as pessoas vivem. É muito bom. Eu gosto dessa experiência.”

Para se divertir no Brasil, ela disse: “Saio com meu namorado e meus amigos. Nós gostamos de ir à praia. E também vamos a festas.”

No Smackover, “eu saio com meus outros amigos estudantes de intercâmbio. Eu também saio com meus pais. Gosto de jogar vôlei e conversar com meus amigos na escola.”

Para Reis, a comida no Smackover tem sido diferente. Algumas das aulas, segundo ela, são mais fáceis porque ela já fez os cursos em português.

No geral, porém, Reis não poderia estar mais feliz em sua nova cidade natal.

“As pessoas são muito receptivas. No Brasil temos uma visão da América. Vemos as pessoas como sérias e não como receptivas”, disse ele. “Mas, é diferente, muito diferente do que eu penso. As pessoas aqui são muito receptivas e legais, muito interessadas em aprender sobre o Brasil. É muito bom.”

You May Also Like

About the Author: Ivete Machado

"Introvertido. Leitor. Pensador. Entusiasta do álcool. Nerd de cerveja que gosta de hipster. Organizador."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.