Câmara aprova transferência de auxílio de R $ 600 para informal durante a pandemia

A Câmara dos Deputados aprovou uma transferência mensal de R $ 600 para trabalhadores informais e pessoas com deficiência que ainda aguardam na lista de espera do INSS até a concessão do Benefício de Pagamento Contínuo (BPC). No caso das prestadoras familiares femininas, a taxa de assistência emergencial será paga em dobro (R $ 1.200). Para começar a entrar em vigor, o texto ainda não foi considerado pelo Senado Federal.

Os valores serão pagos por três meses e podem ser estendidos pelo período de calamidade pública devido à nova pandemia de coronavírus.

O valor é superior aos R $ 300 que foram apoiados pelo governo no meio de negociações nos últimos dias. Inicialmente, a equipe econômica havia proposto um benefício de R $ 200 por mês. Mesmo com o consentimento do governo, o relator, o deputado Marcelo Aro (PP-MG), decidiu incluir o valor de R $ 500 no texto. No último minuto, ele anunciou um acordo fechado com o líder do governo na Câmara, o prefeito Vitor Hugo (PSL-GO), para aumentar o valor para R $ 600. “É a demonstração de que devemos dialogar, mesmo com divergências”, afirmou o prefeito Rodrigo Maia (DEM-RJ).

O assunto foi aprovado simbolicamente, sem contar os votos, mas por unanimidade, por indicação das partes durante a sessão virtual da Câmara. Nenhum destaque foi aprovado.

“Conseguimos esse avanço de R $ 500 por pessoa, que pode chegar a R $ 1.000 por família e, quando a mulher é prestadora de serviços, para garantir a dignidade da família. Portanto, nosso total apoio ao projeto ”, disse a presidente do MDB, Baleia Rossi (SP), no início da votação. “Este é um dia histórico para o parlamento brasileiro”, disse o líder do PSB, Alessandro Molon (RJ).

No início do dia, o prefeito Rodrigo Maia (DEM-RJ) estimou que o aumento de valor, que ainda era de R $ 500, poderia gerar um impacto adicional de R $ 10 bilhões a R $ 12 bilhões. “Mas em relação ao que o Brasil precisa investir, garantindo a sociedade brasileira, é muito pouco”, afirmou.

Com um valor de R $ 200, o governo estimou uma despesa de R $ 15 bilhões no caso de ajuda de emergência e R $ 5 bilhões para a antecipação do BPC. Com o mesmo escopo restante, as despesas aumentariam para R $ 45 bilhões e R $ 15 bilhões, respectivamente. No entanto, a diferenciação de mulheres chefes de família pode ampliar o impacto.

Também no projeto, Aro restaurou o acesso aos PCBs a famílias com renda de até R $ 261,25 por pessoa (um quarto do salário mínimo) em 2020, mas previu um aumento adicional desse limite para R $ 522,50 por pessoa ( meio salário mínimo) no próximo ano

O governo é contra essa mudança nos critérios do BPC, o que traria uma despesa adicional de R $ 20,5 bilhões no próximo ano. A despesa permaneceria pelos anos seguintes. Esse custo pode inviabilizar o teto de gastos, um mecanismo que limita o avanço dos gastos à inflação.

O Congresso já havia tentado implementar esse limite mais amplo, que na prática aumenta o número de famílias atendidas pela política, anulando o veto do presidente Jair Bolsonaro. Como a alteração seria válida para este ano, o Tribunal de Contas da União (TCU) condicionou a efetividade da medida a compensações, como cortes em outras despesas. Essa ação do tribunal de contas desencadeou a nova negociação do projeto no Congresso.

O projeto também inclui a proposta do governo de antecipar um salário mínimo (R $ 1.045) para aqueles que aguardam experiência médica para receber benefícios de doença. O projeto também isenta as empresas de pagar os primeiros 15 dias de licença de trabalho devido ao novo coronavírus. De acordo com o texto, as empresas não podem cobrar o valor devido pelo INSS, até o limite do limite máximo do regime geral (R $ 6 101,06).

A ajuda de emergência será operada por bancos públicos. Eles podem solicitar o benefício para maiores de 18 anos que não têm um emprego formal ou não recebem seguro social, assistência, seguro-desemprego ou estão cobertos por um programa federal de transferência de renda; a única exceção será o Bolsa Família.

Os beneficiários também devem ter uma renda mensal per capita de até metade do salário mínimo ou uma renda familiar mensal total de até três salários mínimos; em 2018, eles não podem receber renda tributável acima de R $ 28.559,70 e devem ser um microempreendedor individual (MEI), colaborador autônomo do Seguro Social ou estar registrado no CadÚnico até 20 de março.

No caso dos beneficiários do Bolsa Família, dois membros da mesma família podem acumular com assistência de emergência, que substituirá temporariamente o Bolsa se o valor for mais vantajoso.

Isenção de certificado médico para ausências de coronavírus aprovadas

A Câmara aprovou na quinta-feira 26, em sua segunda sessão de história virtual, um projeto que isenta o trabalhador infectado com coronavírus de apresentar um atestado médico para justificar a ausência e garantir o recebimento de salários. O objetivo é evitar a corrida aos hospitais para aqueles que apresentam sintomas leves, apenas procurando o certificado e conter a propagação do vírus. O assunto deve ser aprovado pelo Senado para se tornar lei.

A proposta, redigida pelo deputado Alexandre Padilha (PT-SP), garante a eliminação por sete dias, independentemente do atestado médico. No caso de quarentena imposta, o trabalhador pode apresentar, a partir do oitavo dia, um documento eletrônico regulamentado pelo Ministério da Saúde ou o documento da unidade de saúde do SUS.

You May Also Like

About the Author: Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *