Câmara Municipal de Cruzeiro aprova, com ressalvas, balanço de 2019 mostrando gap de R $ 394 milhões – Rádio Itatiaia

Foto: Reprodução / Youtube Cruzeiro

Em reunião extraordinária realizada na noite desta terça-feira, o Conselho Deliberativo do Cruzeiro aprovou, com ressalvas, o balanço financeiro do clube 2019, último ano da gestão do ex-presidente Wagner Pires de Sá e que registrou um prejuízo incrível de R $ 394 milhões. O déficit elevou a dívida total da Raposa para R $ 803 milhões.

Antes do início da votação, no salão principal do Parque Esportivo do Barro Preto, em Belo Horizonte, o presidente Sérgio Santos Rodrigues explicou que caso as contas fossem rejeitadas pelo Conselho Deliberativo, o clube seria sancionado com o corte de recebimento de verbas federais , pela Lei Pelé, e impossibilitaria o retorno do Cruzeiro ao Profut, programa criado em 2015 pelo governo federal que permite aos clubes parcelar dívidas tributárias.

“Vemos que várias manifestações estão sendo levantadas sobre uma possível desaprovação das contas que estão sendo apresentadas ao Conselho Deliberativo. A aprovação de contas não significa que concordamos com a qualidade das contas e que concordamos sobre como as despesas foram incorridas. Estamos tentando dizer que o que está escrito reflete como foi feita a despesa. Este é um grande problema técnico. E eu vou mais longe. A reprovação das contas, de acordo com a Lei Pelé, artigo 18-A, inciso F […], acarreta a pena de não podermos receber recursos federais e tornará nosso retorno ao Profut praticamente inviável. E estamos muito confiantes de que vamos voltar ”, disse ele.

“Então pedi licença ao presidente (do Conselho Deliberativo) Paulo Pedrosa, conversamos durante esta semana, para sugerir, sei que outros vão falar, que aprove as contas para que o Cruzeiro não seja penalizado, mas, obviamente, (aprove) com ressalva. Desistir de quê? Como foram feitas as despesas, o montante das despesas que são absurdas, mas não concordamos com essas despesas ”, acrescentou.

Mesmo assim, a aprovação das contas, com ressalvas, não foi unânime. Cinco vereadores não seguiram a sugestão do presidente e rejeitaram o saldo.

A reunião ficou tensa quando os conselheiros usaram da palavra. Alguns deles também pediram para votar pela exclusão de ex-dirigentes do governo anterior, o que foi rejeitado. Outros questionaram a continuidade no clube dos sócios que estavam no Conselho Fiscal no ano passado, quando houve um colapso econômico. As referências foram a Paulo César Pedrosa e Nagib Simões, que eram da agência em 2019 e afirmaram que nada havia de errado com as contas do então presidente Wagner Pires de Sá, que atualmente integra a diretoria do Conselho Deliberativo.

Outros números de balanço

O prejuízo de R $ 394 milhões é cinco vezes maior que o registrado em 2018, quando a Raposa teve prejuízo de R $ 73,8 milhões.

As contas do ano passado foram auditadas por Moore. No relatório, a corporação diz que há “dúvidas sobre a capacidade do clube de continuar operando” diante dos “déficits consecutivos apresentados”.

A receita líquida do Cruzeiro caiu no ano passado, atingindo R $ 280.799.767 contra R $ 329.118.994 em 2018. Ao mesmo tempo, os gastos com futebol, clubes sociais e esportes amadores saltaram de R $ 327.262.691 em o saldo anterior. até R $ 477.230.065. Aumento de R $ 150 milhões.

Em relação à receita operacional bruta, o Cruzeiro registrou queda em quase todos os itens em relação ao ano anterior: passou de R $ 190,7 milhões para R $ 105,7 milhões (publicidade e veiculação de televisão), uma redução de R $ 32 , 5 milhões para R $ 18,1 milhões (patrocínio / royalties), redução de R $ 23,9 milhões para R $ 18,3 milhões (bilheteria), redução de R $ 23,1 milhões para R $ 14,1 milhão (colaborador-colaborador). Apenas a cobrança com direitos patrimoniais / cessão temporária de jogadores foi maior: R $ 108,1 milhões contra R $ 45,9 milhões. A rubrica denominada “outras receitas” também apresentou superávit em relação a 2018: R $ 3 milhões contra R $ 2,5 milhões.

Também chama a atenção o gasto com salários no clube. Os valores praticamente dobraram de 2018 para 2019. Há dois anos, o Cruzeiro desembolsou R $ 26,5 milhões com vencimentos. Na temporada passada, os custos foram de R $ 50,4 milhões. Somando férias e encargos trabalhistas e rescisão de contratos de parcelamento, o clube gastou R $ 62,6 milhões no total, ante R $ 30,4 milhões em 2018.

No balanço, Moore faz várias considerações citando o reajuste salarial no clube, deixando a diferença no pagamento dos salários dos jogadores para 2021, a nova pandemia do coronavírus, que afetou a renda, obtendo a medida cautelar que garantia a volta ao Profut (que acabou tombado), a investigação da Polícia Civil e do Ministério Público contra ex-dirigentes, e o laudo de investigação da consultoria Kroll que elevou os gastos na gestão de Wagner Pires de Sá.

Por fim, Moore ressalta que há reservas no balanço, uma vez que os R $ 27 milhões apresentados como despesas com treinamento de atletas não apresentaram “evidências suficientes e adequadas”. Em outro ponto, a empresa aponta que R $ 32,9 milhões relativos à desvalorização de valores de atletas profissionais, referentes a anos anteriores, deveriam ter sido corrigidos por “representação retrospectiva”.

You May Also Like

About the Author: Gabriela Cerqueira Corrêa

"Solucionador de problemas do mal. Amante da música. Especialista certificado em cultura pop. Organizador. Guru do álcool. Fanático por café."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *