Cápsula de amostra de asteróide lançada na Terra encontrada na Austrália

Seis anos depois de ser enviada ao espaço, a sonda japonesa Hayabusa-2 fez sua primeira ‘entrega’

Foto: DLR / BBC News Brasil

O céu no centro da Austrália do Sul foi riscado por uma bola de fogo na madrugada de sábado (12/05) para domingo.

Uma cápsula lançada pela sonda japonesa Hayabusa-2 contendo material extraído de um asteróide entrou na atmosfera terrestre a uma velocidade de 11km / s, submetendo o escudo térmico que a protegia a uma temperatura próxima a 3000ºC.

Depois de abrir um pára-quedas para diminuir sua trajetória, o dispositivo de 16 quilos pousou no local planejado: o complexo Woomera Range, um centro de lançamento de foguetes controlado pela Força Aérea Australiana no meio do deserto.

Logo após o pouso, uma equipe no solo embarcou em um helicóptero equipado com um sensor que captava o sinal emitido pela cápsula para captá-lo.

Todo o processo foi compartilhado quase em tempo real por Conta da missão Hayabusa-2 no Twitter.

O material passará por uma rápida inspeção local e, em seguida, será levado ao Japão, para uma instalação da agência espacial japonesa (Jaxa) na cidade de Sagamihara, para análise.

A sonda, por outro lado, embarca em uma jornada para o próximo destino: o asteróide 1998KY26.

É a primeira vez que uma quantidade significativa de material coletado de um asteróide chega à Terra.

A missão Hayabusa-2 foi lançada no espaço há seis anos. A sonda pousou no asteróide Ryugu em junho de 2018 e investigou o objeto por quase um ano antes de retornar para fazer a “entrega”.

Alan Fitzsimmons, da Queen’s University em Belfast, Irlanda do Norte, diz que a exposição “revelará muito não apenas sobre a história do Sistema Solar”, mas também sobre esses corpos rochosos.

Asteróides são uma espécie de “sobra” de material usado na formação do Sistema Solar. Eles são compostos de elementos que também são encontrados em planetas como a Terra, porém, sem terem sido incorporados a eles.

“Ter acesso a amostras de um asteróide como Ryugu é algo que empolga os profissionais em nosso campo. Achamos que Ryugu é feito de rochas muito antigas que nos dirão um pouco sobre como o Sistema Solar se formou,” diz Sara Russell. líder do grupo de pesquisa de materiais planetários no Museu de História Natural de Londres.

As análises podem ajudar a esclarecer, por exemplo, como a água e outros ingredientes essenciais à existência de vida chegaram à Terra.

Por muito tempo, a comunidade científica acreditou que os cometas haviam trazido água para o planeta no início do Sistema Solar. No entanto, foi posteriormente observado que o perfil químico da água encontrado nesses corpos era frequentemente diferente daquele encontrado na água dos oceanos do planeta, diz Alan Fitzsimmons.

A composição da água em alguns asteróides fora do Sistema Solar, entretanto, acabou sendo muito mais próxima. E Ryugu provavelmente se originou nessa zona fria antes de migrar para sua órbita atual, mais perto da Terra.

“Talvez estivéssemos olhando para os cometas todo esse tempo, quando deveríamos ter olhado um pouco mais de perto esses asteróides primitivos,” acrescenta Fitzsimmons.

“Isso é certamente algo que analisaremos cuidadosamente nas amostras de Ryugu.”

Veja também:

O jovem que trocou seu piano por uma arma e desapareceu na guerra

BBC News Brasil
BBC News Brasil – Todos os direitos reservados. A reprodução é proibida sem a permissão por escrito da BBC News Brasil.

  • separador

You May Also Like

About the Author: Edson Moreira

"Zombieaholic. Amadores de comida amadora. Estudioso de cerveja. Especialista em extremo twitter."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *