Centenas de jangadas drenam o Rio Brasil enquanto ambientalistas querem parar a corrida do ouro | Noticias do mundo

As jangadas operadas por garimpeiros ilegais se aglomeram no rio Madeira para dragar ouro, enquanto as autoridades disputam quem deve detê-las.

As jangadas são equipadas com bombas e foram amarradas juntas em cabos que quase se estendem por toda a extensão do rio.

Plumas de gases de escape foram detectadas, indicando que os navios estão aspirando o leito do rio em busca de ouro.

Imagem:
Mineiros ilegais procuram ouro no leito do rio

“Contamos nada menos que 300 jangadas. Eles estão lá há pelo menos duas semanas e o governo não fez nada”, disse o Greenpeace. Brasil ativista Danicley Aguiar.

A corrida do ouro começou quando os líderes mundiais se reuniram em Glasgow para a conferência do clima das Nações Unidas. COP26 – onde o Brasil se comprometeu a intensificar a proteção da floresta amazônica.

Mas o presidente de extrema direita Jair Bolsonaro, que era um nenhum show em Glasgow, enfraqueceu o escritório ambiental do Brasil desde que assumiu o cargo em 2019, ignorando invasões de terras indígenas públicas e protegidas por madeireiros ilegais, fazendeiros e garimpeiros.

O rio Madeira flui cerca de 2.000 milhas (3.300 km) de sua nascente na Bolívia, através da Amazônia no Brasil e no rio Amazonas.

As lagoas de dragagem flutuaram rio abaixo da área de Humaitá, onde houve um aumento da extração ilegal de ouro.

Uma vista aérea mostra jangadas de dragagem operadas por garimpeiros ilegais que se reuniram em uma corrida do ouro na Madeira, um importante afluente do rio Amazonas em Autazes, estado do Amazonas, em 23 de novembro de 2021. Foto tirada em 23 de novembro de 2021 2021. REUTERS / Bruno Kelly
Imagem:
O governo federal acredita que é responsabilidade do estado do Amazonas deter as jangadas.

Eles foram vistos pela última vez a cerca de 400 milhas (650 km) de distância em Autazes, um município no sudeste de Manaus, Brasil.

Um porta-voz do Ibama, órgão brasileiro de proteção ao meio ambiente, disse que a dragagem ilegal no rio Madeira é de responsabilidade do estado do Amazonas e de seu órgão ambiental Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (IPAAM) e não do governo federal.

O chefe do IPAAM, Juliano Valente, disse que seu órgão instruiu as forças de segurança estaduais a agirem, mas insistiu que o rio está sob jurisdição federal e a fiscalização deve ser feita pela Polícia Federal e pela Agência Nacional de Minas (ANM).

Uma vista aérea mostra centenas de jangadas de dragagem operadas por mineradores ilegais que se reuniram em uma corrida do ouro na Madeira, um importante afluente do rio Amazonas, em Autazes, estado do Amazonas, Brasil, em 23 de novembro de 2021. Foto tirada em 23 de novembro de 2021. REUTERS / Bruno Kelly
Imagem:
Funcionários do governo estadual acham que o governo federal deve assumir a liderança

A Polícia Federal e a ANM não responderam imediatamente a um pedido de comentários.

“É uma luta livre para todos. Nenhuma das autoridades está fazendo nada para impedir a mineração ilegal, que se tornou uma epidemia na Amazônia”, disse Aguiar.

Assine o ClimateCast em Spotify, Podcasts da Apple, ou Spreaker.

You May Also Like

About the Author: Adriana Costa

"Estudioso incurável da TV. Solucionador profissional de problemas. Desbravador de bacon. Não foi possível digitar com luvas de boxe."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *